Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
4





Partilhe esta Página

                                             

                            

 

 

 


Arte na Serra da Leba em Angola
Arte na Serra da Leba em Angola

NARRATIVA ÉTNICA EM CORES

 

Brasileiro lança documentário sobre intervenção de grafite na Serra da Leba em Angola

 

 

Rodado na Angola e dirigido por um brasileiro, Juca Badaró, AS CORES DA SERPENTE é um registro afetivo sobre a história do Coletivo Murais da Leba, a maior intervenção de grafite da África na estrada histórica com cerca de 20 quilômetros. Os realizadores procuram promover com o filme a compreensão das motivações dos 27 artistas visuais participantes, caracterizando a produção como um documentário poético. “É documental, mas também explora a força das imagens dos grafites, da própria beleza natural da Serra da Leba e da luz de Angola”, completa o diretor. Alguns grafiteiros tiveram câmeras em suas mãos e puderam colaborar também com o processo do filme.

 

 

Formação montanhosa que separa as províncias da Huíla e do Namibe, a região tem um histórico de 30 anos vividos em guerra. Buscando se relacionar com sua tradição e ancestralidade, um grupo de grafiteiros angolanos pintou os mais de seis mil metros quadrados dos paredões. O feito foi realizado entre agosto e novembro de 2015. No ano passado, os grafiteiros baianos Antonio Ganzala, Ananda Santana e Eder Muniz partiram de uma nova pintura no mural, por meio do projeto África e a Diáspora – Novas Conexões.

 

 

A rodovia começou a ser construída pelos portugueses no final do século XIX e só foi concluída às vésperas da independência de Angola, em 1974. Tornou-se um dos mais conhecidos pontos turísticos do país. “A Serra da Leba é chamada pelos seus moradores de serpente. Em um final de tarde, depois de um exaustivo dia de gravação, enquanto descíamos a estrada, vi da janela do carro os paredões pintados que serpenteavam a serra. O sol batia nas paredes, enchendo tudo de muitas cores. Naquele instante, pensei numa serpente colorida, cravada nas rochas. O título veio nesse momento”, conta Badaró.

 

TRAILER: https://www.youtube.com/watch?v=zGi0HA15JkI

 

Fonte: Jornal do Comércio/Cinema/Caroline da Silva em 24/03/2019