Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
20





                                              

                            

 

 

 


Dois Livros e Muitos Vícios
Dois Livros e Muitos Vícios

DOIS LIVROS E MUITOS VÍCIOS

 

Bem conhecida pelo senso comum, a relação entre artistas e o vício costuma ser mais romantizada do que propriamente analisada.  Dois livros recentes tentam seguir na contramão dessa tendência.  Em VIAGEM AO REDOR DA GARRAFA, a jornalista e escritora inglesa Olívia Laing mescla um relato de viagem nada convencional à análise do papel que o álcool teve sobre seis grandes escritores do século 20.  Já em A VIDA LOUCA DA MPB, o gaúcho Ismael Caneppele apresenta 17 perfis de artistas da música nacional que mantiveram com a droga um  contato tão frequente quanto o que tinham com o microfone.

Em seu livro, Olívia Laing alterna biografia, análise literária e descrições em primeira pessoa de suas viagens por cenários importantes da vida de seis escritores americanos de relação tumultuada com o copo.  Estão lá os inevitáveis Ernest Hemingway e F. Scott Fitzgerald, claro, e também Tennessee Williams, John Cheever, John Berryman e Raymond Carver.

“Meu objetivo era descobrir como cada um desses homens – e, no caminho, alguns dos muitos outros que sofreram da doença – vivenciou seu vício e refletiu sobre ele”, diz a autora ao explicar a natureza de seu livro.  Ou seja, não é apenas sobre a vida, mas também sobre como o alcoolismo se refletiu nas obras desses autores.

 

 

Laing oferece alguns insights interessantes.  Além do álcool, a maioria desses escritores teve uma relação próxima com  a água – Cheever, por exemplo, narrou a sombria desagregação da psique de um alcoólatra em um conto chamado O NADADOR.  Foram, também, personalidades em deslocamento constante: Hemingway e Fitzgerald tiveram seus períodos de giros europeus; Carver e Cheever passaram anos peregrinando por universidades do Interior.

VIAGEM AO REDOR DA GARRAFA tem o mérito de não moralizar as escolhas de seus personagens.  Sim, o vício no álcool, como costuma acontecer, destruiu gradativamente as relações sociais e familiares de cada um deles, e no final já comprometia sua capacidade de trabalho.  Ao mesmo tempo, Laing sabe ver as sutis correlações entre a personalidade de seus personagens, vulnerável algumas vezes, desesperada em outros momentos, com a obra que o vício comprometeu.  Não é que poderiam ter escrito mais e por mais tempo se não fosse o álcool – o que talvez seja verdade – mas sim que não teriam escrito as obras que conhecemos sem aquela parcela de sensibilidade de algum modo também os direcionava ao álcool.  É de lamentar, contudo, que Laing, que admite ter crescido em um lar em que a bebida corria solta, tenha evitado as escritoras, como Patricia Highsmith ou Dorothy Parker, por acreditar que “sua história muito se aproximava de minha casa”.  Elas talvez permitissem uma abordagem diversa e mais complexa, dado que o ensaio se concentra em autores que Laing já sabia terem perfil semelhante.

 

 

Já A VIDA LOUCA DA MPB retoma as relações com os excessos de 17 músicos e compositores brasileiros, dos de maior projeção, como Carmem Miranda, Vinícius de Morais e Tim Maia, a figuras de popularidade mais restrita, como Sergio Sampaio e Julio Barroso.  O foco aqui é a vida dos que declinaram pelo abuso de substâncias variadas, não apenas o álcool.

Em uma MPB que até recentemente tinha algumas de suas principais figuras na batalha para proibir biografias não autorizadas, não é de admirar que a vertente “vida louca” de nossos artistas seja pouco abordada.  Um dos autores a tratar mais honestamente a relação entre a droga e a música no Brasil foi o insider Nelson Motta, em suas memórias NOITES TROPICAIS, e não por acaso Motta também apadrinha este livro de Caneppele, sendo o autor da ideia da obra e da lista de 17 personagens.

 

 

 

A DROGA COMO ESTILO DE VIDA

O livro de Caneppele se concentra não tanto no vício em si, mas nas necessidades que os despertaram.  Alguns abusaram para continuar fazendo aquilo que o público esperava deles, como Carmem Miranda entupida de benzedrina em uma maratona de shows.  Outros, buscaram anestesiar-se para conciliar temperamento tímido e sucesso, como Sergio Sampaio, que praticamente fugiu do lançamento de um álbum para se afogar em álcool.  Em outros, a droga é a expressão de um estilo de vida anárquico, como Julio Barroso, consumidor onívoro de drogas e sexo.

É um livro escrito com visível paixão pelos personagens.  Ao mesmo tempo, é um trabalho que se sai melhor quando lança seu olhar sobre autores menos conhecidos, já que os perfis de Carmem Miranda e Tim Maia, por exemplo, soam mais como uma agradável introdução a tópicos abordados com mais detalhamento nas biografias escritas por Ruy Castro e Nelson Motta, respectivamente.

 

Fonte:  ZeroHora/Mundo Livro/Carlos André Moreira (carlos.moreira@zerohora.com.br) em 18 de março de 2016.