Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
18





                                              

                            

 

 

 


Uma Fuga Perfeita é sem Volta, de Marcia Tiburi
Uma Fuga Perfeita é sem Volta, de Marcia Tiburi

SONHOS, SEXO E SOLIDÃO SEGUNDO MARCIA TIBURI

 

Na Praia do Campeche ou em Berlim, o isolamento e a dificuldade de comunicação são os mesmos.  Pelo menos é assim para Klaus Wolf Sebastião, protagonista do novo romance da filósofa e escritora gaúcha Marcia Tiburi.  UMA FUGA PERFEITA É SEM VOLTA aborda sentimentos contemporâneos universais, como os frágeis vínculos de amizade em um mundo permeado por interesses e a relação com o corpo em tempos de valorização midiática da sexualidade.

 

Marcia esteve em Porto Alegre, em outubro, para lançamento do livro na Livraria Cultura:

- UMA FUGA PERFEITA É SEM VOLTA tem a ver com o meu último ensaio filosófico, chamado COMO CONVERSAR COM UM FASCISTA (2015).  Os dois, cada uma a sua maneira, falam da questão do empobrecimento da linguagem, da incomunicabilidade, do individualismo e da solidão – explica Marcia.

 

O romance começa quando Klaus, brasileiro radicado em Berlim, onde trabalha como funcionário da chapelaria de um museu, liga para a irmã e descobre que seu pai está morto há meses.  O personagem estava distanciado do pai, passando longas temporadas sem estabelecer contado.  Mas, diante da notícia, Klaus tenta rever seu próprio passado, buscando rastros de uma trajetória em Florianópolis.

 

UMA FUGA PERFEITA É SEM VOLTA tem 600 páginas.  Apesar da dimensão, é uma narrativa mais acessível do que MAGNÓLIA e ERA MEU ESSE ROSTO, romances anteriores da autora, que usavam uma estrutura mais hermética.  A nova obra tem capítulos curtos, dispostos de modo linear.  No entanto, há também espaço para momentos mais ousados, como a descrição do mundo onírico do protagonista.

- Não sei se os sonhos deveriam simplesmente ter mais espaço nas narrativas contemporâneas ou se os nossos pensamentos, o nosso modo tradicional de olhar para a vida concreta, não deveriam respeitar mais o ato de sonhar, seja como vivência do sono, seja como metáfora ética e política – afirma Marcia.

Fonte:  ZeroHora / Alexandre Lucchesse / alexandre.lucchese@zerohora.com.br em 07/10/2016.