Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
11





Partilhe esta Página

                                             

                            

 

 

 


Palavras Esquecidas
Palavras Esquecidas

O PRAZER DAS PALAVRAS 4

 

PALAVRAS ESQUECIDAS

BALBO, ALPONDRA, BELFO, MÁDIDO, SORDES e SESTRO já cumpriram sua missão, mas a aposentadoria não precisa ser definitiva.

 

Numa língua moderna e dinâmica como a nossa, é natural que, como a erva daninha, nasçam vocábulos novos por toda a parte.  O curioso, prezado leitor, é que essa fecundidade lexical, que deveria ser saudada aos quatro ventos como sinal de pujança do idioma, parece causar nas pessoas uma indisfarçável apreensão – e confesso que já perdi a conta das colunas que foram dedicadas a defender essas palavras recém-chegadas, geralmente vistas com desconfiança, quando, bem ao contrário, deviam ser recebidas com palmas, hurras e bandeirinhas.

Preocupadíssimo em vigiar na estrada os vocábulos que chegam, o brasileiro raramente volta os olhos para o lado oposto, para se despedir dos vocábulos que, depois de aposentados, terminam caindo no esquecimento absoluto.  Não vão fazer falta, é verdade – como na natureza, são animais que já cumpriram sua missão e agora devem se retirar de cena; não por isso, contudo, devem ser esquecidos.  Assim como falamos no pássaro dodô ou no tigre-dentes-de-sabre, ambos extintos, acho que também deveríamos fazer o mesmo com as palavras BALBO, ALPONDRA, BELFO, MÁDIDO, SORDES ou SESTRO, por exemplo.

Para os antigos, BALBO é “aquele que pronuncia mal as palavras; o gago” – certamente o avô de nosso BALBUCIAR.  BELFO é aquele “que tem o beiço inferior mais grosso que o superior (como os cavalos)”.  O adjetivo MÁDIDO – “levemente molhado; úmido” – é usado por Cruz e Souza no seu ANTÍFONA (um dos poemas que tínhamos de decorar na escola – no bom tempo em que sumidades pedagógicas ainda não tinham iniciado sua danosa e medíocre campanha contra a memória):  “Brilhos errantes, MÁDIDAS frescuras/E dolências de lírios e de rosas”.  Bem menos poético é SORDES (da família de SÓRDIDO), “imundície; a matéria grossa e pegajosa das chagas”.  Por sua vez, SESTRO fazia dupla com DESTRO (esquerdo x direito), além de designar “trejeito, gesto habitual, que a repetição torna mais ou menos esquisito” – como vemos em Machado:  “... ele adquiriu o SESTRO de mortificar o buço, puxando-o muito de um e outro lado”.

É importante frisar que nem sempre essa aposentadoria é definitiva.  Em sua ORIGEM DA LÍNGUA PORTUGUESA, Duarte Nunes de Leão – gramático português, um dos primeiros autores a estudar nosso idioma – relaciona, lá por volta de 1600, mais de uma centena de vocábulos que considera antiquados, dentre os quais há vários que hoje voltaram à ativa:  ALGO (“alguma cousa”), AQUECER (“esquentar”), BRITAR (“quebrar”), CONFORTAR (“consolar”), ESMERAR (“fazer alguma coisa com diligência”), FINADO (“defunto”), LÍDIMO (“legítimo”), SANHA (“ira”).  Foi o que me aconteceu com ALPONDRAS – ou simplesmente PONDRAS –, que são aquelas pedras que formam, de uma margem à outra de um curso d’água, um caminho que permite atravessá-lo (“... conseguimos atingir a margem oposta, saltando com esforço de ALPONDRA em ALPONDRA”).  Pois esta palavra passou a fazer parte do meu vocabulário quando, nos anos 70, o saudoso professor Manuel Luiz Leão a trouxe de volta do esquecimento para traduzir o inglês steppingstone, de uso frequente no âmbito da informática.

 

Fonte:  ZeroHora/Cláudio Moreno (escritor e professor) cmoreno@terra.com.br em 24/10/2015