Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
11





Partilhe esta Página

                                             

                            

 

 

 


Coletânea Sobre o Amor, de Charles Bukowski
Coletânea Sobre o Amor, de Charles Bukowski

BUKOWSKI, O VELHO SAFADO, E O AMOR

 

Bem no clima do Dia dos Namorados, a L&PM Editores lançou, há poucos dias, a coletânea SOBRE O AMOR, do escritor Charles Bukowski, nascido na Alemanha em 1940, mas criado em Los Angeles. A compilação é de Abel Debritto, biógrafo de Bukowski e que já editou outras coletâneas temáticas do “velho safado”: SOBRE GATOS e ESCREVER PARA NÃO ENLOUQUECER. SOBRE O AMOR tem 224 páginas e foi muito bem traduzido pelo jornalista, tradutor e escritor gaúcho Rodrigo Breunig.

 

Bukowski faleceu em 1994 e publicou mais 45 livros de prosa e verso. A L&PM já publicou 23 obras dele, entre as quais CARTAS NA RUA; CRÔNICA DE UM AMOR LOUCO; MULHERES E PEDAÇOS DE UM CADERNO MANCHADO DE VINHO. Honesto, reflexivo, alternando-se entre a dureza e a sensibilidade, Bukowski, o velho nem tão safado, nesses versos fala de várias formas de amor e relaciona o tema com as filhas, as muitas mulheres, as amantes que teve, o trabalho e os amigos.

 

Está tudo bem embolado: o amor, a luxúria, a paixão, o desejo, o egoismo, o narcisismo, o misterioso, o aleatório, o misterioso, a glória e a miséria deste sentimento frágil e eterno. Não ficaram de fora da obra o alto poder redentor do amor, as confusões e o lado bem-humorado do amor. Feroz, vulnerável, lírico e irônico, Bukowski mostra que muitas vezes o amor, especialmente o paterno, fulminou seu coração aparentemente empedernido.

 

Alguns versos do poeta: “O amor não passa de um farol a ceso à noite cortando à névoa / O amor não passa de uma tampinha de cerveja na qual você pisa a caminho do banheiro / o amor é a chave perdida da sua porta quando você está bêbado”; e “Gosto de vpcê, querida, eu te amo / a única razão por que trepei com L. é porque você trepou com Z, e aí eu trepei com R. e porque você trepou com N. eu preciso trepar com Y”. Outro poema: “filha/certo ou errado/eu te amo, sim/ é só que às vezes eu ajo como se/ você não estivesse presente/mas houve brigas com mulheres/ bilhetes deixados em cômodas / trabalhos em fábricas / pneus furados em Compton às 3 da manhã/ todas essas coisas que impedem as pessoas de conhecer umas às outras e pior do que isso/ obrigado pelas flores.”

 

SOBRE O AMOR é um livro peculiar, muito pessoal, sobre um dos temas mais antigos e humanos. Entre a sarjeta e a lua, entre o doce amor paternal e em meio à brutalidade e à beleza dos amores adultos, Bukowski parece dizer que, ao fim e ao cabo, o amor é o que interessa. Mesmo e principalmente quando pareça não interessar mais ou quando só um futuro amor interessar.

 

 

Fonte: Jornal do Comércio/Jaime Cimenti (jcimenti@terra.com.br) em 09/06/2017