Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
11





Partilhe esta Página

                                             

                            

 

 

 


Augusto dos Anjos: O Átomo e o Cosmos
Augusto dos Anjos: O Átomo e o Cosmos

AUGUSTO DOS ANJOS:  O ÁTOMO E O COSMOS

 

Augusto dos Anjos (1884 – 1914) nasceu na Paraíba, estudou Direito em Recife e viveu no Rio de Janeiro e em Minas Gerais.  Depois de exercer a profissão de advogado, foi promotor e professor de literatura.

Como poeta, produziu textos de grande originalidade.  Considerado  por alguns como poeta simbolista, Augusto dos Anjos é na verdade representante de uma experiência única na literatura universal: a união do Simbolismo com o cientificismo naturalista.  Por isso, dado o caráter sincrético de sua poesia, convém situá-lo entre os pré-modernistas.

Os poemas de sua única obra, EU (1912), chocam pela agressividade do vocabulário e pela visão dramaticamente angustiante da matéria, da vida e do cosmos.  Compõe sua linguagem termos até então considerados antipoéticos, como escarro, verme, germe, etc.  Os temas são igualmente inquietantes:  a prostituta, as substâncias químicas que compõem o corpo humano, a decrepitude dos cadáveres, os vermes, o sêmen, etc.

Além dessa “camada científica”, há na poesia do autor a dor de ser dos simbolistas, marcada por anseios e angústias existenciais, provável influência do pessimismo do filósofo alemão Arthur Schopenhauser.

 

 

Para o poeta, não há Deus nem esperança; há apenas a supremacia da ciência.  Quanto ao homem, as substâncias e energias do universo que o geraram, compondo a matéria de que ele é feito – carne, sangue, instinto, células –, tudo fatalmente se arrasta para a podridão e para a decomposição, para o mal e para o nada.

Em síntese, a poesia de Augusto dos Anjos é caracterizada pela união de duas concepções de mundo distintas:  de um lado, a objetividade do átomo; de outro, a dor cósmica, que busca descobrir o sentido da existência humana.

Observe alguns desses procedimentos neste soneto:

 

Versos íntimos

 

Vês?!  Ninguém assistiu ao formidável

Enterro de tua última quimera.

Somente a ingratidão – esta pantera

Foi tua companheira inseparável!

 

Acostuma-te à lama que te espera!

O Homem, que, nesta terra miserável,

Mora, entre feras, sente inevitável

Necessidade de também ser fera.

 

Toma um fósforo.  Acende teu cigarro!

O beijo, amigo, é a véspera do escarro.

A mão que afaga é a mesma que apedreja.

 

Se a alguém causa inda pena a tua chaga,

Apedreja essa mão vil que te afaga,

Escarra nessa boca que te beija!

 

(Eu e outros poemas. 30 ed. Rio de Janeiro: Livraria São José, 1965. P. 146)

 

 

 

Observe que, no plano da linguagem, além da novidade do vocabulário até então considerado “baixo” em poesia, como a palavra escarro, o poema também inova no tom coloquial e cotidiano da linguagem, como se observa na 3ª estrofe:  “Toma um fósforo.  Acende teu cigarro!”.  Note ainda o enfoque naturalista dado ao homem em sociedade:  fera entre feras (ideia ligada ao determinismo, à seleção natural).  A carga pessimista, por outro lado, não foge aos valores simbolistas.

Com sua poesia antilírica, Augusto dos Anjos deu início à discussão sobre o conceito de “boa poesia”, preparando o terreno para a grande renovação modernista iniciada na segunda década do século XX.

Mais tarde, essa tradição do antilirismo ou da antipoesia foi retomada. João Cabral de Melo Neto, por exemplo, é um dos poetas que buscaram por fim ao eu lírico e à poesia dita “profunda”.  Na MPB, além dos Titãs, João Bosco e Aldir Blanc também exploram aspectos grotescos da realidade, como o submundo urbano do Rio de Janeiro, com suas carências e decrepitude moral.  Aldir Blanc chega, inclusive, a parodiar o poema “Vandalismo”, de Augusto dos Anjos, na canção “Bandalhismo”, que integra o disco BANDALHISMO, de 1980.

 

Psicologia de um vencido

 

Eu, filho do carbono e do amoníaco,

Monstro de escuridão e rutilância,

Sofro, desde a epigênesis da infância,

A influência má dos signos do zodíaco.

 

Profundissimamente hipocondríaco,

Este ambiente me causa repugnância...

Sobe-me à boca uma ânsia análoga à ânsia

Que se escapa da boca de um cardíaco.

 

Já o verme – este operário das ruínas –

Que o sangue podre das carnificinas

Come, e à vida em geral declara guerra,

 

Anda a espreitar meus olhos para roê-los,

E há-de deixar-me apenas os cabelos,

Na frialdade inorgânica da terra!

 

(Augusto dos Anjos. EU e outros poemas, cit., p.60)

 

A linguagem do poema surpreende e modifica uma tradição poética brasileira, em grande parte construída com base em sentimentalismo, delicadezas, sonhos e fantasias.

 

 

 

A POESIA DE AUGUSTO DOS ANJOS VIRA ESPETÁCULO DE DANÇA

Sandro Borelli, um dos principais bailarinos brasileiros, transpôs a poesia de Augusto dos Anjos para a linguagem da dança em SENHOR DOS ANJOS, espetáculo apresentado em 2002.

Diz Borelli sobre seu trabalho:  “Augusto dos Anjos foi um poeta maldito, e sua obra toca questões filosóficas e espirituais.  Para levar sua essência ao palco, abandonei um pouco a teatralidade de meus espetáculos anteriores para me concentrar no corpo.  Como não estamos lidando com personagens, o desafio é transmitir o universo do poeta por gestos e expressividade corporal.”  (Folha de S.Paulo, 17/2/2001)

 

 

      

 

AUGUSTO DOS ANJOS NA VOZ DE OTHON BASTOS

O ator Othon Bastos é um grande admirador da poesia de Augusto dos Anjos.  No CD AUGUSTO DOS ANJOS por OTHON BASTOS (coleção Poesia Falada, nº 9), o ator declama 36 poemas do poeta maldito.  Na capa do CD, Bastos conta:

“Li o EU na adolescência e foi como se levasse um soco na cara [...].  Quis ler mais esse poeta diferente dos clássicos, dos românticos, dos parnasianos, dos simbolistas, de todos os poetas que eu conhecia.  A leitura do EU foi para mim uma aventura milionária.  Enriqueceu minha noção de poesia.

 

 

     

 

AUGUSTO DOS ANJOS VIRA PERSONAGEM

A escritora Ana Miranda já romanceou a vida dos poetas Gregório de Matos e Gonçalves Dias.  Em A ÚLTIMA QUIMERA (Companhia das Letras) quem vira personagem da autora é Augusto dos Anjos.

Narrada em 1ª pessoa por um suposto amigo e conterrâneo de Augusto, a obra traça um rico quadro da vida política e cultural brasileira do início do século XX, reunindo personalidades de prestígio de nossa literatura, como – além do próprio Augusto – Olavo Bilac, Raul Pompéia e Alberto de Oliveira e inclui fatos marcantes da época, como a proclamação da República, a Revolta da Chibata e a modernização do Rio de Janeiro.

 

 

     

 

ARNALDO ANTUNES CANTA AUGUSTO DOS ANJOS

O poeta e compositor Arnaldo Antunes, é um admirador da poesia de Augusto dos Anjos.  Tanto que chegou a musicar BUDISMO MODERNO, um poema com imagens inusitadas, que prenunciam o absurdo surrealista.  Se possível, ouça a canção, que se encontra no disco NINGUÉM (BMG) lançado em 1995.

 

Budismo Moderno

 

Tome, Dr., esta tesoura, e... corte

Minha singularíssima pessoa.

Que importa a mim que a bicharia roa

Todo o meu coração, depois da morte?!

 

Ah!  Um urubu pousou na minha sorte!

Também, das diatomáceas da lagoa

A criptógama cápsula se esbroa

Ao contacto de bronca destra forte!

 

Dissolva-se, portanto, minha vida

Igualmente a uma célula caída

Na aberração de um óvulo infecundo;

 

Mas o agregado abstrato das saudades

Fique batendo nas perpétuas grades

Do último verso que eu fizer no mundo!

 

(EU e outros poemas, cit., p.84)

 

Fonte:  Livro Português/Linguagens/William Roberto Cereja/Thereza Cochar Magalhães/MEC