Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
12





                                              

                            

 

 

 


Em Pedaços, de Fatih Akin
Em Pedaços, de Fatih Akin

GRITO POR JUSTIÇA

 

Vencedor do Globo de Ouro de melhor filme estrangeiro, drama alemão EM PEDAÇOS, de Fatih Akin, denuncia o terror promovido por neonazistas.

 

Considerado um dos principais cineastas da Europa em atividade, Fatih Akin, 44 anos, retorna aos cinemas brasileiros com EM PEDAÇOS, filme denso que lembra as primeiras produções do cineasta alemão de origem turca. Listado entre os nove pré-selecionados para disputar o Oscar de filme estrangeiro neste ano, o longa acabou esnobado pela Academia de Artes e Ciência Cinematográficas, apesar de ter vencido a categoria no Globo de Ouro e também o Critic’s Choice Awards.

 

A trama de EM PEDAÇOS é concebida a partir das relações entre o imigrante e o alemão, tema central da obra de Akin e essencial para entender a Europa contemporânea. Mas as tensas relações do cotidiano que pautaram filmes como os premiados CONTRA A PAREDE (2004) e DO OUTRO LADO (2007) dão lugar a um tema do início do século passado e que ainda assombra a Alemanha: o nazismo.

 

- Durante toda a minha vida, quis fazer algo sobre racismo, pois, quando se nasce e se é criado na Alemanha enquanto membro de uma minoria, filho de imigrantes turcos, você depara om o racismo cedo ou tarde. Desde menino, sabia a respeito dos neonazistas, que matavam estrangeiros. Sofri com esse trauma por toda a minha vida – afirma Akin em entrevista por telefone a Zero Hora. (Abaixo)

 

ROTEIRO FOI INSPIRADO EM ATAQUE DE EXTREMISTAS

 

A revolta que o assunto causa no diretor, e que até hoje envergonha grande parte dos alemães, surge com força no filme EM PEDAÇOS, cujo roteiro foi inspirado nos assassinatos cometidos na Alemanha pelo grupo de extrema direita Clandestinidade Nacional-Socialista (NSU) entre 2000 e 2006. No longa, Akin escancara a sua inconformidade não só contra os terroristas, mas também com a forma como a polícia e o Ministério Público agiram diante desses crimes, investigando os parentes das vítimas e chegando a transformá-las em suspeitos.

 

A protagonista é a atriz alemã naturalizada americana Diane Kruger, conhecida por seus trabalhos em TROIA (2004), BASTARDOS INGLÓRIOS (2009) e ADEUS, MINHA RAINHA (2012). Curiosamente, EM PEDAÇOS é o primeiro filme falado em alemão na sua carreira e lhe valeu o prêmio de melhor atriz no Festival de Cannes do ano passado. Diane interpreta Katja Sekerci, alemã que mora com o marido, Nuri, um ex-presidiário turco, e o filho de sete anos em Hamburgo, segunda maior cidade da Alemanha. A vida de Katja será devastada após a morte de ambos, devido a uma bomba que explode diante do escritório do marido. Desesperada, ela decide lutar por justiça e se vingar ao descobrir que os responsáveis foram integrantes de um grupo neonazista.

 

EM PEDAÇOS marca o retorno de Akin aos holofotes da indústria cinematográfica mundial. Desde 2009, com a comédia SOUL KITCHEN, sobre o dono de um restaurante que tenta reerguer o seu empreendimento em meio a muitas trapalhadas, o diretor não conseguia emplacar um filme no Brasil. GARBAGE IN THE GARDEN OF EDEN (2012), THE CUT (2014) e TSCHICK (2016), seus trabalhos anteriores, não chegaram ao circuito comercial brasileiro, apesar de o cineasta ter como uma de suas marcas obras que podem ser consumidas em qualquer parte do planeta.

 

EM PEDAÇOS, que tem como seu principal trunfo a atuação segura de Diane Kruger – Akin reverenciou o desempenho dela no momento em que recebeu o prêmio no Globo de Ouro –, ganha visibilidade em momento mais do que oportuno, quando as forças mais conservadoras e nocivas ressurgem e se espalham por todos os cantos.

 

ENTREVISTA

 

Conhecido por filmes premiados como CONTRA A PAREDE (2004), DO OUTRO LADO (2007) e SOUL KITCHEN (2009), sempre com o tema da imigração no centro das tramas, o cineasta alemão de origem turca Fatih Akin conversou com Zero Hora por telefone da Alemanha. O diretor falou sobre sua motivação para realizar o drama EM PEDAÇOS, estrelado por Diane Kruger, que chegou aos cinemas brasileiros nesta quinta-feira, sua carreira e a onda conservadora na Europa e no mundo.

 

 

Como surgiu a ideia de filmar EM PEDAÇOS?

Durante toda a minha vida, quis fazer algo sobre racismo, pois, quando se nasce e se é criado na Alemanha enquanto membro de uma minoria, filho de imigrantes turcos, você se depara com o racismo cedo ou tarde. Desde menino, sabia a respeito dos neonazistas, que matavam estrangeiros. Aos oito anos de idade, quando me dei conta que havia forças no país que queriam me matar d´porque eu tinha cabelo preto… aquilo criou um trauma. Sofri com esse trauma por toda a minha vida. Então, quando o racismo na Alemanha cresceu nos últimos cinco anos, por causa do problema dos refugiados e da guerra na Síria, foi criada uma nova dimensão do racismo no país. Então senti que era a hora de aplicar minhas ideias, minha raiva e meus medos em um filme.

 

 

O último filme seu que veio ao Brasil foi SOUL KITCHEN (2009), uma comédia na qual há muitas piadas a respeito dessa relação entre o imigrante e o povo alemão. Isso não aparece em EM PEDAÇOS. Você acha que as coisas mudaram muito de lá para cá?

Há mudanças, mas essa não foi a razão pela qual mudei da comédia para o drama. Mudei porque, às vezes, preciso de dinheiro e daí faço comédias. Às vezes me canso do conteúdo mais pesado e eu gosto de comédias. É sempre mais difícil fazer uma comédia do que um drama. É mais fácil de assistir, mas muito mais difícil de filmar. E faço isso de vez em quando. Mas não acho que, com os meus filmes, tenha que fazer algum comentário a respeito sempre que algo muda no país.

 

 

O senhor apareceu na lista de alvos de um site xenófobo. Como se sente a respeito?

É sempre um elogio quando você é alvo do seu inimigo. Se o seu inimigo o denuncia, quer dizer que você fez algo direito. De certa forma, é um elogio.

 

 

Como você vê a situação atual dos imigrantes na Alemanha e na Europa e o crescimento das forças mais conservadoras no mundo todo?

Essas lideranças, essas forças reacionárias alcançaram o poder por meio da possibilidade de democracia, mas ela também ganham poder quando se acredita que a democracia é uma dádiva da natureza, que vem de algum homem, ou algo que cresce nas árvores. Está errado. Democracia é algo que precisa ser defendido todos os dias. Se isso não for feito, outras pessoas assumem o controle. É isso que est´acontecendo no mundo todo. Por outro lado, a globalização criou muito medo e frustração para muitas pessoas e parte da expressão desses medos votou em partidos reacionários ao redor do mundo.

 

 

Como foi trabalhar com Diane Kruger? O senhor parece muito grato quando fala sobre o trabalho dela no filme.

Ela foi a melhor atriz com quem já trabalhei. Foi a mais concentrada, mais focada, mais disciplinada. Não sei se é porque ela é uma atriz americana, de uma certa maneira (Diane nasceu em Algermissen, na Alemanha, mas morou em várias cidades, entre elas Londres e Paris, tornando-se cidadã norte-americana em 2013). Nós temos muitas boas atrizes alemãs e turcas, mas esse nível de concentração e de profissionalismo dela foi algo que me surpreendeu. Quem sabe foi por ela ter sido educada na França e nos Estados Unidos.

 

 

O senhor vai trabalhar com Diane em um novo projeto. O que pode nos dizer a respeito desse trabalho?

Estamos trabalhando em uma minissérie sobre Marlene Dietrich (atriz e cantora alemã). Eu me interesso muito pela história dela no contexto da II Guerra Mundial, pela atitude e posição dela contra a Alemanha nazista. Foi um ato de coragem civil. Ela desistiu da carreira, da fama e de todo o dinheiro para lutar contra a Alemanha de Hitler como uma alemã. Isso é algo que eu admito muito, e muitas pessoas sabem muito pouco a respeito. É sobre isso que será a minissérie. Além disso, Diane é a melhor pessoa para interpretar Marlene Dietrich. Não há outra atriz capaz de fazer o papel dela.

 

 

As atrizes alemãs não vão sentir inveja?

Não dou a mínima se invejam ou não, não é da minha conta ficar pensando nisso.

 

 

Quando se fala no cinema atual da Alemanha, as pessoas o classificam dentro da escola conhecida como “Migrantekino”, dos imigrantes que fazem cinema na Alemanha. Como analisa esse rótulo?

Eu provei para mim mesmo que posso fazer várias coisas diferentes. Mas, como eu sou um autor, busco muito material que está presente do meu mundo. Não estou interessado em filmes estúpidos de Hollywood. Mesmo fazendo algo tratando de Marlene Dietrich, ainda assim é um filme de imigrante, pois será sobre como Dietrich era, ela mesma, uma imigrante nos Estados Unidos e como ela ajudou os judeus a fugir da Alemanha. De algum modo, esse tema da imigração sempre vai aparecer. Mas me rotular somente como alguém que produz coisas sobre imigração é uma maneira de certas pessoas tentarem me apequenar, pois têm inveja.

 

 

Você conhece a produção cinematográfica brasileira?

Conheço o Walter Salles, eu o admiro muito. Os filmes mais bem-sucedidos chegam por aqui, como CIDADE DE DEUS. Mas acho que os filmes artísticos somente chegam ao circuito de festivais. São difíceis de encontrar. Gosto da obra de Hector Babenco. Conheço muito pouco do cinema brasileiro, tenho que admitir.

 

TRAILER:  https://www.youtube.com/watch?v=hye1x0FvOoU

 

Fonte: Zero Hora/Segundo Caderno/Rafael Balsemão (rafael.balsemao@zerohora.com.br) em 16/03/2018