Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
8





                                              

                            

 

 

 


A Rede das Livrarias Piratas
A Rede das Livrarias Piratas

A REDE DAS LIVRARIAS PIRATAS.

 

O download de livros na internet começa a preocupar editores.

 

Marcelo Duarte, da editora Panda Books, descobriu recentemente que o grande sucesso atual de seu catálogo pode ser obtido de graça.  Terceiro lugar na lista de não ficção de VEJA nesta semana.  O Doce Veneno do Escorpião, coletânea de pornoconfissões da ex garota de programa Bruna Surfistinha, é oferecido sem custo em vários sites da internet.  Uma cópia do livro – ilegal, pois feita sem a autorização da editora, que detém os direitos de reprodução da obra – já chegou, via e-mail, até o indignado Duarte, que não sabe como agir diante do problema.  “Se na rua a gente vê bancas vendendo CDs piratas, que esperança eu posso ter de controlar a distribuição de um livro pela internet?”, reclama.

Ao abrir a possibilidade de que os usuários baixem músicas livremente, a internet se transformou no pesadelo da indústria fonográfica.  O mercado livreiro ainda não foi atingido do mesmo modo, talvez porque copiar um livro digitalmente seja um processo trabalhoso – é preciso escanear cada página.  A principal preocupação de entidades dedicadas a zelar pelos direitos autorais, como a Associação Brasileira de Direitos Reprográficos (ABDR), ainda é combater as velhas fotocopiadoras instaladas nas universidades.  Mas o temor de que a internet logo vá ocupar a ponta nos delitos desse mercado está crescendo.

No ano passado, em uma comunidade de compra e venda on-line, um usuário tentou vender CDs com cópias digitais dos romances de Sidney Sheldon.  Trata-se de um exemplo ainda relativamente raro de pirataria “remunerada”.  Sites dedicados a distribuir de graça obras pirateadas, por outro lado, já existem vários.  Um deles é abrigado por uma instituição pública – a Universidade Federal de Pelotas (UFPel), cuja Biblioteca Visual de Letras oferece 3.500 títulos, entre eles A Sangue Frio, de Truman Capote (que, até a semana passada, já havia sido copiado por trinta internautas), Romance Negro, de Rubem Fonseca (74 downloads), e O Código Da Vince, de Dan Brown (407).  O coordenador da  biblioteca, Elton Vergara Nunes, professor da UFPel, diz que deseja apenas incentivar a leitura.  “Não é diferente de uma biblioteca convencional, em que o aluno retira a obra que deseja sem pagar”, diz.  Na verdade, é diferente, sim.  Numa biblioteca há empréstimo, e não cópia, como no site da UFPel.  Além disso, nenhuma das obras citadas está em domínio público.  Elas não podem, portanto, ser copiadas sem a devida autorização editorial.  “Qualquer uso ou distribuição de uma reprodução não autorizada é ilícito”, diz Dalton Morato Filho, advogado da ABDR.

 

 

Artigo publicado na revista Veja em 05 de abril de 2006/Jerônimo Teixeira

 

E hoje, como está? Já se passaram 9 (nove) anos...

Hoje, para serem lidos os próprios autores disponibilizam gratuitamente...