Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
3





Partilhe esta Página

                                             

                            

 

 

 


Dicionário da Cultura Pampeana Sul Rio-Grandense
Dicionário da Cultura Pampeana Sul Rio-Grandense

SCHLEE, TRADUTOR DO PAMPA

 

Dicionário em dois volumes sobre a cultura pampeana, obra póstuma do escritor de Jaguarão, será lançado hoje.

 

Livro: DICIONÁRIO DA CULTURA PAMPEANA SUL-RIOGRANNDENSE

Editora Fructos do Paiz. 2V, 500 páginas (vol.1) e 550 páginas (vol.2) Não será comercializado. Lançamento hoje (20 de março) no Palácio Piratini.

 

 

Aldyr Garcia Schlee (1934-2018), falecido em novembro passado aos 83 anos, foi um autor que tornou o Pampa e a região de fronteira sua temática de eleição. Por isso, também, durante muitos anos atuou numa espécie de zona particular dentro da literatura rio-grandense. Com a exceção de dois romances, sua obra voltou-se com insistência para o conto. Dois de seus livros sairiam primeiro no Uruguai, em língua espanhola, e só mais tarde foram editados no Brasil. Traduziu autores de língua espanhola para o português e autores brasileiros para o espanhol. Para além de autor ligado a um país, era um artista do Pampa. Em retrospecto, portanto, parece apropriado que seu legado literário seja um alentado dicionário dessa cultura doble-chapa, na qual ele habitava como pessoa e autor.

 

DICIONÁRIO DA CULTURA PAMPEANA SUL-RIOGRANDENSE, uma obra em dois volumes totalizando mais de mil páginas, será lançada oficialmente hoje (em 20 de março), às 10h, no Palácio Piratini. A tiragem, de 3 mil exemplares, será distribuída a instituições de ensino e bibliotecas. Também deve ser disponibilizada na rede para download gratuito ainda este semestre. O livro apresenta, em verbetes, a visão de Schlee sobre o Pampa, sua história e seus costumes. É o resultado de um trabalho paciente de escrita que durou uma década, mas também condensa pesquisas realizadas ao longo de uma vida.

 

- Meu pai sempre foi muito cuidadoso com a literatura dele. Ao longo de toda a vida, colecionou informações e termos, tanto para seus livros quanto para suas traduções. Talvez não houvesse em princípio a ideia de fazer um dicionário, mas em determinado momento essa intenção surgiu – comenta Andrey Schlee, um dos três filhos do escritor.

 

Na década passada, Schlee resolveu transformar suas alentadas anotações em um dicionário propriamente dito. Fez alguns exercícios na forma em VOCABULÁRIO DE SIMÕES LOPES NETO, que seria publicado em 2010. E convidou uma produtora cultural que havia conhecido em uma mesa de debates para ajudar a viabilizar a edição. A hoje secretária de cultura do Estado, Beatriz Araújo, aceitou na hora, mas o projeto só foi deslanchar mesmo nos últimos anos. Ela e Schlee idealizaram um selo editorial para a obra. Fructos do Paiz. Ao lado de seu último romance, O OUTRO LADO, lançado em 2018, Schlee dedicou seus derradeiros três anos ao trabalho constante na obra, dada por finalizada pouco antes de sua morte.

 

Os verbetes abrangem elementos da fauna e da flora, das lides do campo, termos geográficos e políticos, expressões idiomáticas tradicionais do falar gaúcho. Embora sua estrutura seja a de um dicionário tradicional, percebe-se o toque de Schlee na redação das entradas, com uma prosa mais solta e leve do que muitos dicionários à disposição.

 

É um trabalho autoral, penso que, com os anos, vai ser conhecido como o Dicionário do Schlee. Tu encontras nos verbetes muito da personalidade dele, ele estudou a obra de escritores regionais, autores mais recentes, apresenta a fauna e a flora do Pampa de forma muito intensa – avalia Beatriz Araújo.

 

 

Changador (PLAT) S.m. e adj.-

O mesmo que >changueiro.//DES: uma das denominações dadas aos >coureadores, >gaudérios e gaúchos coloniais. AME: changador. HIST: desde o início do século XVIII, a partir de 1730, foram chamados de changadores todos os que se dedicavam livremente no pampa a capturar e matar animais vacuns ou cavalares para sacar-lhe o couro e deles tirar proveito.

 

 

Sesmaria (BRAS) S.f.ANT DES -

Porção de terra devoluta ou abandonada, de campo e de mato, que os reis de Portugal cediam a determinadas pessoas – chamadas >sesmeiros – para que a cultivassem e cuidassem (PA, SL, AJ, EV).// Sesmaria-de-campo: medida agrária antiga, equivalente a uma sesmaria, ou seja: três léguas quadradas, ou 13.068hectares de campo aberto.//Sesmaria-de-mato: antiga medida agrária, correspondente 1.089 hectares de campo coberto de mato.

 

 

Jaguara (BRAS) Adj.ANT DES – Dito DEPR de Cachorro: cão medroso ou de má índole; cusco sem raça e sem serventia; guaipeca sarnoso e imprestável.// FIG: dito, igualmente, de homem sem caráter, patife, canalha.

 

 

Camoatim (GUA: caba-ati) S.m. - Inseto vespídeo (Polybia scutellaris), preto, com finas listras amarelas – também chamado simplesmente de marimbondo e conhecido nacionalmente como enxu-de-beira-de-telhado – que não deve ser confundido com a techiguana ou o mangagá; o que utiliza lugares altos, de preferência as cornijas das casas, para a construção de seus vespeiros.//O vespeiro construído por esses insetos, de forma esférica, feito de uma pasta cinzenta semelhante ao papelão e que pode abrigar mais de dez mil indivíduos [VABL também registra a form camoati]

 

Fonte: Zero Hora/Segundo Caderno/Carlos André Moreira (carlos.moreira@zerohora.com.br) em 20/03/2019