Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
11





                                              

                            

 

 

 


Clarice Lispector em The Complete Stories
Clarice Lispector em The Complete Stories

“AS ALMAS ESTÃO MAIS PREPARADAS PARA RECEBER CLARICE”

 

Entrevista: Benjamin Moser, biógrafo de Clarice Lispector e coordenador da edição das obras da autora nos Estados Unidos.

 

Os Estados Unidos descobriram Clarice Lispector (1920 – 1977).  O lançamento do volume The Complete Stories, reunindo todos os contos da escritora, recebeu acolhidas entusiasmadas – foi a primeira brasileira a figurar na capa do suplemento de livros do New York Times, e o Wall Street Journal a chamou de “a Virginia Woolf do Brasil”.  Em parte responsável pela “Claricemania” e coordenador da edição em inglês (traduzida por Katrina Dodson), o americano Benjamin Moser, autor da biografia Why This World (publicada no Brasil como Clarice), fala sobre a recepção da obra de Clarice lá fora.

 

        

 

                                                       

 

Clarice já havia sido publicada nos EUA, e você mesmo já comandou outras edições da obra dela.  A que você atribui a imensa repercussão que está tendo este volume com os contos?

As pessoas agora estão mais familiarizadas.  Quando publiquei a biografia, pouca gente sabia quem era Clarice Lispector.  Era uma coisa difícil comunicar a importância dessa pessoa para quem não podia ler seus livros.  Eu tinha de dizer: “Leia este livro, porque esta autora é interessante”.  E o meu livro repercutiu bastante, as pessoas se interessaram pela história de Clarice.  Depois, editamos cinco romances dela.  Lançamos quatro de uma vez, e eu já havia lançado A Hora da Estrela.  E o “clube Clarice” foi aumentando com cada publicação.  Este livro dos contos é muito grande, quase 700 páginas, e acho que as almas estão mais preparadas para receber Clarice.  Muita gente agora já sabe quem ela é.

 

Você pensa que o gênero do conto possa de algum modo ser responsável por essa aceitação recente, Clarice comunicando-se melhor no espaço concentrado da narrativa curta?

Acho que não.  Um amigo meu, brasileiro, diz que o Brasil demorou 50 anos para absorver Clarice e ainda não absorveu tudo.  Quando ela morreu, era um nome consagrado entre intelectuais e artistas, e o alcance de sua obra foi gradativamente aumentando.  As pessoas nem leram esses contos ainda nos Estados Unidos, porque o livro, por ora, foi apenas enviado para a imprensa, quem leu até agora foram os críticos, mas a explosão de interesse parece ser porque as pessoas já têm interesse em seguir a obra dela, a conhecem pelos outros lançamentos.  Essa questão de se ela foi melhor no conto ou romance vai aparecer depois.  Essas coisas mais avançadas que o Brasil está debatendo há décadas agora ganharão espaço.  E vai ser interessante ver que opiniões esses leitores terão.

 

De algum modo seu sentimento é próximo ao de ver um amigo sendo reconhecido pelos méritos que antes só você via?

É até mais do que um amigo, é mais alguém da família, algo muito próximo. Estava explicando isso a uma jornalista americana amiga minha: gostar de Clarice não é uma coisa intelectual, apenas, é amor.  E quando eu vejo Clarice chegando a essas alturas que poucos escritores que não escreveram em inglês chegam, e mesmo muitos escritores americanos não chegam à capa do New York Times duas vezes em uma semana, tenho orgulho de ter contribuído para isso.  Eu sou o encarregado do projeto, mas trabalhei com muitas outras pessoas, outros tradutores.  E até agora não vimos nenhuma avaliação negativa.  Porque a minha ambição quando eu comecei a me dedicar a Clarice, em uma biografia pensada para o público americano, era: você não conhece esta pessoa, mas devia.  Eu sei como eu me sinto com relação a Clarice, e sei como os brasileiros que a admiram se sentem.  Quem gosta, gosta mesmo.  Por isso, é uma gratificação enorme para mim.

 

Você agora trabalha na biografia de Susan Sontag.  Como você chegou a esse projeto?

A Clarice de certa forma me levou a Susan Sontag.  Havia uma espécie de comitê não muito oficial, o filho da Sontag, o agente e o editor dela, estavam procurando uma pessoa que pudesse fazer jus a Susan.  E isso sem que eu soubesse de nada, eu estava no Rio de Janeiro, ignorante de tudo, e eles encontraram o livro da Clarice e gostaram tanto que me convidaram.

 

E representa uma dificuldade adicional o fato de Sontag ser alguém que escreveu tanto sobre si mesma, em comparação com Clarice, mais reservada?

Politicamente, a Clarice quase não emitia opinião, e além disso viveu a última parte da vida ou no Exterior ou durante a ditadura militar.  Mas a Clarice era mais íntima no que publicava.  Susan Sontag é mais mascarada, disfarçada, ela não abre o jogo em seus ensaios e textos públicos, mas nos escritos privados conta tudo.  É, então, muito interessante para o biógrafo ler que ela escreveu alguma coisa em determinado dia e, ao ler os diários dela, saber o que ela estava pensando naquele dia.  Ela escrevia também sobre muitas personalidades, e quando você tem a chave você percebe que ela está, na verdade, sempre escrevendo sobre Susan Sontag, mas que está chamando essa pessoa de outro nome.  A biografia é uma operação muito pessoal do biógrafo, e o reflete.  Numa biografia de Clarice quando você pode citar de A Paixão Segundo G.H.?  Digamos 1%.  Esse 1% dirá o que você achou interessante.  Por isso, toda biografia é um retrato de uma pessoa e também um autorretrato mascarado.

 

Lançamento de coletânea de contos de Clarice foi destaque em veículos americanos.  O blog Slate, a revista New Yorker, os jornais New York Times, Los Angeles Review of Books, Wall Street Journal e a revista The Millions.

 

Fonte:  Por Carlos André Moreira/ZH de 16/8/2015