Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
11





Partilhe esta Página

                                             

                            

 

 

 


Henrique Mann, entre Fados e Serestas em Coimbra
Henrique Mann, entre Fados e Serestas em Coimbra

ENTRE FADOS, SERESTAS E HISTÓRIAS

 

Henrique Mann traz surpresas das pesquisas realizadas em Coimbra.

 

Decidido a desenrolar o novelo que liga ancestralmennte o fado à música brasileira, o músico e pesquisador gaúcho Henrique Mann está desde domingo passado pela quarta vez em Coimbra, para complementar as pesquisas que faz desde 2011. Ao lado da esposa, a professora de História Leandra Vargas, ele já vinha estudando o fado de uma maneira geral, com mais foco na história do gênero em Lisboa, mas ao conhecer o fado de Coimbra percebeu que havia muita diferença entre os dois.

 

- Me interessei em saber que diferença era aquela e fui conversar com experts, como o reverenciado maestro Virgílio Caseiro e o historiador António manuel Nunes, maior autoridade portuguesa em música de Coimbra – conta Mann. - Aliás, lá não é usada a denominação “fado”. Todos a definem como “canção de Coimbra”.

 

A partir das entrevistas e da leitura de livros desses mestres, entre outros, Mann foi informado da ligação da pianista e maestrina carioca Chiquinha Gonzaga (1847 – 1935) com músicos de Coimbra. E a certa altura da pesquisa, aqui e lá, surgiu uma revelação que espantou os próprios portugueses: algumas letras de músicas populares, tidas como do folclore ou de autor desconhecido, eram poemas do também carioca Casimiro de Abreu (1839 – 1860)), filho de um lusitano e uma brasileira. Essa é uma das histórias inéditas que estarão no livro de Mann e Leandra, cujo título provisório é O FADO, A SERESTA E A CANÇÃO DE COIMBRA. Pois é, a seresta, uma secular tradição brasileira, seria interessante ver como entra a história. Mas ele prefere não antecipar. Um terço do texto já está no computador, lançamento provável em 2018.

 

Henrique Mann diz que seu lado de pesquisador, talvez influenciado por Leandra e pela mãe dele, também professora de História, veio à tona quando materializou o que chama de “enciclopédia”: a coleção de 30 fascículos SOM DO SUL – A HISTÓRIA DA MÚSICA DO RIO GRANDE DO SUL NO SÉCULO XX, lançada em 2002 – e em formato de livro no ano seguinte. O trabalho, com as biografias essenciais de mais de cem nomes, entre outras informações, é visto por ele como um dos mais importantes de sua trajetória.

 

- Ganhei dois prêmios Açorianos diferentes pela mesma obra, o de Literatura e o de Música. Ainda hoje me procuram de todos os lados querendo saber onde encontrar. No interior, rádios pautam sua programação com os fascículos, pois neles estão as datas principais envolvendo vida e obra desses artistas.

 

Faltou um nome no SOM DO SUL: o de Henrique Mann, que insiro agora, quando o lançamento completa 15 anos. Também em 2017, seu primeiro disco, QUINTANARES, comemora 30 anos, e o segundo, PORTO ALEGRE BOÊMIA, 20. Além desses, tem o volume 2 de PORTO ALEGRE BOÊMIA (1998) e NORTE IN SUL (2002), mais os livros MPB EM DEBATE (1991) e RETRATOS DA VIDA BOÊMIA (1995). Tocou na noite de 1979 a 1996, passou pela maioria dos bares com música ao vivo cantando só música boa de todos os gêneros. Foi coordenador de Música da Secretaria da Cultura de Porto Alegre de 2005 a 2007, criando projetos como Sons da Cidade e Encontrabanda. Hoje está em Portugal, onde já deu aulas sobre música brasileira. O projeto é ficar dois meses. Mas tem sérios planos de viver na Europa. Se for, perderemos um artista culto, versátil e generoso.

 

 

Fonte: ZeroHora/Paralelo 30/Juarez Fonseca (juafons@gmail.com) em 06/10/2017.