Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
10





Partilhe esta Página

                                             

                            

 

 

 


Henry David Thoreau, O Homem e o Homem Social
Henry David Thoreau, O Homem e o Homem Social

ELOGIO DA DESOBEDIÊNCIA

 

História: O HOMEM E O HOMEM SOCIAL – Depois de ser preso por não pagar impostos, Thoreau escreveu uma obra marcante sobre a posição do indivíduo diante da coletividade.

 

Há 200 anos nascia o escritor e abolicionista Henry David Thoreau, referência da chamada Renascença Americana, que moldou o indivíduo dos Estados Unidos e, por consequência, de todo o ocidente a partir do século 19.

 

Em julho de 1846, Henry David Thoreau (1817-1862) passou uma noite na cadeia. Seu amigo Sam Staples, que era o coletor de impostos da cidadezinha de Concord, já havia alertado que teria de prendê-lo caso não colocasse em dia suas obrigações com o poll tax, imposto anual que era devido pelos cidadãos do Estado de Massachusetts do sexo masculino com idade suficiente para votar.

Dizem que Staples até se prontificou a emprestar a soma devida, que, cá entre nós, era uma ninharia.

No entanto, para Thoreau, recusar o pagamento desse imposto, aliás o único meio que o Estado tinha de pôr a mão no seu bolso pouco fornido, era uma forma de dizer não para dois descalabros morais: a política expansionista da Guerra do México e a manutenção da escravidão negra em vários estados dos EUA.

 

O senhor Staples, que não estava lá muito preocupado com as opiniões de Thoreau sobre política e moral, fez o que a lei lhe exigia e colocou o amigo atrás das grades. Na mesma noite, algum desconhecido, provavelmente sua tia, achou por bem zerar a conta de Thoreau com o fisco. Na manhã seguinte, ele foi liberado. Contrariado, é verdade, pois permanecer na cadeia teria sido sua forma ideal de protestar.

 

Com o protesto abruptamente interrompido contra a sua vontade, decidiu prestar contas do evento, escrevendo um ensaio que impactou a visão política de Mahatma Gandhi, Liev Tolstói e Martin Luther King Jr. Nada mal para uma noite na cadeia, não é mesmo?

 

Pois bem, em 2017 comemora-se o bicentenário de nascimento de Thoreau. Escritor, abolicionista e catalisador do Transcendentalismo Americano, ele escreveu obras fundamentais para o período. A Week on the Concord and Merrimack Rivers (1849), Resistance to Civil Government (1849), Walden (1854), A Plea for Captain John Brown (1859) e Walking (1862) são sismógrafos da rara efervescência intelectual de um dos mais ricos estratos da história norte-americana.

 

As três décadas do Transcendentalismo, ou Renascença Americana, entre 1830 e 1860, testemunham o momento em que o pensamento norte-americano adquire sua peculiar identidade, reagindo epidermicamente aos movimentos importados do outro lado do Atlântico, em especial ao Idealismo Alemão e ao Romantismo. Um traço essencial dessa reação se revela na difícil equação entre reforma individual e reforma social. Forçando um pouco a pena, podemos pensar a Renascença Americana como uma projeção das estratégias narrativas do bildungsroman (o chamado Romance de Formação) na direção do surgimento e do desenvolvimento dos homens representativos, dos heróis e anti-heróis de uma nação, sejam eles o indivíduo autoconfiante de Emerson ou um turrão genial que resolve morar às margens de um lago nos arredores de Concord, em uma cabana que ele mesmo construiu, e que descreveu sua jornada em uma das maiores realizações ficccionais do período – a saber, Walden (a autobiografia de Thoreau publicada em 1854).

 

Compreender a ebulição de originalidade na literatura de ficção, na crítica social e política, no sentimento religioso, enfim, na filosofia esposada por nomes como Ralph Waldo Emerson, Margaret Fuller, Theodore Parker e Henry David Thoreau é condição necessária para demarcar as promessas de um ethos para o Novo Éden na América do século 19. Promessas que, em razão de sua radicalidade e novidade, ainda estão longe de encontrar solo fértil e largo.

 

Em momentos críticos, como o vivido no Brasil contemporâneo, ou também o da antevéspera da Guerra Civil Americana, temas urgentes irrompem na cena pública. O papel do Estado, a configuração das instituições democráticas, os limites e potencialidades das liberdades civis e a promoção da ampla cidadania são debatidos e colocados em xeque. A obra de Thoreau, que será apresentada no VII Colóquio Internacional IHU, destaca aspectos que podem iluminar esse debate.

 

Fonte: Zero Hora/doc/Eduardo Vicentinni de Medeiros/Filósofo, organizador de Caminhando e Desobedecendo – Thoreau 200 Anos em 20/08/2017.