Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
5





                                             

                            

 

 

 


Jovem Mulher, de Léonor Serraille
Jovem Mulher, de Léonor Serraille

RETRATO DE UMA JOVEM MULHER À DERIVA

 

Léonor Serraille estreia como diretora em filme que acompanha protagonista após o fim de relação abusiva

 

Por Luiz Carlos Oliveira Jr.

Folhapress

 

Primeiro longa-metragem de Léonor Serraille, JOVEM MULHER é o que alguns chamariam de “estudo de personagem” ou tão somente de “retrato”. A câmera cola em uma jovem de 30 anos e a acompanha durante todo o filme, registrando seus movimentos inquietos, suas oscilações de humor.

 

A protagonista, Paula (Laetitia Dosch), acaba de ser rejeitada pelo namorado mais velho, que a mantinha numa relação abusiva, conforme rapidamente percebemos. Sem ter onde morar e sem se entender muito bem com a mãe, Paula fica à deriva; sua vida se torna um vaivém incessante, entre lares provisórios e interações mais ou menos passageiras com outras pessoas.

 

No cinema, um retrato se distingue de uma narrativa mais convencional por não priorizar o encadeamento romanesco ou a amarração cuidadosa dos eventos dramáticos, preferindo se concentrar no registro de pequenas vivências que, ao final, configuram o quadro existencial de um sujeito, seu modo de ser, sua personalidade.

 

Trata-se de representar uma pessoa não por suas ações ou por seus feitos notáveis, mas pelos traços definidores do seu caráter.

 

Em JOVEM MULHER, a moldura do retrato é incerta e a figura dentro dele é polimorfa, não cabe no clichê da personagem feminina à beira de um ataque de nervos.

 

Numa cena no metrô, um rapaz de terno e gravata alerta Paula de que ela se esqueceu de tirar o crachá da loja de lingerie onde trabalha. A réplica de Paula quebra qualquer expectativa: “Sim, e você se esqueceu de tirar a gravata”.

 

Uma vez que Paula está em praticamente todos os planos de JOVEM MULHER, a performance da atriz que a interpreta se torna o centro energético do filme, cuja força depende muito do tipo de magnetismo que ela estabelece com a câmera.

 

Os limites plásticos e dramáticos dos planos – sua composição, sua duração, sua intensidade – não parecem vir de fora, mas serem criados internamente, pela dinâmica de expansão e contração da área em que o corpo da personagem principal atua.

 

Assim, o trabalho da diretora não consiste em arquitetar o quadro em que a ação se inscreverá segundo regras de mise-en-scène ditadas de cima, mas em criar as condições para que se potencialize a performance transbordante de Laetitia Dosch

 

É algo que John Cassavetes sempre fez muito bem e que os irmãos Dardenne em algum momento souberam fazer, e que tem a ver com a ideia de usar o cinema não para dar contorno e forma à realidade, mas, inversamente, para enfatizar que a vida é uma sucessão caótica de experiências.

 

TRAILER: https://www.youtube.com/watch?v=9gcWDpixXu0

 

Fonte: Zero Hora/Segundo Caderno em 22/12/2017