Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
5





Partilhe esta Página

                                             

                            

 

 

 


As Pirâmides de Christo Javacheff
As Pirâmides de Christo Javacheff

AS PIRÂMIDES DE CHRISTO

 

Aos 83 anos, o midiático artista instala sua nova megaescultura em Londres. E prepara outra oito vezes maior para Abu Dhabi.

 

Usando um capacete e uma jaqueta cargo, o artista Christo parou sobre uma plataforma acima do Lago Serpentine e viu sua nova criação ganhar vida. Enquanto os patos deslizavam pela água, homens em macacões cor de laranja montavam a instalação, com um guindaste sobre suas cabeças.

 

Até 23 de setembro, THE LONDON MASTABA, o primeiro grande trabalho ao ar livre de Christo na Grã-Bretanha, estará flutuando no meio do lado no Hyde Park. A escultura, uma pirâmide trapezoidal de 7.506 barris pintados e empilhados horizontalmente, é tão alta quanto a esfinge do Egito. Nomeada em homenagem a uma estrutura de teto plano com lados inclinados construída há 6 mil anos na Mesopotâmia (a palavra “mastaba” significa “banco” em árabe), constitui um teste para um trabalho semelhante, mas oito vezes maior, que Christo instalará no deserto de Abu Dhabi.

 

O projeto londrino é menos ambicioso do que outros de Christo, artista de 83 anos nascido na Bulgária e sua mulher, Jeanne-Claude, morta em 2009. Eles já construíram uma cerca de 40 quilômetros no norte da Califórnia e envolveram em tecido a Pont Neuf ,em Paris, e o prédio do Reichstag, em Berlim.

 

Instalar a escultura em Londres, no entanto, não foi fácil. Christo precisou pagar os US$ 4 milhões que o projeto custou sozinho (o que não chega a ser novidade: ele faz isso em outros projetos vendendo objetos de arte). Dinheiro arrecadado, passou um ano em busca das permissões das autoridades locais. A montagem, em si, durou dois meses e meio.

 

- Cada trabalho nosso é como uma expedição, algo incrivelmente revigorante. Adoro estar aqui com os trabalhadores. Gosto desse processo. Essa jornada é incrível, é inesquecível – disse o artista em uma entrevista.

 

Os materiais para fazer a escultura foram transportados por mais de 70 caminhões. O sobrinho de Christo, Vladimir Yavachev, que supervisiona todos os projetos públicos ao ar livre do artista, parecia pouco preocupado.

 

- Christo tem um grande senso de engenharia – justificou.

 

Yavachev, que trabalha com o tio desde 1991, relata, bem-humorado, que eles brigam muito, mas que “é mais fácil trabalhar com a família, porque você pode gritar com o chefe”.

 

THE LONDON MASTABA repousa sobre uma plataforma flutuante ancorada no leito do lago. Está coberta com uma armação de andaimes de aço nos quais os barris estão presos. A obra faz parte do programa de verão das Serpentine Galleries e pode ser vista junto a uma exposição de esculturas, desenhos e colagens sobre o trabalho de Christo.

 

O diretor artístico das Serpentine, Hans-Ulrich Obrist, diz que abordou Christo após ver a instalação FLOATING PIERS, de 2016, no lado Iseo, na Itália, na qual, calçadas feitas de tecido foram dispostas sobre a superfície da água. As conversas começaram, e Chrisco viajou para Londres. Em uma caminhada pelo Hyde Park, “ele apontou para o local onde a escultura ficaria”, conta Obrist, lembrando a determinação do artista em montar uma mastaba flutuante, “uma forma pela qual é obcecado há muito tempo”.

 

Christo nega que a grandiloquência seja sinal de um ego superdimensionado.

 

- Há muito humor no meu trabalho – afirma. - Minhas obras são muito simples e não são intimidadoras.

 

Mas fazê-las acontecer é sempre um exercício de alto risco, acrescenta.

 

RUNNING FENCE – que ficou montada por duas semanas, em 1976, nas propriedades privadas de 59 ranchos californianos – exigiu 42 meses de discussões, 18 audiências públicas e três sessões dos tribunais da Califórnia. Alguns oradores se ressentiram da cerca, então as máquinas de Christo foram destruídas e houve ameaças de bombas contra a instalação.

 

- Precisávamos ter um avião sobrevoando sempre – conta.

 

O projeto de embalar a Pont Neuf quase fracassou quando o prefeito de Paris tentou revogar uma concessão que o artista tinha conseguido para a obra. O projeto do Reichstag envolveu testes prévios em um castelo e em um galpão de avião, guarda-costas para Christo por causa das ameaças de morte que sofreu e uma votação parlamentar pedida pelo principal adversário do projeto, o chanceler alemão Helmut Kohl. THE LONDON MASTABA não enfrentou nada nem semelhante a esses problemas.

 

Agora, a próxima grande novidade para Christo é a MASTABA DO DESERTO. Ele ainda não tem certeza se o projeto poderá se materializar, mas diz:

 

- Estamos avançando.

E prossegue:

- Espero viver para ver que esse projeto aconteceu. Isso é o que é mais importante, que ele aconteça.

 

 

Fonte: Zero Hora/Caderno Doc/Farah Nayeri/The New York Times em 22/07/2018.