Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
5





                                             

                            

 

 

 


120 Batimentos por Minuto, de Robin Campillo
120 Batimentos por Minuto, de Robin Campillo

SOBREVIVENDO COM ARRANHÕES

 

120 BATIMENTOS POR MINUTO, do diretor Robin Campillo, recupera a luta política contra a epidemia de aids e o preconceito na França dos anos 1990.

 

Por Rafael Balsemão

rafael.balsemao@zerohora.com.br

 

120 BATIMENTOS POR MINUTO, filme sobre a luta contra a epidemia de aids noss anos 90 que estreia hoje (em janeiro) nos cinemas de Porto Alegre, era a aposta da França para concorrer a uma estatueta ao Oscar de filme estrangeiro neste ano. Vencedor do Grande Prêmio do Júri no Festival de Cannes do ano passado, entre outras honrarias, o filme conquistou a crítica francesa e foi uma das sensações do evento. Emocionado, o diretor espanhol Pedro Almodóvar, presidente do júri, falou, durante coletiva de imprensa, sobre a produção:

 

- Eu amei o filme. Eu não podia ter amado mais. Fui tocado desde o começo até absolutamente o fim. E depois disso.

 

Apesar de toda a badalação em torno do longa, a Academia de Hollywood o deixou de fora da lista dos nove pré-selecionados ao Oscar. A exclusão gerou comoção entre os admiradores do trabalho. Barry Jenkins, diretor de MOONLIGHT: SOB A LUZ DO LUAR, vencedor da estatueta de melhor filme no Oscar 2017, saiu em defesa do longa francês. “É importante pra caramba, especialmente neste momento, ver um filme baseado em fatos reais com jovens literalmente lutando por suas vidas, lutando por todas as nossas vidas com honestidade, contra o fanatismo e a política burocrática intolerável (para não mencionar a ganância corporativa)”, escreveu o cineasta em sua conta no Twitter. “Obviamente eu adorei. E eu me pergunto como ele não é o filme do momento?”

 

Jenkins referia-se à mobilização, no início dos anos 1990, do grupo Act Up em Paris, que até hoje defende direitos das pessoas que vivem com HIV e é o tema central de 120 BATIMENTOS POR MINUTO. Dirigido por Robin Campillo, ex-integrante da Act Up, o filme mostra as contradições dos membros da associação em meio à batalha para sobreviver dos jovens que ainda não contavam com os remédios que hoje garantem uma vida praticamente normal aos soropositivos. No centro da trama estão a luta por informações mais esclarecedoras para a sociedade sobre a epidemia e por acesso aos remédios mais eficazes contra a doença que começavam a ser desenvolvidos pela indústria farmacêutica.

 

Em mais de duas horas, Campillo escancara a agonia dos doentes e mostra todas as complicações da aids – uma sentença de morte naquela época – enfrentadas por quem contraía o vírus: lesões na pele em decorrência do Sarcoma de Kaposi (tipo de câncer), efeitos colaterais de drogas pouco eficientes como o AZT, sangramentos, micoses, etc.

 

O longa acompanha também o envolvimento amoroso entre Nathan (Arnaud Valois), recém-chegado ao grupo, e Sean (Nahuel Pérez Biscayart), militante de personalidade forte que começa a apresentar graves problemas de saúde em decorrência da aids. O relacionamento sorodiscordante, com todas as consequências, é explorado pelo diretor no seu limite.

 

120 BATIMENTOS POR MINUTO é, sobretudo, um convite para conhecer, em sua forma mais cruel, a história dos que não tiveram medo de enfrentar uma doença devastadora que matou milhões de pessoas no mundo todo. E que ainda continua trazendo sofrimento, principalmente por conta do preconceito.

 

Alguns prêmios já recebidos pelo filme:

 

* Festival de Cannes 2017: Grande Prêmio do Júri; Prêmio da Federação Internacional de Críticos de Cinema (Fipresci), QueerPalm (melhor filme LGBT) e Prêmio Especial François Chalais

 

* Los Angeles Film Critics Association – Melhor filme estrangeiro

 

* New York Film Ciritics Circle – Melhor filme estrangeiro

 

TRAILER:  https://www.youtube.com/watch?v=JcZ-bCEHdN0

 

 

Fonte: ZeroHora/Segundo Caderno em 05/01/2018