Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
15





                                              

                            

 

 

 


Memórias de Jerusalém
Memórias de Jerusalém

MEMÓRIAS DE JERUSALÉM

 

ATRIZ NATALIE PORTMAN DIRIGE E ESTRELA DE AMOR E TREVAS, DRAMA BASEADO EM LIVRO DO PREMIADO ESCRITOR ISRAELENSE AMÓS OZ.

 

A atriz Natalie Portman já demonstrara talento também atrás das câmeras roteirizando e dirigindo o curta-metragem EVE (2008) e um dos segmentos do filme em episódios NOVA YORK, EU TE AMO (2008).  Estreando como realizadora de longa-metragem com o drama de AMOR E TREVAS (2015), a estrela demonstra sensibilidade e inteligência ao adaptar o livro de memórias de infância homônimo do escritor Amós Oz (editado no Brasil pela Companhia das Letras), colocando em contraponto o painel histórico e social às vésperas da criação do Estado de Israel e a relação do autor com os pais – em especial com a mãe carinhosa, sonhadora e psicologicamente instável.

 

DE AMOR E TREVAS começa em 1945, com a região da antiga Palestina sob domínio britânico e a população judaica tentando consolidar uma nação após o horror do Holocausto, na expectativa de um estado autônomo e em permanente tensão com os vizinhos árabes.  Em Jerusalém, o menino Amós (vivido pelo jovem estreante Amir Tessler) testemunha esse turbulento período ao lado do pai, o acadêmico e escritor iniciante Arieh  (Gilad Kahana) e a mãe, a idealista e sofisticada Fania (Natalie Portman).  Vivendo sem luxos, mas cercada de livros, a família Oz convive em relativa harmonia:  Arieh ambiciona tornar-se um autor conhecido e acredita em um futuro promissor para Israel; Fania comunga do otimismo do marido e alimenta secretas fantasias românticas.

 

Já Amós escuta com atenção os ensinamentos que o ajudariam posteriormente a se tornar um dos mais celebrados escritores e intelectuais contemporâneos: do pai racional, a capacidade de fazer análises etimológicas de palavras hebraicas que revelam interpretações filosóficas e poéticas; da mãe emotiva, a habilidade para narrar histórias fabulosas e lembranças da juventude passada na Ucrânia natal.  Esse idílio, porém, começa a ser abalado dentro e fora de casa: a carreira literária de Arieh não decola, ao mesmo tempo em que irrompe a guerra de independência.  Confrontada com a falta de perspectivas da vida ao lado de Arieh e com a violência cotidiana.  Fania aos poucos vai se deixando abater pela apatia e por uma depressão inescapável.

 

Norte-americana nascida em Jerusalém, Natalie Portman empresta a dramaticidade adequada ao interpretar o papel da mãe de Amós Oz e acena com um futuro mais consistente como realizadora cinematográfica do que, por exemplo, sua colega hollywoodiana Angelina Jolie – que igualmente tem dirigido dramas históricos, porém bem menos consistentes do que DE AMOR E TREVAS.

 

Fonte:  ZeroHora/Segundo Caderno/Roger Lerina (roger.lerina@zerohora.com.br) em 8 de maio de 2016.