Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
4





                                              

                            

 

 

 


Interpretação Geral do Brasil
Interpretação Geral do Brasil

INTERPRETAÇÃO GERAL DO BRASIL

 

A terceira edição de INTERPRETAÇÃO DO BRASIL (Global, 256 páginas), do grande sociólogo brasileiro Gilberto Freyre (1900-1987) com prefácio do professor Eduardo Portella, ex-ministro da Educação e introdução do professor Omar Ribeiro Thomaz, reúne conferências apresentadas em instituições norte-americanas em 1944 e pensadas para o público estrangeiro, mas que são atraentes e atuais para nós.  Sua leitura revela um momento crucial na obra de Freyre.  A primeira publicação no Brasil deu-se em 1947 – a segunda edição, em 2001.

 

 

INTERPRETAÇÃO DO BRASIL segue no quadro argumentativo configurado pelas obras antecessoras e pelas contemporâneas CASA-GRANDE & SENZALA; SOBRADOS E MUCAMBOS; REGIÃO E TRADIÇÃO e ORDEM E PROGRESSO, não se deixando tomar pela tentação da síntese.  A obra ensina aos brasileiros, no que diz respeito ao regime superior de coabitação cultural, trocas materiais e imateriais, intercâmbios simbólicos, sensações difusas, encontros e desencontros, previsíveis e imprevisíveis, vida, forma e cor.

A primeira parte fala dos antecedentes europeus da história brasileira; a segunda, de fronteiras e plantações, unidade e diversidade; nação e região é o título da terceira e condições étnicas e sociais do Brasil moderno é a quarta.  A política exterior e os fatores que a condicionam é o tema da quinta.  A literatura moderna do Brasil é a sexta parte do volume, que apresenta, ainda, história bibliográfica de INTERPRETAÇÃO DO BRASIL, bibliografia sobre Gilberto Freyre, biobibliografia do autor e índice onomástico.

Na introdução, escreve Omar Ribeiro Thomaz:  “INTERPRETAÇÃO DO BRASIL mantém no entanto, seu interesse: revela-nos o processo pelo qual passava a obra de Gilberto Freyre.  Observa-se uma inflexão, uma passagem, como que uma interpretação geral do Brasil, no tempo e no espaço, a informar a universalização de sua teoria luso-tropical.  Traduz a importância crescente que o Brasil, e as representações construídas em torno de sua realidade, passa a ter num mundo cada vez mais preocupado com as consequências potencialmente violentas e dramáticas de contatos entre povos, culturas e religiões”.

 

 

Gilberto Freyre, em INTERPRETAÇÃO DO BRASIL, depois do mural CASA-GRANDE & SENZALA e de SOBRADOS E MUCAMBOS, nos dá um dos sentidos de sua obra:  a glorificação de um povo, responsável último pela formação de uma cultura e de uma sociedade.  Não busca heróis individuais, mas aqueles representativos dos esforços da coletividade.

“Gostaria de ver incluído num monumento à plantação a senhora de engenho, o escravo do campo, o moleque, companheiro paciente e às vezes masoquista do senhor-moço, e ainda a mulata que no Brasil ficou sendo chamada de a mucama: a companheira da senhora branca”, contou Freyre.

 

Fonte:  Jornal do Comércio/Jaime Cimenti (jcimenti@terra.com.br) em 18, 19 e 20/12/2015