Translate this Page




ONLINE
4





Partilhe esta Página

                                            

            

 

 


Entrevista: Cineasta Pawel Delag de Pani Basia
Entrevista: Cineasta Pawel Delag de Pani Basia

 

PAWEŁ DELĄG: A REALIDADE NOS ULTRAPASSOU [ENTREVISTA]

— Começamos a criar algo de nicho e só depois de alguns anos descobrimos que essa realidade nos ultrapassou. Ao nosso redor já está acontecendo o que assistimos com paixão nas telas durante a primeira edição — diz Paweł Deląg, ator e jurado do 4º BNP Paribas Green Film Festival em entrevista à Onet.

Na abertura da edição deste ano, estreou o filme "Pani Basia" por ele dirigido. “Quando estou fraco ou doente, quero ser visto como um ser humano. E não para um número — diz ele.

por Amelia Sarnowska

 

 

  • O BNP Paribas Green Film Festival mais uma vez transforma Cracóvia na capital do cinema ecológico. A 4ª edição do festival vai de 15 a 22 de agosto de 2021
  • — Minha ambição era mostrar mais histórias sobre as pessoas nesses filmes. Eu queria que "Pani Basia" fosse assim. Mas que devemos também entrar em conflito forte com o que é o assunto mais urgente para nós no momento. Com problemas dos quais não podemos mais escapar —diz Paweł Deląg em entrevista à Onet
  • No início da 4ª edição do festival, estreou o estudo "Pani Basia" por ele dirigido, abordando o tema smog.
  • — No final dessa história, eu queria que o ser humano, não a doença, fosse o mais importante. (...) Quando estou fraco ou doente, quero ser visto como um ser humano. E não como um número — ele enfatiza

CRACÓVIA COMO A CAPITAL DO CINEMA ECOLÓGICO

 

 

Pela quarta vez, a antiga capital da Polônia atrai os produtores dos melhores filmes e documentários ambientais para a Polônia. Este ano, são oito dias de festival, sete cinemas ao ar livre, várias centenas de horas de projeções, workshops e discussões sobre os problemas que nosso planeta está enfrentando. Porque, como os organizadores disseram: Não há nenhum planeta B.

Durante a abertura da edição deste ano do festival, teve lugar a estreia do filme mais recente, dirigido por Paweł Deląg . O famoso ator mais uma vez ficou atrás da câmera para convidar os espectadores a enfrentar um dos temas mais urgentes na Polônia. No entanto, "Pani Basia" não é outro filme educacional sobre poluição atmosférica. É uma história comovente que mostra o problema em uma dimensão individual, dando uma visão sobre um aspecto não óbvio das ameaças contemporâneas: a solidão diante da tragédia.

 

"Pani Basia" é principalmente uma história sobre uma pessoa — uma história que, apesar do drama que se desenrola em primeiro plano, tenta deixar o espectador com mais do que desespero. — Hoje me oponho de todo o coração a filmes que são puramente faturamento: já fizemos o suficiente desse tipo de filme. Um conjunto de histórias de construção seria útil agora. Deixando o homem com a mensagem: você é melhor do que pensa, diz o diretor.

 

O HOMEM É MAIS DO QUE APENAS UM NÚMERO

 

 

Amelia Sarnowska: Vamos começar com "Mrs. Basia". Admito que sempre tive medo desses filmes, mas devo fazer justiça: você conseguiu criar uma imagem comovente, mas ao mesmo tempo simples e discreta. Você capturou a catástrofe em sua dimensão individual, com a qual todos podem se identificar. Em parte, é um cinema psicológico. De onde veio a ideia de tal estudo?

Paweł Deląg: Sim, é verdade. "Pani Basia" é um cinema psicológico. Consiste em pequenas tragédias que muitas vezes passam despercebidas. Batidos que são muito pessoais. Eu admito que é particularmente próximo a mim. Conheço poucos desses filmes – mais livros – exemplos de histórias que dedicam mais atenção ao próprio protagonista de uma forma não intrusiva. O que permite ver melhor a própria pessoa, estar perto dela. Sim, para ser capaz de ver o mundo da perspectiva de outra pessoa.

Queria que fosse um cinema intimista e de baixo orçamento. O protótipo do personagem principal era a avó do meu filho mais velho, a Sra. Bárbara. Uma pessoa que dedicou toda a sua vida à educação, ensinando crianças. Ela era uma avó fantástica, uma mãe muito boa. Uma pessoa com necessidades mínimas. Mulher paciente, mas também sempre sorridente... Suportando adversidades e pouco exigindo para si mesma. Trazendo amor. E esta é a Sra. Basia que eu tinha diante dos meus olhos quando fiz este filme. Pareceu-me que, em tal abordagem, esse personagem pode se tornar um representante de cada um de nós.

 

Não apenas em termos do infortúnio que se abateu sobre ela. Você mostra que existe uma pessoa por trás de todo sofrimento. Que nem sempre é a culpada pelo que acontece com ela.

Acho que a pessoa é basicamente boa. É melhor do que pensamos. "As pessoas são melhores do que você pensa" — há um livro de Rutger Bregman que triunfou recentemente. Eu recomendo altamente a leitura.

Entre nós, existem pequenos heróis silenciosos da vida cotidiana. E eu queria esse herói no meu filme. Eu queria que essa heroína fosse amada pelo espectador. Para falar de uma tragédia pessoal: o que acontece quando tal avó, que afinal é amada por sua família, esbarra no fato de que ela está em estado terminal. Para mostrar sua tragédia contrastando com um sistema que a trata como um número.

 

Com um sistema que desumaniza.

Exatamente. Por isso foi ainda mais importante para mim, mostrar este pequeno mundo íntimo de Basia em oposição a este sistema desumanizador e, aos médicos que estendem as mãos desamparados porque já não podem ajudar. Porque é tarde demais.

O maior pecado aqui acaba sendo o fato de que vivemos em um ambiente poluído. E, por favor, observe que ninguém neste país se emociona com o fato de que dezenas de milhares de pessoas morrem todos os anos devido a várias doenças e complicações relacionadas a esta poluição. É chocante para mim.

Porém, eu também queria encerrar essa história com o ser humano, não com a doença. Transferindo-o para uma dimensão pessoal, gostaria — aconteça o que acontecer — de ser percebido desta forma no meu infortúnio. Quando estou fraco ou doente, quero ser visto como um ser humano. E não por um número.

Essas situações têm sido comuns nos últimos meses. Em uma pandemia, esse problema é ainda mais agudo. Eu realmente queria enfatizar esse sentimento de medo e medo no filme.

 

Essa solidão que você está assistindo é talvez a dimensão mais universal deste filme. O espectador olha para aquele tipo de solidão em que todos são capazes de se ver. E você tem que dizer isso na cara: esse tipo de tragédia sempre se vive sozinho. Não importa quantos entes queridos ele esteja cercado.

Como você está se sentindo do outro lado da câmera? "Pani Basia" não é seu primeiro filme.

Este é o segundo filme que dirijo — e o terceiro é uma curta-metragem feito em colaboração com Piotr Biedron. Porém, este segundo filme é completamente diferente do primeiro, o próprio assunto surgiu da necessidade do coração. "Pani Basia" foi criado em condições bastante difíceis, rodamos 30 minutos do filme em dois dias de filmagem. Após três dias, o filme já estava editado. Acho que alcançamos um grande sucesso — graças à equipe que se deu bem no set e também aos atores que aceitaram o desafio de imediato. Tudo foi realizado em um ambiente muito bom. Quando começo a trabalhar atrás das câmeras, o ator é meu maior valor. Eu subordino tudo o que acontece no set a ele: para que ele tenha o espaço certo.

Infelizmente, no trabalho que eu mesmo faço, frequentemente encontro o fato de que somos tratados de maneira instrumental e objetiva. O processo de filmagem em si é mais importante do que o que está acontecendo na frente da câmera. Vou te contar também uma coisa técnica: Tive uma dúvida sobre a falta de aceleração. Queria que este filme fosse um pouco alongado, mas não desprovido de ritmo.

Em uma longa respiração. Como nos primeiros filmes de Steve McQueen.

Eu me perguntei se o espectador estaria pronto para um filme como este. Havia também mais uma preocupação: Deus me livre de não fazer um filme educativo ...

(risos) Foi por isso que, no início da conversa, admiti que tinha algumas preocupações antes da exibição.

Embora eu não pudesse evitar uma coisa, no que diz respeito à poluição em si. Eu queria saber em que medida marcar e enfatizar que estamos falando de poluição atmosférica aqui, para que pudesse alcançá-lo — mas não era intrusivo ao mesmo tempo. Eu tenho essa dúvida até hoje.

 

A REALIDADE NOS ALCANÇOU

 

 

Você teve algum avanço verde em sua vida? A partir do momento em que você começou a abordar a questão ecológica de forma mais consciente?

Com certeza. Por este cavalheiro [aponta para Piotr Biedroń - ed. AS], o pai deste festival. Ele ligou, perguntou e eu respondi diretamente. Nós concordamos em um set. Ele então me disse que havia um filme anti-poluição a ser feito. E ele perguntou se eu gostaria de participar. [Piotr! Venha, vamos te contar].

[Piotr Biedroń se aproxima e se junta]

Paweł Deląg: É assim para mim que as melhores coisas começam com pequenos conflitos (risos). O início é difícil, mas o efeito é ótimo... Sempre gostei de Piotr por sua abertura e energia. Depois que ele ligou, fui para Częstochowa. Mas quando cheguei lá às oito da manhã e vesti o traje que o Piotr tinha preparado... tive a impressão de que estava entrando em uma história estranha (risos).

"Isso é uma espécie de 'Sexmissão'!". Pensei. Nem um pouco o que eu esperava. E assim eu fiquei, olhei para ele, sei que não há muito dinheiro para tudo isso, e eu — mesmo tendo vindo — provavelmente terei que dizer a ele na hora: estou quebrando o aparelho. Que eu não vou fazer isso. Fiquei apreensivo e disse-lhe honestamente. Corajosamente, bem na cara. Piotrek ficou um pouco triste, ele olhou para mim — e me disse algo que começou a construir nossa amizade.

 

Quais foram essas palavras se eu posso perguntar?

 

 

Ele me disse: você está certo. "Temos que fazer de forma diferente."

Portanto, há espaço para você como ator. (risada)

Havia espaço para uma forma diferente de pensar e uma visão diferente. Acredito que "PM 2.5" é o nosso grande sucesso. Este é um cinema muito bom — e o figurino fez um ótimo trabalho! Foi ele quem organizou praticamente todo o espaço para nós. Mais tarde, admiti para Piotr que foi esse traje que acabaria por construir todo o filme para nós... Hoje eu tenho um carinho muito grande por essa produção.

E para responder à sua pergunta: foi com esse filme que Piotr me encorajou. Ele mostrou que com tão pouco, tanto pode ser feito. Em seguida, levamos essa cooperação mais longe — e espero desenvolvê-la ainda mais.

Conversamos recentemente e Piotrek me disse: Olha, quatro anos e quem diria! Começamos a criar algo de nicho e depois de apenas alguns anos descobrimos que essa realidade nos ultrapassou. Já está acontecendo ao nosso redor, que assistimos com paixão nas telas durante a primeira edição. Hoje temos incêndios em uma escala inacreditável, temos ondas de calor, secas, degradação ambiental progressiva... Temos um Mar Báltico moribundo. Eles estão fechando Turów.

 

 

E como você mencionou a Peter: levou apenas quatro anos para que tudo isso acontecesse. O Sr. Pawel participa do BNP Green Film Festival desde a primeira edição como jurado. Como você avalia a qualidade desses filmes?

Paweł Deląg: Os filmes estão cada vez melhores. E a seleção está ficando cada vez mais forte. Piotr, pelo que me disse este é provavelmente um dos maiores festivais de cinema ecológico da Europa?

Piotr Biedroń: Já o maior (risos). Também está incluído no top 100 dos melhores festivais do mundo*.

Paweł Deląg: Minha ambição agora era o que eu estava falando no palco [durante o painel após a exibição de estreia de "Pani Basia" - ed. AS]: Para mostrar mais da história humana nesses filmes. Eu queria que "Pani Basia" fosse assim. Mas que devemos também entrar em conflito forte com o que é o assunto mais urgente para nós no momento. Com problemas dos quais não podemos mais escapar.

Além disso, gostaria que estes filmes ecológicos transmitissem não apenas uma mensagem forte, mas também um cinema criado no mais alto nível e com valor artístico. Que eles teriam seu público. Que haja diversidade neste cinema: estilística, de gênero... Que sejam histórias interessantes e ao mesmo tempo bem contadas. Hoje, eu me oponho de todo o coração a filmes que são puramente faturamento: já fizemos o suficiente desse tipo de filme.

Um conjunto de histórias de construção seria útil agora. Deixando um homem com uma mensagem: você é melhor do que pensa.

 

Se já falamos sobre esse aspecto, gostaria de fazer uma pergunta mais pessoal. Começou a segunda edição da campanha #NiechŻyjePlaneta Onetu [Deixe-o viver no Planeta Onet], no âmbito da qual promovemos hábitos saudáveis e procuramos convencer os leitores sobre a força dos pequenos passos — e das pequenas mudanças. Você conseguiu fazer uma mudança tão pequena em sua vida recentemente?

Eu tenho um híbrido há algum tempo, gostaria de comprar um elétrico, mas talvez tenha problemas para chegar a alguns lugares. Também reduzi definitivamente o consumo de papel nos últimos anos, já li tudo eletronicamente — embora não tenha sido fácil, porque gosto muito de livros. Além disso, segregação, cuidar de apagar a luz... Antes de mais nada, porém, limitação louca de compras (risos).

Eu só compro o que preciso. E sempre atualizado. Eu não estou estocando. Ao escolher os produtos, também presto atenção ao que são: qual a sua qualidade e origem. Claro, ainda há um problema com isso, porque eu não acredito muito no que diz (risos).

Mentiras verdes. Que bom que você mencionou isso no final. Saberemos mais no dia seguinte do festival.

 

Pawel Delag também revela: 

O relatório do IPCC é uma visão dramática do amanhã — não em algum momento, mas na próxima década. O relatório é chocante e faz um diagnóstico claro da morte do paciente. Estamos entrando em uma era de instabilidade e enormes mudanças — acho que a lição dada à humanidade pela Natureza será dolorosa e acabará forçando os humanos vorazes e gananciosos a mudar de comportamento. Infelizmente, acredito que isso pode acontecer rapidamente apenas no nível gerencial — para que as regulamentações internacionais e nacionais possam salvar rapidamente o que mais pode ser feito — estou comovido, estou chateado ao mesmo tempo, e nada incomoda como a estupidez humana e a ganância — e é planetário. 

https://agenciabrasil.ebc.com.br/internacional/noticia/2021-08/onu-relatorio-sobre-clima-e-alerta-vermelho

https://www.bbc.com/news/science-environment-56837908

 

O diretor, Pawel Delag, acompanhado da Sra. Basia, a atriz Elzbiety Jarosik e do médico, o ator Tadeusz Huk

 

O filme pode ser assistido através de um dos links abaixo, no idioma polonês original:

1.  

https://vod.pl/filmy,1/pani-basia,130197?fbclid=IwAR2xhFDfbW0RVH-mKSJZogIiux5vP78u1SZIdq98TBboPqZfiSDnQINWIPY

2.  

https://www.canalplus.com/pl/film/pani-basia/h/12495506_70026?fbclid=IwAR13-dCnl7JoN_WK4R_-v8y2WtMNyQR6r5ZLvtrcxq3qZWA46Q7nrhHPxGo

3.

https://www.canalplus.com/pl/film/pani-basia/h/12495506_70026