Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
13





                                              

                            

 

 

 


Novo Olhar sobre Machu Picchu
Novo Olhar sobre Machu Picchu

NOVO OLHAR SOBRE MACHU PICCHU.

 

Machu Picchu, a cidade perdida dos incas, hoje patrimônio da humanidade, é considerada uma das sete maravilhas do mundo moderno.  MACHU PICCHU – A VISÃO ARQUITETÔNICA DECIFRA O MISTÉRIO (Marcavisual, 132 páginas, edição bilíngue português-espanhol, formato 19x26cm), do consagrado e experiente arquiteto e urbanista Manoel Joaquim Tostes, a partir de um olhar singular sobre os tesouros guardados – e perdidos – da cultura inca,  instiga o pensamento e estimula a pesquisa sobre o império que dominou por 200 anos vasta porção da América do Sul.

Manoel Joaquim Tostes, há mais de 35 anos, se envolve com trabalhos nos setores público e privado:  atuou como auditor do Tribunal de Contas do estado do Rio Grande do Sul e foi diretor de aprovação de projetos de Porto Alegre.

 

    

 

Em 2014, Manoel visitou Machu Picchu, registrou a viagem em 60 fotos coloridas que estão no livro e aproveitou para analisar a ocupação e a utilização da lendária cidade de um modo diferente.  O império dos incas abrangeu todo o povo do Equador até o Chile.  Depois de abordar diversos pontos da cultura inca, com destaque para os elementos construtivos que formavam a infraestrutura do império, o autor chegou à conclusão de que Machu Picchu não seria o palácio do inca ou um centro espiritual, como muitos ainda acreditam.

A obra, que tem projeto gráfico da Marcavisual e tradução para o espanhol de Maria Soledad Mendez e revisão de Iara Salim Gonçalves, objetiva ser um instrumento para fortalecer as teses de autores e pesquisadores pretéritos, atuais e futuros que acreditam que Machu Picchu foi planejada, projetada e executada por homens e para os homens – sem intervenção extraterrestre ou divina – e com a finalidade de cumprir o objetivo do ensino e da evolução do conhecimento técnico dos incas.

 

                                              

 

O autor pretendeu – e conseguiu – lançar luzes sobre os segredos de Machu Picchu, mas, ao se concentrar na tarefa específica e restrita de examinar as técnicas perdidas das obras, com sabedoria e humildade, refere que, para ir além com os desvendamentos dos mistérios, é preciso um projeto que conte com a participação de pesquisadores e universidades de todo o mundo, e aí, quem sabe, consigamos escrever as páginas faltantes desta história truncada.

Portanto, o público que gosta de história da humanidade, engenharia e arquitetura certamente vai apreciar as informações históricas, os dados sobre os incas, detalhes sobre Cusco, a capital do império e, principalmente, vai entrar em contato com a visão arquitetônica do autor sobre a cidade.

Se é certo que o famoso livro ERAM OS DEUSES ASTRONAUTAS, de Erich Von Däniken, sobre o tema foi considerado fantasioso por muitos, certo também é que os críticos, arqueólogos e pesquisadores seguem sem respostas definitivas para os mistérios de Machu Picchu.  Cada um defende sua tese.  Os mistérios continuam.

 

Fonte:  Jornal do Comércio/Jaim e Cimenti (jcimenti@terra.com.br) 23/10/2015