Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
19





                                              

                            

 

 

 


Dias de Abandono, de Elena Ferrante
Dias de Abandono, de Elena Ferrante

CASAMENTO DESTROÇADO SEGUNDO ELENA FERRANTE

 

Elena Ferrante é o pseudônimo de uma escritora italiana que tem sido considerada, inclusive pelo New York Times, como detentora de uma das mais fortes e belas prosas contemporâneas.  Sucesso de público e de crítica, a autora que teria nascido em Nápoles há uns 60 anos, raramente concede entrevistas e, quando o faz, é via e-mail.  Ninguém sabe ao certo se é homem ou mulher.  O que todo mundo sabe é que ela escreve bem, muito bem.

 

A crítica literária Isabel Lucas e o editor Francisco Vale, portugueses, comparam Elena a Clarice Lispector, pelos temas e estilo, despojados e irônicos, e, principalmente, pela introspecção e pelo modo como Clarice explorava o psicológico dos personagens.  Elena mergulha fundo na consciência dos personagens e, com força gigante de sua narrativa, se recusa a utilizar artificialismos de linguagem.

 

DIAS DE ABANDONO (Globo, 184 páginas, tradução de Francesca Cricelli), há poucos dias lançado no Brasil, vem na sequência dos romances A AMIGA GENIAL e HISTÓRIA DO NOVO SOBRENOME que a Editora Globo já publicou entre nós e que fazem parte da famosa tetralogia napolitana da autora, que conta ainda com HISTÓRIA DE QUEM FOGE E DE QUEM FICA e HISTÓRIA DA MENINA PERDIDA.

 

DIAS DE ABANDONO inicia assim:  “Uma tarde de abril, logo após o almoço, meu marido me comunicou que queria me deixar”.  A partir daí, a narrativa dura e angustiante vai revelando que a banalidade da vida tem um tom extraordinário.  Os destroços de um casamento vão aparecendo com força, brutalidade e complexidade avassaladoras.  A narradora Olga oi abandonada pelo companheiro de 15 anos, que a trocou por outra.  Olga ficou com dois filhos e um cão, num apartamento de Turim.  Ela vai tentar, desesperadamente, permanecer sã.  E imagina:  “A minha tarefa, eu pensava, é mostrar que é possível permanecer sã.  Demonstrá-lo a mim mesma, a mais ninguém.  Se for exposta aos lagartos, combaterei lagartos.  Se for exposta às formigas, combaterei formigas.  Se for exposta aos ladrões, combaterei ladrões.  Se for exposta a mim mesma, combaterei a mim”.

 

Ela não tem vontade de nada, mas sabe que precisa lutar, tem dois filhos, uma casa para tocar e um cachorro que só dá trabalho.  Olga, mesmo exausta, precisa enfrentar o sentimento de perda de equilíbrio, de traição, rejeição e o livro, mesmo narrado em primeira pessoa, caracteriza bem todos os personagens.

 

A obra não pode deixar de ser vista, por sua temática, como um microcosmo que talvez contenha uma parábola da libertação feminina na sociedade atual: redentora, mas não sem angústias.

 

Fonte:  Jornal do Comércio/Jaime Cimenti (jcimenti@terra.com.br) em 14/8/2016.