Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
19





                                              

                            

 

 

 


Clássico da Literatura de Suspense
Clássico da Literatura de Suspense

CLÁSSICO DA LITERATURA DE SUSPENSE

 

FRANKENSTEIN – O MODERNO PROMETEU – Edição bilíngue comentada (português/inglês – Landmark, 320 páginas, capa dura, tradução de Doris Goettems), da escritora britânica Mary Shelley (1797-1851), esposa do imortal poeta Percy Shelley, autor do prefácio, romance publicado pela primeira vez em 1818, é considerado um clássico, um dos marcos do suspense de todos os tempos.

Mary Shelley escreveu o livro com apenas 19 anos, após encontro do casal Shelley com Lorde George Gordon Biron, em sua mansão às margens do lago Genebra.  Na introdução, a escritora conta como nasceu a história, os detalhes de sua estada na Suíça, em 1816, para veraneio, fazendo vizinhança com Lorde Byron.  Este sugeriu que ele, Percy e Mary Shelley mais o amigo John Polidori aproveitassem os muitos dias de chuva para escrever, cada um, uma história de fantasmas.  A proposta foi aceita.

O romance de terror gótico, com inspiração do movimento romântico, relata a história de Victor Frankenstein, um estudante de ciências naturais que busca recriar um ser vivo, uma criatura, através do uso da ciência em seu laboratório.  O romance obteve grande sucesso na época e gerou todo um novo gênero, tendo grande influência na literatura e na cultura popular ocidental.  A narrativa aborda, entre muitas coisas, a relação criador/criatura, com inevitáveis implicações religiosas, e mostra uma influência notável do clássico poema épico O PARAISO PERDIDO, de John Milton.  A influência torna-se explícita com o uso dos verbos do poeta na epígrafe e pelo fato de Frankenstein, o protagonista, ser leitor da obra de Milton.

Preconceito, ingratidão e injustiça também estão presentes.  A criatura é sempre julgada por sua aparência e agredida antes de ter oportunidade de se defender.  A inevitabilidade do destino, tema muito desenvolvido na literatura clássica, é constantemente aludida ao longo da obra que se presta a múltiplas interpretações e leituras.

As representações da criatura e sua história têm variado.  Seria ela uma simples máquina de matar ou uma criatura trágica e desarticulada?  A segunda hipótese é a mais próxima da narrativa.  A primeira adaptação do romance para o cinema foi feita pelos Edisons Studios, em 1910, e a mais famosa é a da Universal, de 1931, com Boris Karloff como a criatura.  Esta adaptação deu a aparência mais conhecida do monstro, com eletrodos no pescoço e movimentos pesados e desajeitados, apesar de o livro descrever a criatura de outro modo.  Novas versões, bastante divergentes da história do romance, vieram.  Uma, de Mel Brooks, em 1974; outra, de Kenneth Branagh, em 1994; e, em 2015, uma com James McAvoy como Frankenstein foram realizadas.

Enfim, com esta exclusiva edição integral, comentada e bilíngue, o leitor brasileiro tem à disposição uma obra que atravessou os tempos e que permanece no imaginário da humanidade.

 

Fonte:  Jornal do Comércio/Jaime Cimenti (jcimenti@terra.com.br) em 4, 5 e 6 de março de 2016.