Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
12





Partilhe esta Página

                                             

                            

 

 

 


Análise de Ponciá Vicêncio, de Conceição Evaristo
Análise de Ponciá Vicêncio, de Conceição Evaristo

A TEORIA DAS JANELAS INTACTAS

 

Doutor em Teoria e História Literária analisa a obra-prima da autora mineira: PONCIÁ VICÊNCIO.

O segredo do texto de Conceição Evaristo é seu estilo austero que não teme as espantosas semelhanças com a vida.

 

Por Luiz Maurício Azevedo

Escritor. Doutor em Teoria e História Literária pela UNICAMP

 

Dizem que Conceição Evaristo nasceu na zona sul de Belo Horizonte; que veio de família pobre, com quase uma dezena de irmãos, que trabalhou como empregada doméstica, mas que concluiu o ensino superior na Universidade Federal do Rio de Janeiro, tendo feito mestrado na PUC-Rio, e Doutorado na Universidade Federal Fluminense. Dizem também que PONCIÁ VICÊNCIO, sua obra-prima, foi publicada em 2003, e lançada nos Estados Unidos em 2007.

 

Não são mentiras, são apenas verdades socialmente aceitas; narrativas cuidadosamente montadas para oferecer analgesia de situações sociais que nos incomodam. Verdades socialmente aceitas são, afinal, consolos que nós, meros mortais, construímos com o objetivo de adiar o inevitável acerto de contas com nossos próprios traumas históricos. Em sua história recente, a sociedade brasileira possui uma verdade socialmente aceita chamada Ditadura Militar. Para esconder a vergonhosa atuação da sociedade civil, conta-se uma meia-verdade: a de que fomos cooptados por militares maus que, a despeito de nossa boa índole, nos governaram com raiva, rancor, violência e nacionalismo tacanho. Não é mentira, mas não é exatamente uma verdade-real. Pesquisas como as dos professores da PUCRS, Juremir Machado da Silva e Camila Kieling, demonstram, de forma clara, didática e acachapante, que aquilo o que meu avô chamava de revolução militar foi, na verdade, um golpe civil-midiático-militar, construído com cuidado, inteligência e certa dose de sadismo e cimentado por um acordo social envolvendo vários setores da sociedade civil que, posteriormente iria se considerar a vítima principal desse período odioso.

 

Bem mais distante na memória dos brasileiros, a escravização dos negros é outra verdade socialmente aceita. Dizem que em 13 de maio de 1888 a Princesa Isabel assinou a Lei Áurea, considerando livres todos os negros do território nacional e banindo, com sua pena mágica, a exploração dos negros deste país. Não é exatamente uma mentira, é uma verdade instrumentalmente necessária para aqueles que desejam esconder a imensa dívida histórica que o Brasil escravagista possui com a comunidade negra. Pois bem, Conceição Evaristo, que nasceu na zona sul de Belo Horizonte; que veio de família pobre, com quase uma dezena de irmãos; que trabalhou coo empregada doméstica, mas que concluiu o ensino superior na Universidade Federal do Rio de Janeiro, tendo feito mestrado na PUC-Rio, e Doutorado na Universidade federal Fluminense; Conceição Evaristo, o maior nome da literatura afro-brasileira contemporânea, une essas duas narrativas, esses dois modelos de verdade: as socialmente aceitas e as verdades-reais. Em seu bildungsroman, os negros continuam escravos das condições, como se vê nessa passagem: “Há tempos e tempos, quando os negros ganharam aquelas terras, pensaram que estivessem ganhando a verdadeira alforria. Engano. Em muito pouca coisa a situação de antes diferia da do momento. As terras tinham sido ofertas dos antigos donos, que alegavam ser presente de libertação. Uma condição havia, entretanto, a de que continuassem todos a trabalhar nas terras do Coronel Vicêncio.”

 

Contudo, essa escravização disfarçada, sem data para terminar, em nenhum momento desabona a trajetória dos indivíduos negros, em fraca luta contra aquilo que cotidianamente os ameaça destruir. Eles avançam heroicamente por onde outros fracassaram. Eles precisam conviver com a suspeita palpável de que, além das barreiras comuns a todos os seres humanos, existe para eles uma outra, um pouco diferente, com o aspecto de uma porta da lei, feita para uso exclusivo deles. É contra essa barreira kafkiana que o negro se volta, porque talvez Jean Baudrillard – o gênio francês, morto há dez anos – tenha razão e nossa missão seja apenas lutar para que a vida não se transforme na “velha história de uma mosca que se choca contra a evidência incompreensível do vidro”. Talvez. Na literatura, as moscas querem contornar as janelas, mas não podem. Na vida real, as moscas podem contornar as janelas, mas não querem.

 

O segredo do texto de Conceição Evaristo é seu estilo austero que não teme as espantosas semelhanças com a vida.

 

Fonte: Correio do Povo/Caderno de Sábado em 16/12/2017