Translate this Page




ONLINE
12





Partilhe esta Página

                                            

                            

 

 

 


Fadas no Armário, de Claudia Tajes
Fadas no Armário, de Claudia Tajes

FADAS NO ARMÁRIO

 

Não anda parecendo que o mundo entrou em uma máquina do tempo? Dependendo do discurso ou da cena, a impressão é de que se andou algumas décadas para trás.

 

Programas de televisão que se parecem com os que a minha avó assistia. Alguns conceitos superados desde antes da minha infância, e olha que já tem mais de meio século de experiência neste corpo aqui. Milhões de pessoas de volta à pobreza. Florestas e reservas queimando como em eras pré-ecologia. Isso tudo fora um vírus que lembra pestes passadas.

 

Eita, 2020. Pelo menos, está quase terminando.

 

Umas das curiosidades demodê - se é possível chamar assim - dos últimos dias foi o lançamento de uma coleção de quarenta livros chamada CONTA PRA MIM. O objetivo é nobre: "um programa de leitura voltado a todas as famílias brasileiras, tendo por prioridade aquelas em condições de vulnerabilidade socioeconômica".

 

A iniciativa é da Sealf, Secretaria de Alfabetização, vinculada ao MEC. Os livros são digitais e estão disponíveis para download gratuitamente.

 

Até aí tudo lindo.

 

O curioso, se é possível chamar assim, é que os responsáveis pela coleção decidiram reescrever os contos de fadas, acreditando que as crianças do Brasil não estão preparadas para saber a verdade sobre Chapeuzinho Vermelho, Branca de Neve e João e Maria.

 

Crianças que estão na frente da TV na hora de qualquer novela ou telejornal. Que conhecem videogames e internet. E que, se não tiverem acesso à internet, também não terão aos livros, já que eles são digitais.

 

Mas vamos à coleção lançada pelo Ministério da Educação. O ministro é terrivelmente religioso, como se sabe. Há poucos dias o presidente exultava: quando o Brasil imaginou que teríamos um pastor no MEC? Verdade, a gente sempre gostou de professores pensando a educação.

 

O idealizador da coleção CONTA PRA MIM segue os preceitos olavistas, que não merecem aparecer em uma leitura de fim de semana. E como essa corrente gosta de versões diferentes para fatos tão clássicos quanto a esfericidade da Terra, surgiram esses contos de fadas tipo remix.

 

A mãe de João e Maria era tri boazinha e largou os filhos na floresta para eles darem um passeio. Branca de neve não beijou o príncipe, menina-moça não se atreve a isso. o Lobo Mau não foi morto pelo caçador, ele só caiu no rio e deve ter ido para a outra margem. E por aí vai.

 

Com tanta coisa urgente esperando, tanta demanda educacional acumulada por conta da pandemia, e o pessoal se preocupando com a vida sexual da Cinderela. Aí a gente lembra de FADAS NO DIVÃ, o livro que Diana e Mário Corso publicaram há alguns anos, e cai uma lágrima. Sério que isso está acontecendo?

 

O perigo dessas versões é, daqui a pouco, alguém decidir reescrever os livros de história para que as crianças nunca saibam, coitadinhas delas, sobre a escravidão, a tortura, a desigualdade e essas coisas todas que deixam o passado - e o presente - menos bonito. Daqui a pouco, inclusive, a cegonha voltará às aulas de educação sexual.

Esquece, essa matéria já deve até estar fora do currículo.

 

Por via das dúvidas, é melhor continuar espalhando por aí a versão de Rapunzel que as nossas mães nos contaram. Mal não faz e ainda garante um pouco de fantasia.

 

A criançada merece.

 

 

Fonte:  Zero Hora/Revista Donna/Claudia Tajes (claudiatajes@gmail.com) em 18/10/2020