Translate this Page




ONLINE
4





Partilhe esta Página

                                            

                            

 

 

 


O Som do Silêncio, de Darius Marder
O Som do Silêncio, de Darius Marder

O FILME MAIS BONITO DO ANO

Cotado para o Oscar de melhor ator, O SOM DO SILÊNCIO conta a história de baterista que perde a audição

 

O conflito de O SOM DO SILÊNCIO - lançado há pouco pelo Amazon Prime Video e cotado a algumas indicações ao Oscar 2021 - é, por si só, sedutor. Ruben, o baterista de uma dupla de punk metal formada com sua namorada, a cantora Lou, descobre que está perdendo a audição. Se continuar se expondo a ruídos como os de um show de rock, ficará totalmente surdo.

 

Ou seja: de repente, o protagonista encarnado com sensibilidade e sutilezas por Riz Ahmed (vencedor do Emmy de melhor ator pela minissérie THE NIGHT OF e coadjuvante em filmes como O ABUTRE e STAR WARS: ROGUE ONE) vê-se ameaçado de perder não apenas o seu sustento, mas aquilo que ama - a música e Lou (papel de Olivia Cooke, a Emma Decody do seriado BATES MOTEL). A solução médica, um implante coclear, custa um dinheiro que o baterista não tem.

 

Estreante na ficção, o diretor e roteirista Darius Marder não demora a acrescentar um agravante: a surdez pode culminar em uma recaída de Ruben, longe da heroína há quatro anos - o mesmo tempo de seu relacionamento amoroso.

 

Nas mãos de um cineasta de mão pesada, todos esses elementos poderiam fazer de O SOM DO SILÊNCIO um filme sentimentaloide e manipulativo, daqueles que usam de golpes baixos e música alta para nos emocionar. Daqueles que investem no exagero das interpretações e nas soluções milagrosas da trama. Nada disso. Tudo é comedido e cerebral - mas não frio nem asséptico - neste drama originado de uma história escrita pelo cineasta Derek Cianfrance, do belíssimo O LUGAR ONDE TUDO TERMINA (2012), no qual Darius Marder coassina o roteiro. Há muita naturalidade e autenticidade, graças ao elenco cheio de pessoas surdas. Sem resvalar para a vaidade nem apelar para filtros de fotografia e quetais, Marder fez o filme mais bonito da temporada (descontando RETRATO DE UMA JOVEM EM CHAMAS, que estreou no Brasil em 2020 mas era do ano anterior).

 

O SOM DO SILÊNCIO não prescinde do som do choro. Os personagens de Ahmed (indicado ao Gotham Awards, premiação do cinema independente que será entregue em 11 de janeiro, e nome forte para o Oscar de melhor ator) e Olivia lacrimejam e soluçam quando precisam se separar para que Ruben se interne em uma comunidade composta exclusivamente por pessoas com deficiência auditiva que são dependentes químicas. O objetivo é duplo: aprender a ser surdo e se manter afastado das drogas. O líder do retiro é veterano da Guerra do Vietnã, Joe (Paul Raci, ele próprio filho de surdos, ex-soldado no conflito do Sudeste Asiático e com histórico de adicto, um candidato em potencial ao Oscar de coadjuvante), compreensivo, mas extremamente fiel a seus princípios.

 

EFEITOS SONOROS

 

Marder conduz a jornada de transformação do protagonista sem atropelos e sem recorrer a clichês. Pelo contrário. Nunca sabemos bem o que vem pela frente, e nesse sentido a condição do espectador acaba espelhando a de Ruben, subitamente perdido em um mundo mudo para ele, despreparado para a linguagem dos sinais, aflito por não ouvir a própria fala. Aí entra a inteligente edição de som do filme, que ora suprime vozes, ora simula a estática, ora assume o ponto de vista do personagem, ora aponta ao que ele está alheio.

 

Aposta para as categorias técnicas do Oscar, o efeito sonoro é sempre surpreendente, mas também imersivo: o diretor quer despertar na gente a empatia pela população ensurdecida. Não para sentir, digamos, pena - este, repito, não é um filme apelativo. Como Joe vai ensinar ao personagem principal, o surdo não se vê como um deficiente, alguém para ser "consertado". Seus companheiros de retiro e os alunos de uma escola infantil são completos e felizes a seu modo.

 

Há uma cena que ilustra bem a proposta de O SOM DO SILÊNCIO, conferindo um duplo sentido ao título original, Sound of Metal - que, à primeira vista, pode parecer apenas uma referência ao estilo musical do baterista. Sentado na borda de um escorregador de metal, Ruben sente a vibração provocada por um menino no topo do brinquedo. Aí, usando de seus talentos artísticos, o protagonista passa a batucar com as mãos, devolvendo a vibração, se conectando e se comunicando com a criança, se permitindo um raro sorriso.

 

Raro porque Ruben é inábil para construir seu momento de quietude, como Joe o aconselha, para escutar o som do silêncio, como sugere o título brasileiro. Em guerra com suas expectativas, o protagonista sofre para encontrar a paz interior. Surdo aos outros, esquece que, às vezes, a voz mais importante a ser ouvida é a própria, o diálogo mais importante a ser travado é consigo mesmo.

 

 

Fonte: Zero Hora/Ticiano Osório (ticiano.osorio@zerohora.com.br).