Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
13





                                              

                            

 

 

 


Esperando Acordada, de Marie Belhomme
Esperando Acordada, de Marie Belhomme

ESPERANDO ACORDADA

TEM HEROÍNA ATRAPALHADA

 

A diretora e roteirista francesa Marie Belhomme estreia no longa-metragem com a comédia romântica ligeira ESPERANDO ACORDADA (2015).  A história gira em torno dos apuros da tímida Perrine (Isabelle Carré), jovem violinista “quase profissional” que ganha a vida animando aniversários infantis e festas em lares de idosos na região de Rennes, na Bretanha.  No caminho para um desses eventos, a distraída heroína assusta sem querer um desconhecido, bate a cabeça e vai para o hospital em coma.  Sentindo-se culpada, Perrine decide cuidar do apartamento do homem e visitá-lo diariamente, passando-se por uma prima distante.

 

A atrapalhada protagonista de bom coração envolve-se então cada vez mais com a vida de Fabrice Lunel (Philippe Rebbot), enrolando-se em uma teia de mentiras para a qual arrasta também as novas amigas Lucie (Carmem Maura), maternal administradora de um asilo, e sua desinibida sobrinha Solène (Nina Meurisse).

- O personagem nasceu antes do filme.  Tinha vontade de mostrar o percurso de Perrine, uma mulher que não encontrou seu lugar na vida, que não tem muita confiança em si própria.  A partir desse personagem, escrevi uma situação que fosse ruim para ela.  Com  Michel Leclerc, meu corroteirista, criamos o personagem de Fabrice, também esquisito e engraçado – explica a realizadora, em entrevista por telefone a Zero Hora desde Paris.

 

O destaque de ESPERANDO ACORDADA é o desempenho de Isabelle Carré, atriz de filmes como RESPIRE (2014), de Mélanie Laurent, e A LINGUAGEM DO CORAÇÃO (2014), de Jean-Pierre Améris, que consegue driblar algumas inconsistências do roteiro, sustentando a empatia e a verossimilhança de seu papel mesmo quando o registro pende excessivamente para o ingênuo ou o improvável.

- O enredo se inspira em uma história que aconteceu com minha mãe, que atropelou acidentalmente de carro um menininho de bicicleta.  Ele foi para o hospital, mas não ficou em coma.  Minha mãe ficou tão culpada que ligava todos os dias para os pais do garoto, visitava ele levando bombons e presentes...  A família não aguentava mais a presença daquela mulher! (risos)  Perrine se parece um pouco comigo e também com Isabelle Carré.  Como a personagem, sou um pouco estranha, um pouco de lado, também trabalhei em pequenos empregos, tinha essa sensação de que não conseguiria fazer nada e que era nula para tudo.  Sim, o filme é autobiográfico – admite a simpática Marie Belhomme, que também lembra fisicamente a atriz principal de seu filme.

 

TRAILER:  https://www.youtube.com/watch?v=2PQI219adqU

 

 

Fonte:  Zero Hora/Roger Lerina (roger.lerina@zerohora.com.br) em 19/8/2016