Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
11





                                              

                            

 

 

 


Laços de Confiança
Laços de Confiança

LAÇOS DE CONFIANÇA

 

QUEM INSPIRA CONFIANÇA CRIA LAÇOS PROFUNDOS.

Volta e meia o Pequeno Príncipe aparece em alguma curva da vida da gente.  E, não é por menos, quando fico pensando sobre o estado espiritual, a educação e os relacionamentos, principalmente dos jovens, fico preocupada.  E de forma geral, as relações humanas parecem cada vez mais superficiais e vazias.  Recebemos abraços, muitas vezes, vem a pergunta:  - Com que intenção fui abraçada, com que propósito fui elogiada, com que finalidade fui presenteada?  Será que tudo isso foi de coração?

E quando surgem dúvidas desse tipo, o mundo ao redor se empobrece e se parece como um grande cenário de aparências.

Aí me lembro de um dos livros mais clássicos e reproduzidos em vários filmes:  O Pequeno Príncipe.  Saint-Exupéry, no capítulo 21 levanta um dos mais interessantes diálogos da literatura mundial:  a conversa entre a raposa e o Pequeno Príncipe, que vou transcrever.

- Bom dia – disse a raposa.

- Bom dia – respondeu polidamente o principezinho, que se voltou, mas não viu nada. – Eu estou aqui – disse a voz –, debaixo da macieira... – Quem és tu? – perguntou o principezinho. – Tu é bem bonita...

- Sou uma raposa – disse a raposa.

- Vem brincar comigo – propôs o principezinho.

- Estou tão triste... – Eu não posso brincar contigo – disse a raposa. – Não me cativaste ainda.

- Ah! Desculpa – disse o principezinho e após uma reflexão, acrescentou:  - Que quer dizer “cativar”?

- Os homens – disse a raposa – têm armas e caçam.  É bem incômodo!  Criam galinhas também.  É a única coisa interessante que eles fazem.  Tu procuras galinhas?

- Não – disse o principezinho. – Eu procuro amigos.  Que quer dizer “cativar”?

- É uma coisa muito esquecida – disse a raposa. – Significa “criar laços”...

- Criar laços?

- Exatamente – disse a raposa. – tu não és ainda para mim senão um garoto inteiramente igual a cem mil outros garotos... mas se tu me cativas, nós teremos necessidade um do outro.  Serás para mim o único no mundo.  E eu serei para ti única no mundo...

Este texto aparentemente simples, ingênuo é na verdade um profundo balbuciar filosófico-poético sobre a carência mais profunda do ser humano:  a necessidade de sólidos laços de confiança não somente com outras pessoas, mas também com instituições.

Confiança é algo íntimo.  É algo que nos conquista de forma não forçada.  É um elo espontâneo onde o coração cria laços profundos.  Confiar significa estar seguro.  E onde se está seguro não há lugar para medo.  Há repouso, há paz.  Realmente, as pessoas nas quais confiamos são únicas.  Elas nos cativaram.

Mas, cuidado, a confiança é muito frágil!  Uma vez quebrada não tem mais conserto.

 

Fonte:  Revista DonnaZH/Por Themis Pereira de Souza Vianna.