Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
8





                                              

                            

 

 

 


A Batalha pela Espanha, de Antony Beevor
A Batalha pela Espanha, de Antony Beevor

LUTA SEM HERÓIS

 

O historiador inglês Antony Beevor mostra as atrocidades dos dois lados da Guerra Civil Espanhola.

 

O lugar-comum segundo o qual a história é sempre contada pelos vencedores não se aplica à Guerra Civil Espanhola (1936-1939). Ao longo das últimas décadas, as forças republicanas da Espanha, derrotadas pelos nacionalistas liderados pelo “generalíssimo” Francisco Franco, ganharam uma aura romântica, de defensores da liberdade. Mas, co o diz o historiador inglês Antony Beevor, “a verdade foi a primeira baixa da Guerra Civil”. Num livro monumental, A BATALHA PELA ESPANHA (tradução de Maria Beatriz de Medina; Record; 714 páginas), o autor escapa da armadilha maniqueísta que transformou esse conflito numa luta entre democracia e civilização, simbolizadas pelos republicanos, contra o autoritarismo e a barbárie, dos quais os franquistas são sinônimo. O que Beevor demonstra é que os dois lados foram criminosos. Sim, Franco instaurou uma ditadura de moldes fascistas, que vigorou até sua morte, em 1975. Os republicanos, porém, muito provavelmente teriam convertido o país em um estado totalitário comunista, alinhado à União Soviética de Stalin.

 

Beevor é um especialista em história militar. Seu livro descreve minuciosamente as batalhas do período. Nessas passagens, a leitura se torna um tanto aborrecida. Mas vale a pena atravessá-las. A recompensa vem na forma de reflexões cristalinas, que Beevor vai tecendo amparado por farta pesquisa – favorecida pela abertura, há alguns anos, de importantes arquivos da extinta União Soviética e da Alemanha. O autor não se limita a analisar a guerra a partir de julho de 1936, quando teve início o levante dos generais de orientação fascista contra o governo da Frente Popular, coligação da fracionadíssima esquerda e de grupos de centro, que meses antes havia vencido as eleições. Na providencial sinopse da história da Espanha que abre o livro, Beevor procura mostrar como, para além de antagonismos de classe, a Guerra Civil ecoava antigos impasses do país, representados pelo choque entre governos centralizadores, autoritários, e movimentos regionalistas libertários.

 

Poucos conflitos mobilizaram tantos artistas, intelectuais, escritores, quado a Guerra Civil Espanhola. Na maioria, eles colaboraram com o lado republicano – apoio que foi, segundo Beevor, “mais moral do que prático”. A Guerra Civil Espanhola foi um dos primeiros conflitos em que a propaganda em massa teve grande importância – distorcendo a realidade. A BATALHA PELA ESPANHA busca restabelecer os fatos, aproximando as práticas de terror de ambas as partes envolvidas na luta. Franco tinha o costume de percorrer listas de prisioneiros depois das refeições, enquanto bebia café, para decidir pessoalmente que seria executado. O número de execuções oficiais determinadas pelos nacionalistas estaria em 35.000, no mínimo. O total de vítimas dos republicanos chegou a 38.000, na maioria eliminadas em Madri e na Catalunha durante o verão e o outono de 1936. Pesquisando relatórios enviados da Espanha para Moscou, Beevor documenta a crescente hegemonia comunista dentro da Frente Popular. O Partido Comunista espanhol promoveu execuções até de aliados da causa republicana. “Os stalinistas, pela própria natureza da sua ideologia não se dispunham a dividir o pode com mais ninguém a longo prazo”, diz Beevor.

 

A política de não-intervenção adotada pelas potências não fascistas impediu a República, alinhada com a URSS, de comprar armas abertamente, enquanto os partidários de Franco recebiam apoio militar da Alemanha de Hitler e da Itália de Mussolini. Para os nazistas, a Espanha tornou-se um campo de provas de armamentos e táticas de guerra. O bombardeio aéreo “em carpete” - contínuo e devastador – teve um de seus primeiros usos no ataque que a Força Aérea alemã desferiu contra Guernica, em 1937, promovendo o horror imortalizado no quadro de Pablo Picasso que leva o nome da cidade. Mas o que se passou na Espanha não foi só uma prévia da II Guerra. Lá se travou, nas palavras de Beevor, uma “guerra mundial por procuração”.

 

COMBATE LITERÁRIO

 

A Guerra Civil Espanhola foi um dos conflitos que mais mobiliaram intelectuais. Veja alguns – e sua filiação política.

 

ERNEST HEMINGWAY (1899-1961)

De acordo com o historiador Anthony Beevor, o escritor americano foi uma espécie de turista de guerra: não combateu, mas foi à espanha dar apoio moral aos comunistas. Seu romance POR QUEM OS SINOS DOBRAM fixou uma imagem idealista dos Republicanos.

 

GEORGE ORWELL (1903-1950)

O escritor inglês lutou na Catalunha, ao lado dos republicanos, e acabou ferido no pescoço. Em suas memórias da guerra, porém, não poupou críticas aos comunistas.

 

FEDERICO GARCIA LORCA (1898-1936)

Embora o poeta espanhol não pertencesse a nenhum partido político, suas tendências liberais despertavam desconfiança entre os fascistas. Assassinado pelas forças de Franco em Granada, tornou-se a vítima mais famosa da Guerra Civil.

 

CAMILO JOSÉ CELA (1916-2002)

Prêmio Nobel de Literatura de 1989, o escritor espanhol, conhecido principalmente por A FAMÍLIA DE PASCUAL DUARTE, lutou com as forças de Franco.

 

Fonte: Revista Veja/Rinaldo Gama em 15/08/2007