Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
6





                                              

                            

 

 

 


Santiago: Um Desenhista Crítico
Santiago: Um Desenhista Crítico

SANTIAGO:  UM DESENHISTA CRÍTICO.

 

Ele nasceu Neltair Abreu, mas enquanto cursava Arquitetura na UFRGS, na década de 1970, ganhou o apelido pelo qual é conhecido até hoje:  Santiago.  O desenhista de humor, que foi o sabatinado da vez em nosso programa Em Sintonia Com, contou que rabiscava desde os três anos de idade (com a escassez de papel, na época, usava até mesmo as folhas de um calendário velho).  Foi durante a faculdade, no entanto, que ele percebeu que a sua vocação era mesmo ser desenhista:  participou de (e venceu) um concurso de charges, em São Paulo, com um desenho realizado para um jornal estudantil.  Segundo ele, foi aí que pensou:  “Acho que meu negócio mesmo é o desenho”.  Nessa ocasião, conheceu os responsáveis pela publicação rebelde O Pasquim, para a qual viria a contribuir diretamente de Porto Alegre.  Santiago conta que nos anos de chumbo trabalhou durante muito tempo no Jornal Folha da Tarde.  E todos os desenhos que eram barrados por seu editor, com a desculpa de serem impublicáveis, iam direto para O Pasquim – e lá “faziam sucesso”.

Em tempos tão turbulentos, não poderíamos deixar de perguntar a Santiago sobre a sua visão do crime envolvendo o semanário francês Charlie Hebdo.  A morte de 12 pessoas ligadas ao jornal satírico despertou discussões sobre os limites do humor.  De acordo com o desenhista, que disse em alto e bom tom “Je suis Charlie” durante a entrevista, o acontecimento “foi uma estupidez sem nenhum tipo de ‘mas...’”.  Para ele, “o humor é anarquista, é de esquerda, é oposição”.  E completa:  “Não tem como tu fazer piada elogiando o rei.  A piada vai ser sempre criticando o rei”.  Pois é exatamente assim que o Charlie Hebdo atua:  criticando e debochando de todo e qualquer tipo de poder.  Para concluir, o desenhista arremata:  “A gente só dessacraliza as coisas rindo delas”.

 

Por Gabriella Scott/Jornalista

Pesquisa e Postagem/Nell Morato