Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
12





Partilhe esta Página

                                             

                            

 

 

 


1. Dúvidas Eternas - por Sérgio Nogueira
1. Dúvidas Eternas - por Sérgio Nogueira

 

LÍNGUA PORTUGUESA

DICAS DE SÉRGIO NOGUEIRA

 

Papelzinhos ou papeizinhos?

Primeiro vamos tirar a dúvida de como colocar no plural uma palavra que está no diminutivo.

Por exemplo, você diria... papelzinhos ou papeizinhos?  Animalzinho ou animaizinhos?

Então anote a dica:  para pôr no plural os diminutivos formados com o sufixo – zinho, você primeiro tem de colocar a palavra primitiva (aquela sem o prefixo –zinho ) no plural.  E depois acrescentar o sufixo –zinho do diminutivo.

Veja o exemplo:

Para fazer o plural do diminutivo da palavra PAPEL, primeiro colocamos a palavra PAPEL no plural.  Que dá, PAPÉIS. A essa forma no plural é que vamos acrescentar o sufixo do diminutivo –zinho:

PA-PEI-ZINHOS.

E perceba que o “S” de PAPÉIS foi parar depois do sufixo.

Assim sendo: pasteizinhos, animaizinhos, faroizinhos, azuizinhos...

 

Ele requereu ou ele requis?

O verbo REQUERER costuma dar nó na língua.

Por exemplo, você diria:

O advogado requereu ou requis os documentos?

O correto é:

O advogado REQUEREU os documentos.

Essa confusão surge, porque muita gente acredita que o verbo REQUERER seja derivado do verbo QUERER e, portanto, deva seguir sua conjugação.  Se ele QUIS, “ele REQUIS”.

Mas, cuidado, o verbo REQUERER não significa QUERER DE NOVO.  REQUERER significa “pedir por meio de requerimento”.

Para empregar o verbo REQUERER tem ainda outra dificuldade, pois se trata de verbo irregular. Isso quer dizer que sua conjugação não segue um modelo, um padrão.

Assim, devemos dizer:

Eu requeiro / que eu requeira...

Nos tempos do pretérito e do futuro, sua conjugação é regular:

Se ele vendeu, perdeu, comeu... ELE REQUEREU.

Confira a conjugação completa numa boa gramática para não errar mais.

 

Às vezes ou as vezes?

Nosso problema agora é a ocorrência do acento indicativo da crase na expressão AS VEZES.

Você já deve ter notado que não é sempre que essa expressão aparece com acento. E é aí que está formada a encrenca.  Em que casos devemos colocar o acento grave e quando não devemos?

Acompanhe comigo.

Devemos pôr o acento da crase quando a expressão AS VEZES tiver o sentido de DE VEZ EM QUANDO.

Assim, na frase:  “Às vezes os meus vizinhos fazem muito barulho” ocorre crase, pois é o mesmo que dizer:

“De vez em quando meus vizinhos fazem muito barulho.”

Agora, não use o acento indicativo da crase quando a expressão não puder ser substituída por DE VEZ EM QUANDO.

Por exemplo, nas frases:

Eu me lembro de todas as vezes em que eu te vi;

Foram raras as vezes em que ele não me decepcionou.

 

Para mim ou para eu?

Agora vamos falar de uma dificuldade linguística que muita gente tem e que é muito fácil de resolver.

É o famoso:  PARA MIM ou PARA EU.

Você sabe quando deve usar um e quando deve usar o outro?

Por exemplo, você diria:

A secretária entregou o relatório para mim.

OU

A secretária entregou o relatório para eu?

Nesse caso, correto é:  A secretária entregou o relatório para mim.

Mas cuidado!  Se houver um verbo depois do pronome, muda tudo.

Aí, devemos dizer: A secretária entregou o relatório PARA EU ANALISAR.

Perceba que a diferença entre PARA MIM e PARA EU está na presença ou não de um verbo no infinitivo após o pronome.

Portanto, grave a dica: sempre que houver um verbo no infinitivo depois do pronome, use os pronomes pessoais do caso reto, que são EU, TU, ELE, NÓS, VÓS e ELES.

E essa dica não vale só para a preposição PARA.  Isso ocorrerá com qualquer preposição.

Confira:

O time chegou antes de mim. / O time chegou antes de eu sair.

Meu irmão fez isso por mim. / Meu irmão fez isso por eu estar doente.

 

Fonte:  Jornal O Sul-Coluna Sérgio Nogueira-21/12/2014