Translate this Page




ONLINE
5





Partilhe esta Página

                                            

            

 

 


Entrevista com Pawel Delag, no Portal Onet Kultura
Entrevista com Pawel Delag, no Portal Onet Kultura

PAWEŁ DELĄG:  A GUERRA NA UCRÂNIA É UM PONTO DE VIRADA NA HISTÓRIA

[ENTREVISTA]

 ALAN RYNKIEWICZ

 16 de agosto de 2022 

 

— E como você pode julgar um governo populista que se preocupa principalmente em ganhar a próxima eleição e atender às expectativas de apenas uma determinada parte da sociedade – aquela que vota nele? Este é um governo que pensa no futuro sobre como será a economia e como os poloneses viverão em 5-10 anos? 

— Não. E é triste ... – diz Paweł Deląg em entrevista a Onet em conexão com o festival de filmes ecológicos de Cracóvia, BNP Paribas Green Film Festival.

 

No dia 14 de agosto começou a quinta edição do Green Film Festival. Levará oito dias – diariamente de 17 da noite, haverá exibição de filmes no principal cinema ao ar livre para mais de 200 pessoas e em um pequeno cinema no salão da tenda

 

A edição deste ano é para dar atenção especial às extinções em massa de espécies. No anúncio do festival, lemos que "hoje estamos perdendo várias criaturas andando, flutuando e voando na Terra, 100 vezes mais rápido do que aconteceria naturalmente"

— Somos reféns de petróleo, gás e carvão. A situação é anormal – a prosperidade e a segurança do nosso país dependem da vontade de um hóspede de um país estrangeiro, que pode de repente decidir desligar o gás e o petróleo – diz Paweł Deląg em entrevista à Onet, referindo-se à hegemonia energética da Rússia e o poder de Vladimir Putin

— A guerra na Ucrânia é um ponto de virada na história. Acho que vai trazer grandes mudanças. Em primeiro lugar, na zona de segurança, incluindo a zona de energia. Talvez seja mais rápido agora? – ele adiciona

 

Neste momento, a guerra e o terror energético da Rússia significam que a Europa deve se opor e tornar-se independente da energia o mais rápido possível. Se isso não acontecer, há uma séria possibilidade de colapso de todo o sistema da democracia liberal.

 

Alan Rynkiewicz:  A próxima edição do BNP Paribas Green Film Festival traz novos desafios e reflexões... Por que a crise climática – apesar do que está acontecendo ao redor – é tão importante?

Paweł Deląg: Vivemos diante de enormes mudanças econômicas, sociais e políticas. E eles acontecem diante das mudanças climáticas. Há cientistas e think tanks que dizem claramente: a política contemporânea e o que está acontecendo são causados ​​pela crise climática, e tudo o que fazemos está fortemente relacionado a ela. E eu subscreveria esta tese.

A geopolítica está focada principalmente no acesso às fontes de energia e em torno de seus recursos. A Primeira Guerra além de nossa fronteira oriental está travando bem ao redor deles. Existem potências econômicas que dependem de combustíveis fósseis. Sem dúvida, a Rússia é assim e – com investimentos relativamente fracos em novas tecnologias – usa seus cinco minutos para garantir seu lugar no futuro.

 

Mas é difícil para mudanças relacionadas à crise climática, quando temos que nos preocupar se teremos calor em nossas casas no inverno...

A civilização não avançará sem essas mudanças e - infelizmente – a lição da história é que elas não ocorrem de forma evolutiva, mas na maioria das vezes através de alguma crise muito séria. Mudanças no pensamento sobre energia e sua obtenção, seja para abastecer carros ou aquecer nossas casas, não devem ser um compromisso e compreensão das nações.

O efeito da guerra na Ucrânia será se a Europa – que é uma das economias mais desenvolvidas do mundo – estabelecerá tendências. Haverá – por um lado – um recuo na estratégia política e econômica dos combustíveis fósseis, e por outro – o desenvolvimento de métodos alternativos de obtenção de energia – seja ela nuclear ou verde, ou talvez a ampla utilização do hidrogênio venha em jogo. A guerra vai acelerar esse processo. E talvez, no que acredito fortemente, a energia verde se torne a chave para o futuro e para o desenvolvimento estável e, talvez, a extinção parcial dos conflitos.

 

Paweł Deląg: a realidade nos ultrapassou [ENTREVISTA]

Ainda espera que melhore? A programação do festival inclui o filme "Greta" – quando você olha para a geração jovem e sua consciência verde, é mais fácil ser otimista quando se pensa no futuro?

Só podemos sonhar assim... Ou olhar o mundo com otimismo de que essas gerações serão a força motriz por trás dessas mudanças. E que as pessoas vão querer viver de forma diferente. É claro que nossas escolhas de consumo podem, em algum momento, determinar que essas mudanças ocorrerão mais rapidamente. Mas não há necessidade de nos iludirmos – deve haver vontade política.

Neste momento, a guerra e o terror energético da Rússia significam que a Europa deve se opor e tornar-se independente da energia o mais rápido possível. Se isso não acontecer, há uma séria possibilidade de colapso de todo o sistema da democracia liberal.

 

Esta é uma guerra deliberada travada por Putin, que está em boa posição para quebrar e dividir a Europa. Ele quer que o mundo seja baseado nos velhos princípios econômicos. E a economia da Rússia é baseada principalmente nas exportações de gás e petróleo.

 

 

A visão é suficiente – o que há para esconder – intransigente...

Eu, como você, pensei há dois anos que a geração mais jovem traria uma mudança. A política no momento é brutal... Por que essa radicalização está ocorrendo? Por que grupos extremistas, de direita, nacionalistas e chauvinistas vêm à tona em diferentes latitudes? Certos grupos sociais, independentemente da latitude do mundo em que vivem, sentem medo e medo. Esses grupos são menos educados e educados, conservadores e mais dispostos a sucumbir ao populismo. Existem essas pessoas e em nosso país - graças a elas temos essa formação no poder, não outra. É semelhante em outros países – veja a Hungria, a sociedade americana que apoia Trump, os fortes partidos neofascistas na Itália.

Este é o plano inteligente de Putin para alimentar tal agitação. Manipular. Esta é uma guerra deliberada travada por Putin, que está em boa posição para quebrar e dividir a Europa. Ele quer que o mundo seja baseado nos velhos princípios econômicos. E a economia da Rússia é baseada principalmente nas exportações de gás e petróleo. A Rússia não tem mais nada a oferecer. Eles mentem tecnologicamente. Portanto, para eles é uma luta ser ou não ser...

A Rússia não quer mudanças. Ele quer manter o status quo. Especialmente o grupo daqueles oligarcas que estão negociando com Putin. Quaisquer mudanças em relação ao liberalismo, energia verde, democracia, igualdade não são do interesse de um grupo de pessoas que buscam preservar e manter esse estado de coisas. Manter o poder, a propriedade, a posição.

  

Você se apresentou na Rússia, você estava lá com bastante frequência. Como você avalia as ações dos russos? Eles são consistentes com a propaganda de Vladimir Soloviev e Margarita Simonjan?

Este não é um seguimento cego de Putin, mas simplesmente uma política consistente baseada em tubos de propaganda muito fortes que se esforçam para tornar a sociedade conservadora. Historicamente baseado principalmente na grande vitória na Guerra Patriótica, o heroísmo de nossos avós. A Rússia vive no passado.

Os russos não têm perspectivas de desenvolvimento. Eles não acreditam que amanhã poderia ser melhor. Eles não querem mudança. É por isso que quando falamos de mudanças climáticas e, sobretudo, da necessidade de obter energia de fontes alternativas, é um perigo mortal para países como a Rússia. Por que do que ela vai viver?

  

Há também outros países exportadores de petróleo... 

Sim. E você também precisa se fazer perguntas sobre esses países. Porque é muito difícil abandonar os hidrocarbonetos. Por exemplo, os Emirados Árabes e a OPEP [Organização dos Países Exportadores de Petróleo – Ed. ed.]. – mantêm-se unidos e trabalham de mãos dadas com a Rússia. O árabe está fazendo ótimos negócios com a Rússia no momento. Muitos oligarcas encontraram um refúgio seguro em Dubai. Quem iria querer desistir de tal veio de ouro?

Por outro lado, temos notícias importantes: Biden conseguiu levar ao Congresso a Lei de Redução da Inflação sobre o maior investimento na luta contra as mudanças climáticas da história . E estou muito feliz com isso. Foram 16 votos. Isso é quase US$ 400 bilhões. investir em energia verde.

 

Você acha que essa mensagem vai se espalhar pelo mundo – que vale a pena investir em energia verde?

Este é um sinal muito forte de que algo está mudando no mundo. Esta tendência continuará a crescer. Claro, haverá tentativas de contrariar isso... Todo o tempo o gás e o petróleo são baratos, embora caros para nós – podemos ver o que está acontecendo com nossas carteiras, inflação, aumentos de preços... lidar. E esta também é uma mensagem clara: talvez não devêssemos basear nossa economia no gás e no petróleo, mas em outras fontes de energia? Eles são muito mais caros e exigem pagamentos adicionais, mas serão mais baratos em algum momento, se forem comuns.

Somos reféns de petróleo, gás e carvão. Talvez seja precisamente sem essa crise, em que Putin desliga o gás e deixa de canalizar o petróleo, que não teríamos percebido que tínhamos um problema. Precisamos começar a desenvolver usinas nucleares e investir em parques eólicos. É também uma grande oportunidade para a Polônia – nos tornaremos autônomos e independentes em termos de energia. A segurança do país deve contar com ela para se autodeterminar. Porque a situação é anormal – a prosperidade e a segurança do nosso país dependem da vontade de um hóspede de um país estrangeiro, que pode decidir de repente que o gás e o petróleo estão girando.

  

Conseguimos alcançá-lo sozinhos, porque não queremos mudanças e temos medo delas? 

Bem, sim, porque também implicará mudanças políticas muito sérias. O Estado será o líder e ditará ou criará condições para que as energias alternativas apareçam. É do interesse do Estado. Até agora, a energia verde e as mudanças climáticas foram tratadas como uma quinta roda pelos governos. Como uma alternativa tão verde. Entretanto, verifica-se que isso pode determinar o futuro e a segurança do nosso país. Para mim, é uma perspectiva muito tentadora de independência energética da Polônia.

 

A guerra na Ucrânia é um ponto de virada na história. Acho que vai trazer grandes mudanças. Em primeiro lugar, na zona de segurança, incluindo a zona de energia. Talvez seja mais rápido agora?

 

Como você avalia as ações do governo polonês? Os poloneses estão cientes da gravidade da situação?

E como você pode julgar um governo populista que se preocupa principalmente em ganhar a próxima eleição e atender às expectativas de apenas uma certa parte da sociedade – aquela que vota nele? Este é um governo que pensa no futuro sobre como será a economia e como os poloneses viverão em 5-10 anos? Não. E é triste. Existem algumas pequenas coisas como regulamentos de parques eólicos. Ah, tanta coisa mudou...

 

A inflação está em alta, os preços estão batendo recordes... Os polos estão ficando cada vez mais difíceis.

Nosso festival foi criado para desenvolver a sensibilidade ecológica. Isso é muito importante – mudar nossa consciência e nossos hábitos é importante. Mas acho que ele deveria estar orbitando em direção, em suma, a uma voz política. Perceber que os processos que estão ocorrendo no mundo neste momento estão relacionados principalmente aos recursos naturais que estão diminuindo. A verdadeira salvação para a humanidade e a civilização será a mudança dos hidrocarbonetos para a energia verde. E zero emissões.

Isso causará – se o governo polaco começar a criar as condições para isso – o desenvolvimento das empresas polacas e da economia. Esta seria uma oportunidade para os negócios polacos. Porque em um momento acontece que o carvão e o gás custam tanto que as pessoas simplesmente não podem se dar ao luxo de ter aquecimento em casa. Algo tem que ser feito a respeito.

A guerra na Ucrânia é um ponto de virada na história. Acho que vai trazer grandes mudanças. Em primeiro lugar, na zona de segurança, incluindo a zona de energia. Talvez seja mais rápido agora? Temos que encontrar uma alternativa porque não acredito que uma pessoa como indivíduo ou mesmo um movimento não governamental seja capaz de fazer mudanças sérias vendo "apenas" sua necessidade. Também é ingênuo pensar que isso acontecerá – como eu disse – de forma evolutiva. Não, será no caminho de uma crise de pesadelo. A única questão é: qual será o preço desta crise? Ao mesmo tempo, acredito que Putin e sua laia nunca vencerão esse confronto porque não têm visão de futuro.

 

A mudança também passa pela boa vontade das pessoas, e isso – tenho a impressão – não é bom...

Quanto à sociedade, nesta fase seguirá as normas legais “impostas” de cima. Todo mundo deveria usar máscaras, e o governo afrouxou as regras – ninguém as usa hoje. E acho que haverá um problema com isso no outono.

Então, infelizmente, primeiro tem que haver vontade política. Sempre pensei que iríamos escolher os políticos que ouviriam o seu eleitorado, que é mais verde e mais consciente, mas infelizmente esse eleitorado ainda é minoria. E são eles que as questões de ecologia estão perto de seus corações. Além disso, as pessoas vivem dia a dia. Eles não se desviarão de seus hábitos – em vez de comprar meio pão, comprarão um presunto inteiro, em vez de 10 gramas de presunto - um quilo, e jogarão essa comida fora. 

Será diferente, será melhor quando forem criadas condições favoráveis ​​e existirem regulamentações adequadas. Como foi com o que queimamos em fogões. Há um registro, há penalidades – ou seja, há instrumentos para forçar certas mudanças na sociedade. Se não houvesse controladores no transporte público, a maioria dirigiria de graça. Deve haver mudanças na lei. Não pode ser diferente neste país. As pessoas são preguiçosas. Não estou falando dos jovens. Eles ainda estão dispostos a mudar.

 

 

Fonte: Onet

Data de criação: 16 de agosto de 2022 12h27

ALAN RYNKIEWICZ  Editor e jornalista do portal Onet Kultura