Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
5





                                              

                            

 

 

 


Pensando Bem..., de Hélio Schwartsman
Pensando Bem..., de Hélio Schwartsman

NEM TODAS AS RESPOSTAS, MAS MUITAS PERGUNTAS BOAS

 

 

PENSANDO BEM... UM OLHAR ORIGINAL A RESPEITO DE RELIGIÃO, LIBERDADE, VIOLÊNCIA, EDUCAÇÃO, HISTÓRIA, CIÊNCIA, COMPORTAMENTO E POLÍTICA (Editora Contexto, 304 páginas) do filósofo e jornalista da Folha de S. Paulo Hélio Schwartsman é, antes e acima de tudo, um saudável e necessário contraponto aos “sábios” que, com frequência, especialmente nas redes sociais, andam fornecendo respostas prontas para todos os problemas do País e do mundo, com base em fé ideológica, religiosa ou de qualquer outro tipo.

 

Bacharel em filosofia e jornalismo, Schwartsman já ocupou diversos cargos na Folha e, entre 2008-2009, foi fellow na Universidade de Michagan.  A Editora Contexto, do historiador Jaime Pinsky, como se sabe, há 29 anos é especialista em ciências humanas e volta-se para a universidade e para o público em geral.

 

Os textos de Schwartsman, em geral, são curtos – o que já é uma grande qualidade –, mesmo quando tratam de grandes temas.  O primeiro trabalho da antologia trata de prostituição, novo moralismo e posições de parte das feministas e militantes de direitos humanos sobre o tema.

 

O último texto trata de alimentação, verdades dietéticas e opiniões exageradas sobre alimentos, saúde e a complexa ciência da nutrição.

 

Sem deixar de opinar sobre milhões de assuntos, notícias, livros, filmes e acontecimentos, Schwartsman, ao fim e ao cabo, procura não ser dogmático e, muito menos, é dos que pretendem apresentar verdades definitivas sobre temas como o terrorismo, a democracia, o preconceito, a demografia do Prêmio Nobel, o valor do diploma e outras dezenas de assuntos que todos os dias tomam conta de nossas mentes pós-modernas.

 

Schwartsman sabe mais do que ninguém que filosofar, acima de tudo, é perguntar.  E sabe que não sabemos tudo.  O que até é muito bom, caso contrário a vida e o mundo seriam muito chatos e destituídos dos mistérios e das aventuras de todos os dias.

 

O autor apresenta alguns dados, muitas informações, fornece opiniões rápidas e claras sobre humor, limites do humor, liberdade de expressão, racionalidade e irracionalidade humanas, discos voadores, problemas educacionais, pátrio poder, homossexualidade, família, crime, violência, polícia e outras dezenas de tópicos.  Schwartsman pergunta, responde, informa e, muitas vezes, deixa uma pergunta para que a conversa continue.

 

Os leitores mais atentos e perspicazes é óbvio que constatarão que o autor tem algumas verdades mais consolidadas, algumas crenças menos abaladas e, como todos nós, carrega uma história, uma cultura, muitas leituras e pontos de vista que vão chegando, ficando, mudando, indo e voltando.

 

Falando de violência, por exemplo, Schwartsman, com certo otimismo, estende que as sociedades de hoje são menos violentas e mais prósperas do que eram nos primórdios e mesmo em épocas nem tão remotas.  Mas mesmo com esse pensamento reconfortante, ele acha que temos que manter a vigilância, que sempre estamos perigosamente perto da barbárie.

 

O espírito dos textos de Hélio Schwartsman, pensando bem, foi publicado em livro em momento adequado.  Com nossas crises econômica, política e social, mais a queda do governo Dilma e o esgotamento dos modelos político-econômicos e a escassez de grana, ética, líderes e ideias, melhor pensar em perguntar o que realmente está acontecendo, sem buscar verdades prontas e acabadas.  Levaremos tempo, teremos de nos esforçar, as perguntas ainda serão muitas, mas algumas repostas virão, com certeza.  Elas sempre vêm.  Antes e depois de novas, intermináveis questões, que a história nunca acaba.

 

Fonte:  Jornal do Comércio/Jaime Cimenti (jcimento@terra.com.br) em 07/08/2016.