Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
11





Partilhe esta Página

                                             

                            

 

 

 


Clarice Lispector e sua escritura própria
Clarice Lispector e sua escritura própria

SILÊNCIOS ENSURDECEDORES

 

Clarice Lispector, que morreu há 40 anos, em 9 de dezembro de 1977 (um dia antes de completar 57 anos), usou uma escritura própria para subverter a linguagem.

 

Por Noeli Tejera Lisbôa

Jornalista, mestre em Teorias do Texto e do Discurso pela UFRGS

 

Quando o nazismo dominou a Europa, as universidades do continente e, em especial, as alemãs, não só não ofereceram resistência à barbárie como, com frequência, a acolheram. A cultura continuou a ser ministrada aos alunos como atividade humanizadora, embora, sabidamente, um número considerável de oficiais nazistas era amante de Wagner, Goethe e outros.

 

Conforme o crítico literário George Steiner, a visão de cultura como força humanizadora fica irremediavelmente abalada ao sabermos que uma pessoa podia ler Goethe ou Rilke enquanto ouvia Bach ou Schubert, à noite, e cumprir a rotina de trabalho em Auschwitz pela manhã: “A linguagem perdeu a capacidade de expressar a verdade” (de LINGUAGEM E SILÊNCIO).

 

Esse desgaste da linguagem se reproduziu em todo o mundo, seja pela sua banalização pelos meios de comunicação de massa, seja pelo uso distorcido que dela fizeram os regimes totalitários. No Brasil dos anos 1960 e 1970, a Operação Limpeza (para o extermínio dos guerrilheiros do Araguaia), a Operação Bandeirantes, para o centro de tortura do exército e outras coisas dessa ordem tornaram-se comuns.

 

Em decorrência do esgotamento dos sentidos, o silêncio assumiu importância coo força literária, como o que questiona a própria capacidade de dizer da linguagem, como espécie de resistência a sua banalização. Esse questionamento está na gênese da escritura de Clarice Lispector.

 

A língua é fascista, diz Roland Barthes em A AULA. O fascismo, ele acrescenta, não é impedir de dizer – é obrigar a dizer. E a língua tem uma estrutura que nos obriga a dizer de determinado modo. Sendo o sujeito constituído pela linguagem, onde estaria o espaço de resistência, ou de transgressão? Na crítica à linguagem – esta é a resposta de Barthes. É ao professar que nenhuma linguagem é inocente, diz o penador, que a literatura é revolucionária. É, portanto, ao fazer a crítica da linguagem que a literatura se torna escritura.

 

Essa passagem de escrita para a escritura é exatamente o que Clarice Lispector faz em sua obra. Por meio da transgressão das regras gramaticais de sintaxe, paragrafação e, especialmente, a partir de uma pontuação inusitada, Clarice nos leva a um estranhamento que coloca em xeque a própria estrutura da língua. E, ao questionar a linguagem, coloca em xeque também a visão do papel transformador da literatura como representação do mundo.

 

(não me corrija). A pontuação é a respiração da frase, e minha frase respira assim.” Com este recado ao linotipista, em crônica publicada no Jornal do Brasil em 1968, Clarice justifica uma das principais peculiaridades de sua escrita: a pontuação. Transgredindo regras as mais ortodoxas, ela inicia um romance (UMA APRENDIZAGEM ou O LIVRO DOS PRAZERES) com vírgula, e o acaba com dois pontos. Em ÁGUA VIVA, utiliza maiúsculas no meio da frase, em locais inusitados como no uso de pronomes, altera a posição dos parágrafos, inicia parágrafos com minúsculas, interrompe parágrafos no meio da frase e da linha, sem ponto final. Em PERTO DO CORAÇÃO SELVAGEM, coloca reticências em títulos. Inicia e encerra A PAIXÃO SEGUNDO GH com seis travessões. Enfim, rompe de forma gritante a normatização gramatical, tornando evidente a participação da pontuação na constituição do sentido.

 

Numa crítica contundente e, ao mesmo tempo, sensível à ideologia, cujo trabalho é a simulação de um sentido único, por meio de uma crítica à própria linguagem, lugar privilegiado de materialização desta, Clarice promove uma renovação da língua ao expandir seus espaços de movência dos sentidos até o ponto em que esta toca no real do discurso, a saber, o silêncio (entendendo o real, aqui, como o termo utilizado nos estudos psicanalíticos como um fenômeno imanente à representação e impossível de simbolizar). Desse modo, ao invés de fechar os sentidos, movimento próprio do totalitarismo e dos meios de comunicação de massa, lança-os inteiramente em aberto para o leitor, exigindo a participação deste na sua constituição. Faz aí, nesse uso inusitado da pontuação, aquilo que Barthes chama de crítica da linguagem.

 

Clarice promove a única possibilidade de transgressão da língua, que é a transgressão de sua própria estrutura interna, a sintaxe. Rompe, assim, com aquilo que Barthes define como o poder intimidador da estrutura linguística, desfazendo a evidência do sentido e demonstrando que todo dizer está imerso num contínuo discursivo. Promovendo a descontinuidade do discurso, ela se interrompe, indaga, se contradiz, ou seja, quebra exatamente com aquilo que seria a própria característica definidora do texto: a unidade textual. A história da humanidade, diz o psicanalista Contardo Calligaris, poderia ser vista como um longo discurso contínuo no qual nós interferimos em determinados pontos. Ou, como diz Clarice, quase ao final de ÁGUA VIVA: “O que te escrevo é um ‘isto’. Não vai parar: continua”.

 

Nesse sentido, o trabalho sobre o real é revolucionário por si só, pois é ali, digamos, que encontramos as bordas da linguagem, e é ali, também, que encontramos o que do humano não pode ser simbolizado, que não está atravessado pela interpretação e, portanto, não sofreu ainda determinação ideológica. Esse trabalho é desenvolvido por meio da expansão dos espaços de silêncio constituintes das palavras, ou seja, do real do discurso, conforme noção formulada por Eni Orlandi em AS FORMAS DO SILÊNCIO: “O silêncio é o real dos discurso”. E, ao contrário de ser uma manifestação exitosa da escrita, é exatamente no fracasso da linguagem, como bem demonstrou Clarice, que encontramos o indizível: “O indizível só me poderá ser dado através do fracasso de minha linguagem” (em A PAIXÃO SEGUNDO GH).

 

É ali, nas brechas da linguagem, onde deparamos com o silêncio, como expressão do indizível, que somos impelidos a um desacomodamento da nossa relação com a linguagem e, em consequência, com a nossa compreensão do mundo.

 

Fonte: Zero Hora/Caderno doc em 26/11/2017