Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
8





                                              

                            

 

 

 


O Cego e a Natureza Morta / Poesia, de Maria Carpi
O Cego e a Natureza Morta / Poesia, de Maria Carpi

UM MERGULHO NA ESCURIDÃO

 

EM NOVO LIVRO, MARIA CARPI PROPÕE REFLEXÕES SOBRE O OLHAR EVOCANDO A IMAGEM DE UM CEGO.

LIVRO:  O CEGO E A NATUREZA MORTA // POESIA // ARDOTEMPO, 144 PÁGINAS.

 

Maria Carpi não tem pressa.  Apresar de se considerar poeta desde a infância, só lançou o primeiro livro, NOS GERAIS DA DOR (1990), aos 51 anos.  De lá para cá, já publicou mais de 12 títulos, mas guarda outros 23 na gaveta, sem urgência de editá-los.  Essa conta, no entanto, mudou em 30 de agosto, com o lançamento de O CEGO E A NATUREZA MORTA, na Livraria Cultura.  Na ocasião, houve bate-papo da autora com o psicanalista Luiz-Olyntho Telles da Silva, autor do prefácio.

 

- Não sou parâmetro para ninguém.  Cada poeta precisa encontrar sua própria respiração no mundo.  Tenho um filho que é o contrário de mim e amo que sejamos diferentes um do outro.  Ele tem pressa, urgência; já eu sou apaixonada pela lentidão e pelo silêncio – diz, comparando seu modo de escrever ao do filho, o também poeta Fabrício Carpinejar.

 

Assim, como os livros anteriores de Maria Carpi, O CEGO E A NATUREZA MORTA é construído em torno de um tema único.  Desta vez, a metáfora do olhar é o ponto de partida para os poemas, agrupados em três cantos.  No primeiro terço, AS BRASAS DA ESCURIDÃO para indicar a possibilidade de desenvolver uma nova sensibilidade.  “O cego sabe lidar com o escuro / Empurra-o como se água / na banheira, moldável”, diz o eu lírico, “com o tato dobra / e desdobra as nuanças do sabor / e da alegria”.

 

No canto seguinte, NOITE EM CLARO,  um mergulho na escuridão é proposto ao leitor.  Como o título da seção sugere, a noite dos versos também tem seu próprio tipo de claridade, uma vez que “não há maior imaginação / do que ingressar em sombras”.  Já os poemas do último trecho, AUSÊNCIA ARDENTE E FALA FEMININA, refletem sobre a convivência com o caráter insaciável dos desejos.  “Ninguém se livra / mesmo casando, da viuvez da vida”, conclui um dos poemas.

 

- Esse livro me persegue há quase uma década, mas foi há cinco anos que o orquestrei.  Contudo, fui escrevendo e publicando outras coisas.  Fiquei com receio de fazer esses versos encontrarem leitor, pois é um livro muito dendo, forte – comenta a autora.

 

Leitora apaixonada de ilósofos como Martin Buber (1878 – 1965), Simone Weil (1909 – 1943) e María Zambrano (1904 – 1991), Maria Carpi ampara as reflexões que geram seus versos na filosofia.  Assim como a autora em seu fazer poético, o leitor também precisa de atenção e tempo para meditar sobre as metáforas e os paradoxos sugeridos pelos poemas, abertos a diferentes interpretações, bem como para fruir a delicada musicalidade com que foram estruturados.  É um livro para ser absorvido aos poucos.  Sem pressa.

 

SOBRE A AUTORA

 

Maria Carpi nasceu em Guaporé e vive em Porto Alegre desde os 15 anos.  Publicou 14 livros, entre os quais DESIDERIUM DESIDERAVI e A MIGALA E A FOME.  Venceu o Prêmio APCA (por NOS GERAIS DA DOR) e o Açorianos (por OS CANTARES DA SEMENTE), além de ter sido finalista do jabuti e ganho menção honrosa no Casa de las Américas.  Tem 77 anos.  É professora e defensora pública.

 

TRECHO

 

A visão do cego é de um repuxo solar.  A sonolência da água na boca vem buscar o olho em seu poço.

Na claridade do dia, vê não vendo, mas, à noite, em silêncio de cores e ícones, adivinha.

A bela não está entre grades.  Adivinha-a, doce, intercalada pelas cordas da harpa.  Entre acordes e linhas de luz e sombra que se cruzam e descruzam.

Sopro dedilhado em canora árvore.  E a suave harpa, aprisco de aves, ressoa as catacumbas.

 

Poema 27 do canto “As brasas da escuridão”, primeira das três partes nas quais “O cego e a natureza morta” está dividido.

 

Fonte:  Zero Hora/Alexandre Lucchese (alexandre.lucchese@zerohora.com.br) em 30/8/2016.