Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
20





                                              

                            

 

 

 


A Tentação Fascista no Brasil, de Hélgio Trindade
A Tentação Fascista no Brasil, de Hélgio Trindade

ESQUINAS DA HISTÓRIA         

 

Ex-reitor e professor emérito da UFRGS, Hélgio Trindade lançou em agosto, o livro A TENTAÇÃO FASCISTA NO BRASIL: IMAGINÁRIO DE DIRIGENTES E MILITANTES INTEGRALISTAS.  O livro traduz o que o fascismo significou para os brasileiros dos anos 1930, época do surgimento do Integralismo no Brasil, até os dias de hoje, abordados em um epílogo que contextualiza o momento do país ante a conjuntura internacional.

LIVRO:  Editora da UFRGS, 838 páginas.

 

Um catatau de 840 páginas assusta; mas será difícil negar charme e interesse ao livro A TENTAÇÃO FASCISTA NO BRASIL, apesar do tamanho.  E, a melhor parte, ao abrir as páginas o leitor vai deparar com um texto fluente, agradável de ler mesmo para quem, como eu, não é do ramo das Ciências Políticas.  Mais que isso, o tijolo de papel contém uma preciosa reflexão sobre o Brasil.

 

Vamos aos nomes completos: o autor é Hélgio Trindade, calejado cientista político, um acadêmico de trajetória exemplar em seu campo, e também um experiente gestor universitário, ostentando o raríssimo feito de haver sido reitor de duas universidades brasileiras, a UFRGS e a novíssima UNILA, em Foz do Iguaçu, cuja implementação ele coordenou.

 

O livro contém mais de uma relevância.  Começa que, na abertura, Hélgio faz um cabível evocação sobre sua história pessoal de envolvimento com o tema, em contido (e cabível) autoelogio.  Em 1974, defendeu tese na Sorbonne sobre o tema, quando ofereceu uma interpretação nítida sobre o integralismo, este movimento autoritário dos anos 1920 e 1930 no Brasil:  tratava-se de uma modalidade de fascismo. (Esquina da história: em sua banca estava Celso Furtado.)  Publicada em livro, a tese foi lida e apreciada, ganhando relevância como cabia, a demonstrar o sentido de haver um curso de Ciência Política na universidade.

 

A seguir, A TENTAÇÃO FASCISTA oferece um panorama do Integralismo, seu pensamento, suas preferências, seus vínculos com outros movimentos autoritários do período, quando conviviam o positivismo ao lado do comunismo, e o fascismo e o nazismo polarizavam atenções, tudo isso no contexto getulista, e não menos, modernista.  Ocorre que o grande líder integralista, Plinio Salgado, participou da famosa Semana de 22, o que é mais um elemento de interesse atual pelo trabalho de Hélgio, dada a supremacia atual do modernismo à moda paulista.

 

A parte mais suculenta do livro vem depois: um conjunto de entrevistas, realizadas pelo autor entre 1969 e 1970 – ponhamos aí a lembrança do tempo ultra-autoritário do regime de 1964 – e nunca antes publicadas como tal.  Entramos então em outra esquina da história: ouvimos, para além das informações e interpretações do autor, a voz de protagonistas, já senhores afastados daquele calo integralista inicial.  Fala Plínio Salgado, admirador de Salazar e chefe do grupo; a seguir, vários dirigentes nacionais e regionais, entre os quais o chefe gaúcho.

 

Estamos na página 550 e ainda temos mais material de grande proveito: agora, cinco primorosas entrevistas com testemunhas da história: Alceu Amoroso Lima, Antonio Candido, Cruz Costa, Menotti del Picchia e Cândido Motta Filho (os dois últimos também participantes da Semana paulistana e também picados pelo autoritarismo, mas por mosca diversa da de Plínio).  Esquinas de impressionante força.  O livro encerra com um ensaio breve sobre a esquina atual, AINDA A TENTAÇÃO FASCISTA NO BRASIL?, que arranca dessa pergunta tão sensível e tão compartilhada por tantos e avança menos do que o leitor democrata gostaria.

 

Visto na perspectiva de uma longa carreira, o novo livro de Hélgio Trindade oferece um espetáculo de rara dignidade.  Não são muitos os intelectuais a terem tido a qualidade e a coerência do autor, mas também a perseverança, a energia e mesmo a sorte de chegar ao tempo da aposentadoria com lucidez e tino para realizar obra desta envergadura.

 

Fonte:  Zero Hora/Luís Augusto Fischer/Escritor, ensaísta, professor e colunista de ZH, em 15/08/2016.