Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
10





                                             

                            

 

 

 


Educação Musical com Projeto Orquestra Villa-Lobos
Educação Musical com Projeto Orquestra Villa-Lobos

LIÇÕES DE MÚSICA QUE SE MULTIPLICAM

 

Aluna da Orquestra Villa-Lobos comanda projeto de educação musical em que repassa a crianças e jovens pobres o que aprendeu em iniciativa na Lomba do Pinheiro.

 

Para muita gente, canções costumam embalar momentos. Para Eriadny Borba, 22 anos, a música serviu de empurrão. Em pouco mais de uma década, impulsionou a moradora da Vila Mapa de aluna de um projeto social a multi-instrumentista, educadora musical e fundadora de outro projeto voltado ao ensino gratuito de música em Porto Alegre.

 

Se a música foi determinante na construção da personalidade e da trajetória profissional de Eriadny, a relação com notas, instrumentos e melodias hoje ocupa parte central de sua rotina e teve diferentes significados ao longo dos últimos 13 anos. O primeiro deles estava mais para castigo. Obrigada pela mãe, a garota, segunda de cinco irmãos, começou, aos oito anos, a cantar no coral da Escola Municipal Villa-Lobos, onde estudava, na Lomba do Pinheiro. Aos nove, deu início às aulas de flauta doce no projeto da Orquestra Villa-Lobos, que possibilita o aprendizado gratuito de diversos instrumentos.

 

- Minha mãe trabalhava muito. Então, colocou a gente em tudo o que tinha no contraturno da escola, para a gente não ficar na rua. No começo, eu não gostava – lembra a educadora musical.

 

Somente depois de algum tempo como estudante de flauta, amenina passou a se interessar de fato pelas aulas. Isso após ver uma apresentação da Orquestra Villa-Lobos, um dos projetos sociais mais bem-sucedidos de Porto Alegre. Naquele momento, o que era obrigação ganhou novos contornos e a música virou um leque de possibilidades. Aprender coisas novas, ser reconhecida e conhecer lugares fora da comunidade onde nasceu, cresceu e vive eram algumas delas.

 

Em seu terceiro ano de flauta, Eriadny resolveu aprender novos instrumentos. No mesmo projeto, começou a tocar violoncelo. Mais tarde, aprenderia violão e cavaquinho. O entusiasmo da guria era tamanho que seu nome começou a dominar as listas de reservas de salas de aula para estudo.

 

- Desde pequena, os olhos dela brilhavam mais do que os da maioria. Isso é um alerta do vínculo com a música. A Eriadny seguiu no estudo, aprimorou-se, foi se interessando em acompanhar as aulas dos pequenos e a ajudar – lembra Cecília Rheingantz Silveira, coordenadora e regente da Orquestra Villa-Lobos.

 

 

NOS PLANOS, CURSAR UMA FACULDADE

 

Aos 16 anos, a ajuda voluntária mudou de status: Eriadny foi convidada a trabalhar como monitora no projeto que a formou. O trabalho marcou o começo de uma nova relação com a música, que passou a ser, também, seu trabalho.

 

A evolução de aluna a monitora mostrou-se providencial na vida da moradora da Vila Mapa. Grávida aos 17 anos, contou com o trabalho para garantir a criação da filha Késya, hoje com cinco anos. Desde então, a música tem sido o principal instrumento para concretizar alguns sonhos: viajando com a orquestra. Já extrapolou muito os limites da comunidade, conhecendo lugares como Brasília, Salvador, São Paulo, Paraíba, Santa Catarina, e países vizinhos, como Argentina e Uruguai. Recentemente, Eriadny levou a filha a uma apresentação no Rio de Janeiro.

 

O esforço da mãe da instrumentista em manter os filhos ocupados com as atividades musicais envolveu a família. Todos os cinco filhos escolheram um ou mais instrumentos para se dedicar – o que por vezes resulta em encontros embalados pelos irmãos.

 

Além de Eriadny, Handyer Borba, 20 anos, resolveu viver exclusivamente da arte: ingressou no curso de Música Popular da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), onde aprimora seus conhecimentos no piano. A mais velha quer seguir os passos do irmão mais novo: no meio do ano, tentará o ingresso na faculdade de Música do Centro Universitário Metodista IPA.

 

- A música mudou a minha vida. As oportunidades que a gente tem, de viajar para tudo quanto é canto, de tocar em vários lugares… Se eu não tivesse isso, nem saberia o que fazer – conta.

 

PROJETO CHEGOU AO “CRIANÇA ESPERANÇA”

 

Enquanto acumula aprendizado, Eriadny aproveita para multiplicar sua experiência com a música. Em 2016, começou a dar aulas de iniciação musical na Pequena Casa da Criança, na Vila Maria da Conceição. O projeto, que iniciou restrito a aulas de flauta, foi contemplado na última edição do Criança Esperança para ser ampliado. Até o fim do ano, deverá contar com uma orquestra nos mesmos moldes daquela onde Eriadny iniciou sua formação musical.

 

- Quando surgiu a ideia, nos disseram para conversar com ela. Vimos que a Eriadny era a cara do projeto, tanto é que ela entrou aqui e nunca mais saiu. Foi fundamental para estruturamos tudo, porque ela vive isso: sabe das necessidades, da quantidade de instrumentos, da estrutura – conta Catarina Machado, coordenadora de projetos da instituição.

 

Foram abertas 160 vagas para aula de flauta doce, violino, viola clássica, violoncelo e instrumentos de percussão – as aulas são abertas à comunidade. A verba recebida pelo Criança Esperança serviu para comprar os primeiros instrumentos e pagar professores – além de Eriadny, outros dois foram contratados.

 

Em jornada dupla – segue como monitora na Orquestra Villa-Lobos – a educadora musical assumiu, além das turmas de flauta, os alunos de violoncelo. Também é a responsável por ensaiar com o grupo de apresentação que comemora um período bem-sucedido: no ano passado, foram mais de 20 espetáculos fora da escola.

 

- Isso aqui é a história da minha vida, né? Quando comecei, era bem assim. Eu gostava muito, queria aprender, acompanhava todas as aulas. Quando vi, já estava ajudando crianças a tocar. Agora já iniciei duas turmas sozinha – orgulha-se.

 

TODA AJUDA É BEM-VINDA

 

O projeto da Pequena Casa conta com um patrocinador externo que auxiliou na melhoria em uma das salas de estudo, com os uniformes do grupo de apresentação e com o transporte para eventos fora da escola. Apesar disso, falta muito para que o espaço esteja adequado às atividades. Um projeto aprovado no Funcriança prevê a liberação de cerca de R$ 400 mil para que sejam construídas duas salas de estudos – que se transformaram em auditório – e um depósito para os instrumentos, atualmente acomodados em salas, nem sempre em boas condições.

 

- Hoje, as aulas são em salas dispersas. Estamos prevendo duas salas adequadas destinadas só para o projeto que vão virar auditório para as apresentações. Mas precisamos de ajuda. A gente sabe que ainda é um sonho, mas, quem sabe, disso tudo, um dia vai nascer a escola de música da Pequena Casa – diz Catarina.

 

 

Fonte: Zero Hora/Cidadania/Bruna vargas (bruna.vargas@zerohora.com.br) em 25/03/2018