Translate this Page




ONLINE
12





Partilhe esta Página

                                            

                            

 

 

 


Martín Fierro, de José Hernández
Martín Fierro, de José Hernández

UM NOVO CANTO PARA MARTÍN FIERRO

 

Editora Movimento lança tradução em português, do gaúcho Colmar Duarte, para o épico fundador da literatura gauchesca

Livro: MARTÍN FIERRO De José Hernández – Poesia. Tradução de Colmar Duarte. Movimento, 312 páginas

 

Além de unir brasileiros e argentinos fisicamente, por meio de uma ponte com Paso de los Libres, Uruguaiana tem ultimamente também aproximado os povos vizinhos por meio da literatura. Localizada a mais de 600 quilômetros da Capital, a cidade é ponto de partida de projetos editoriais que traduzem e ampliam a circulação de textos clássicos do Rio Grande do Sul e da Argentina.

 

O primeiro resultado dessas trocas literárias já está nas livrarias. Trata-se de uma edição bilíngue do épico MARTÍN FIERRO, de José Hernández (1834-1886), com nova tradução, lançada pela editora Movimento. Expressão máxima da literatura gauchesca, MARTÍN FIERRO consolidou o mito do gaucho na Argentina, homem campeiro que vaga pela amplidão do pampa, às vezes à margem da lei, mas com valores éticos próprios e profundo conhecimento da natureza. Atravessando fronteiras, os gauchos ficaram conhecidos do lado brasileiro como gaúchos, denominação que veio a se tornar o gentílico do Rio Grande do Sul.

 

Colmar Duarte, tradutor da nova edição da obra de Hernández, conhece bem esse modo de vida. Nascido em Uruguaiana, é descendente dos primeiros sesmeiros da região e conviveu desde a infância com argentinos e uruguaios nas terras que mais tarde herdaria dos pais, na comunidade Touro Passo.

- Fui guri de campo, de montar a cavalo e correr carreira. O capataz da estância onde me criei era uruguaio. Tinha um conhecimento impressionante da natureza. A gente andava a cavalo e entrava a pé nos matos. Ele me mostrava as marcas dos animais nas árvores e dizia coisas como: “Tá ouvindo o sabiá cantando? É sinal de que tem pitanga madura” – lembra Colmar.

 

VERSÕES

 

Além de ter conhecimento da lida campeira, Colmar, de 87 anos, tem proximidade com o mundo das letras como romancista, organizador de coletâneas e compositor – foi o idealizador da Califórnia da Canção Nativa, festival que mudou os rumos da música regional gaúcha a partir de 1971.

- Já existem traduções de MARTÌN FIERRO para o português, embora muitas delas tenham se esgotado. A Movimento achou importante encaminhar uma nova tradução, pois esse é um livro fundamental não sói para a Argentina, mas para toda a América do Sul. Foi muito bom contar com o Colmar, porque ele tem o ouvido de fronteiriço, de quem cresceu imerso nessa cultura e nessa linguagem – avalia o editor Carlos Jorge Appel.

 

O trabalho do tradutor inspirou mais um escritor de Uruguaiana a estrear no ofício. É o caso de Ricardo Duarte, irmão de Colmar, que também tem livros de ficção e ensaios publicados. Caçula da família, 12 anos mais jovem que Colmar, Ricardo deve lançar nos próximos meses uma edição de FACUNDO, de Domingo Faustino Sarmiento (1811-1888, livro fundador da literatura argentina, publicado em 1845. O volume será viabilizado por uma parceria entre as editoras Movimento, de Porto Alegre, e Viapampa, de Uruguaiana, liderada por Nilza Isabel Mazetti Dornelles, esposa de Ricardo.

 

O tradutor e a editora já estão preparando mais um passo conjunto: o lançamento de CONTOS GAUCHESCOS e LENDAS DO SUL vertido na íntegra para o espanhol. O livro, previsto para o primeiro semestre de 2020, deve ser lançado na Feira Internacional do Livro de Buenos Aires, realizado pela Viapampa em parceria com a Yayetopa, fundação que une argentinos e brasileiros em prol da integração cultural das duas nações. Há apenas uma tradução integral dessas obras de Simões Lopes Neto para o espanhol, lançada por uma editora uruguaia em dois volumes.

- Na Fronteira, a integração é tão óbvia que parece desnecessário falar dela. Sempre convivemos, os de origens brasileira e argentina. No entanto, é preciso difundir e fortalecer esse diálogo para ALÉM DA NOSSA ÁREA – CONCLUI Ricardo.

 

Fonte: Jornal Zero Hora/Segundo Caderno/Alexandre Lucchese (alexandre.lucchese@zerohora.com.br) em 13/08/19