Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
4





Partilhe esta Página

                                             

                            

 

 

 


Livros para o Laos
Livros para o Laos

LAOS: EU ME PREOCUPO COM QUEM NÃO LÊ

 

Deixa eu contar aqui: meu português não é bom. Não é. Sei pouco das regras. Crase? Odeio. Os porquês? Nenhum sentido. Concordância: bastante dificuldade. Esse texto que você lê agora está bonitinho porque a editora o revisa para nós. Mexe aqui e ali e puxa minhas orelhas quando passo muito do limite. Mas aí você diz: ah, vá, conta outra. Como pode ter o português ruim e querer ser escritora? Como pode dizer que sabe nada e ter feito 23 acertos das 25 questões na prova de português da UFRGS? Lógica, meus amigos. A simples lógica. Quando aluna, eu não entendia como meus colegas podiam ter tanta dificuldade na matéria. Para mim, era evidente. Eu lia a frase, às vezes em voz alta, e entendia se fazia sentido ou não. Se encaixava. Interpretação, então? Putz, parecia zoeira. Só lia obviedades.

 

É um resultado da infância. Dos livros de pano que eu brincava na banheira ainda sem saber ler. Do UMA HISTÓRIA POR DIA que os meus pais liam todos os dias antes de eu dormir. Minha vó conta que, por vezes, tarde da noite, ela cansada, tentava pular as páginas ou resumir o trecho do livro, mas não me enganava: “Tá errado, vó, volta!”. Era quase um jogral, tamanha minha ansiedade em entender as letras de uma vez por todas. Não fui prodígio, aprendi o bê-á-bá no tempo normal. E me agarrei às páginas que se abriam à minha frente. As revistinhas da Turma da Mônica que chegavam mensalmente lá em casa, e eu economizava para não devorar tudo na mesma tarde. Às coleções do Erico Verissimo, Monteiro Lobato e aos contos de fada que se empoleiravam na estante. E aí, em uma crescente para Pedro Bandeira, OS KARAS, a biblioteca da escola, Agatha Christie, Sidney Sheldon, e até as leituras obrigatórias de sala de aula – que à época eram chatas para caramba, mas eu encarava até o final, mesmo sem entender bulhufas (tchê, espero que atualmente recomendem livros com temas que interessem aos pré-adolescentes). Foi assim que eu aprendi português. Assimilei. Tipos os números de vocês. Eu lia e deduzia se o negócio era coerente ou não. As regras ficaram para depois.

 

Então, vocês imaginam o meu choque ao deparar com um país que ocupa a posição de número 18 dos lugares com menos acesso à literatura do mundo. O Laos. O dado atual mostra que pouco mais da metade da população vai à escola (61%), e, dessa parcela, a maioria só teve acesso aos livros didáticos ou textos entregues no colégio. Vamos calcular o quê? Menos de um quarto da sociedade pegou, cheirou, apreciou, folheou, dobrou uma orelha de burro para marcar uma página, sublinhou com caneta marca-texto, deixou para terminar o capítulo no outro dia. A experiência da literatura segue um desafio para o país. Livros são artigos raros, quanto mais livrarias e bibliotecas. Outra questão é pertinente: como consequência, quase não há autores na língua local. Quando os laosianos leem, recorrem à língua inglesa ou francesa. Ou seja, há também uma forte campanha em prol do ensino desses idiomas na região. Difícil.

 

Eu me preocupo com quem não lê. Não só pela questão do português ou da gramática da língua que for. Livros são companhia, fuga, fantasia, miragem, poesia, amor, saudade, insights. Em nove meses de estrada, li a média de um título a cada 10 dias. Se estava triste, então, mergulhava de ponta-cabeça nos personagens, nas frases, naquele universo ali encadernado. Era capaz de ficar horas presa no quarto do hotel, imersa, fechada, transportada. Quando terminei a saga de A AMIGA GENIAL, de Elena Ferrante, no Camboja, senti que um pedaço meu tinha ficado preso naquelas páginas, fiquei sozinha, enlutada. Que loucura, né? Aí que me refiro. E me preocupo. Tenho a impressão de que quem não consegue se conectar a um livro tem dificuldade de viajar. Não se permite criar, entrar em devaneios. Imaginar pessoas, cenários e contextos. Livros dão ideias. Não à toa foram queimados em diversos países em regimes de repressão ou ditadura. Propagam magia. Bruxaria mesmo.

 

Falando nisso, tenho sorte, por exemplo, de ter criado um Harry Potter bem diferente do ator Daniel Radcliffe na minha mente. Ninguém precisou me induzir a visualizar o personagem. Consegui desenhá-lo na minha imaginação, com a ajuda de J. K. Rowling, óbvio, bem antes do cinema. Sei de quem tenha aliviado a depressão atrás das letras e frases bem formuladas. Eu uso o meio como remédio contra a solidão, o tédio, a insônia, a falta de inspiração. Por isso, temo pelas crianças do Laos e penso o quanto aquela vida dura de um lugar carente de tanto poderia ser aliviada, em partes, por um emaranhado de sílabas. Talvez seja ingenuidade minha, mas me parece um antídoto simples para o veneno da realidade – e como estamos precisando.

 

E você aí, não lê porque sim. “Não gosto.” A gente só não gosta do que não entende. “Não tenho tempo.” Mas passa horas na barra de rolagem das redes sociais. “Tenho dificuldade de concentração.” Troca o livro ou o ambiente, provavelmente, você não se identificou. “Não quero.” Ok, aí estamos conversando. Entendo que existem outras prioridades, outros caminhos e aquela preguiça de imaginar. Dá um trabalhão invocar a criatividade e colocar o pé para fora do quadrado, mais fácil assistir a séries em série. Mas, vem cá, se sobrar um tempo, manda os seus livros empoeirados para L’Etranger Books and Tea: P.O Box 148, Luang Prabang, laos, 06000, e dê a uma população a chance de sonhar.

 

 

OUTRAS MANEIRAS DE AJUDAR O LAOS A LER:

 

>> Big Brother Mouse: o projeto já publicou cerca de 30 livros, a maioria para crianças que são treinadas por professores voluntários. Qualquer doação é bem-vinda, você pode também “patrocinar” um livro em www.bigbrothermouse.com

 

>> The Language Project: auxilia as crianças a aprender inglês e monta bibliotecas em escolas e templos para incentivar a leitura. A maneira de ajudar é doar milhas aéreas para bombar a lista de livros do projeto no www.Amazon.com

 

 

Fonte: Zero Hora/Fernanda Pandolfi (fernanda.pandolfi@gruporba.com.br) em novembro/2018.