Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
10





Partilhe esta Página

                                             

                            

 

 

 


Tulio Piva, o Pandeiro de Prata
Tulio Piva, o Pandeiro de Prata

TÚLIO PIVA, INCONFUNDÍVEL

 

Documentário lançado em DVD homenageia a vida e a obra do sambista gaúcho.

TÚLIO PIVA – PANDEIRO DE PRATA – De Marco Martins, Loli Menezes e Rodrigo Piva.

 

A vida dele foi um violão”, resume a filha Vera em uma das passagens do documentário TÚLIO PIVA – PANDEIRO DE PRATA, que está sendo lançado em DVD. O filme marca o centenário do compositor, comemorado em 2016, e os 50 anos da vitória de seu samba PANDEIRO DE PRATA no II Festival Sulbrasileiro da Canção Popular, realizado em 1968 em Porto Alegre.

 

Ao lado de Lupicínio Rodrigues, Túlio é o mais conhecido autor gaúcho de sambas, com dezenas de gravações por cantores como Elza Soares, Jair Rodrigues, Demônios da Garoa, Germano Mathias e até Elis Regina no início da carreira. Lupicínio tem maior notoriedade nacional, mas paradoxalmente, o acervo de imagens e vídeos que se tem dele não chega nem perto da quantidade de material existente sobre Túlio – e o filme mostra isso com exuberância.

 

Em uma entrevista à televi~soa, ele conta que começou tocando os tangos que ouvia nas rádios argentinas em sua cidade natal, Santiago. Ao conhecer as músicas de Noel Rosa, nos anos 1930, encantou-se com o samba e levou para o violão, que já tocava bem, a potência rítmica do tango: “A característica de minha música sempre foi o ritmo forte”. Um dos entrevistados do filme, Arthur de Faria diz que “a batida única do violão de Túlio foi precursora do samba-rock”. Jorge Ben só descobriria aquela levada no início da década de 1960. Já com sua maca, Túlio compôs o primeiro samba em 1940, TEM QUE TER MULATA, que bem mais tarde conquistaria o Brasil e seria seu maior sucesso – a primeira gravação, pelo Conjunto Melódico Norberto Baldauf, é de 1955, ano em que ele deixou Santiago vindo para Porto Alegre.

 

Em outra das tantas entrevistas do documentário, revela que convenceu a família a transferir para a Capital o seu negócio (uma farmácia), para ter maiores horizontes. Na verdade, queria ficar perto das oportunidades musicais. Tinha tino para negócios. Em 1975, uniu os talentos ao abrir o bar Gente da Noite (título de outro samba de sucesso), que durante 10 anos acolheu os boêmios da cidade. Era um gentleman, a todos conquistava com sua fala macia e seu samba inconfundível. Enfim, o carinhoso filme conta a história do grande artista com profusão de vídeos, entrevistas e depoimentos de gente de várias gerações, como Eneida Martins (sua principal intérprete), Kenny Braga (seu biógrafo), Claudinho Pereira, Nelson Coelho de Castro, Giovanni Berti, Bibiana Petek, os netos músicos Rodrigo e Rogério Piva. Túlio morreu em 1993.

 

TRAILER: https://www.youtube.com/watch?v=9uJf1qH6p0g

 

Fonte: ZeroHora/Paralelo 30/Juarez Fonseca (juafons@gmail.com) em 03/11/2017