Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
18





                                              

                            

 

 

 


Lumière! A Aventura Começa, de Thierry Frémaux
Lumière! A Aventura Começa, de Thierry Frémaux

DOCUMENTÁRIO NARRA LEGADO DOS IRMÃOS LUMIÈRE

 

Em LUMIÈRE! A AVENTURA COMEÇA, cineasta Thierry Frémaux leva o espectador a uma viagem pela história da dupla pioneira e do próprio cinema.

 

Responsável pela seleção do maior festival de cinema do mundo, o Festival de Cannes, o francês Thierry Frémaux esteve no Brasil para apresentar seu primeiro longa-metragem como diretor, LUMIÈRE! A AVENTURA COMEÇA.

 

A pedra fundadora do cinematógrafo dos irmãos Auguste e Louis Lumière, apresentado ao mundo em 1895, é A SAÍDA DA FÁBRICA. Partindo dessa imagem e visitando o catálogo dos Lumières, Frémaux seleciona 108 de um total de 1.428 filmes de 50 segundos cada um. Por meio deles, e numa narrativa em primeira pessoa, Frémaux não apenas conta a história de Auguste e Louis. Narra uma história do cinema, e da França. O começo de tudo.

 

Por que os Lumières? Talvez pelo mais simples dos motivos. Nascido em Lyon, Frémaux acumula, com a função de delegado-geral do Festival de Cannes, a de diretor do Institut Lumière, que, entre outras coisas, salvaguarda o patrimônio histórico e artístico dos irmãos. Ele já era diretor do Instituto quando o lendário Gilles Jacob o chamou para fazer a seleção oficial do maior festival do mundo. Trabalharam juntos por mais de 10 anos e, quando Jacob se aposentou, o novo diretor-geral de Cannes, Pierre Lescure, o confirmou no cargo. Mas Frémaux nunca desistiu do Instituto Lumière. Nem dos irmãos:

 

 

- A ideia, no fundo, é mostrar que, a despeito de toda a evolução tecnológica, o básico do cinema já estava todo na obra dos Lumières – disse Frémaux em entrevista durante sua passagem por São Paulo.

 

Os filmes originais foram restaurados, e a imagem, de tão bela, parece ter sido captada com recursos de hoje. O próprio Frémaux, como narrador, admite que direciona o olhar do espectador:

 

- Adoro as visitas guiadas de museus, e no fundo é um pouco o que faço no filme. Acostumei-me a fazer sessões comentadas no Instituto, não apenas dos filmes dos Lumière, mas também dos grandes autores que convidamos e homenageamos. Comentar as sessões, e os autores, é chamar a atenção para eles, ressaltando aspectos fundamentais de seus filmes. É o que faço aqui.

 

TRAILER: https://www.youtube.com/watch?v=hdg2YtK0ga4

 

 

Fonte: ZeroHora/2º Caderno/Estadão Conteúdo em 14/12/2017.