Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
11





                                              

                            

 

 

 


Um Tributo Cinéfilo
Um Tributo Cinéfilo

UM TRIBUTO CINÉFILO.

 

O longa-metragem brasileiro “O Último Cine Drive-In” chegou aos cinemas alguns dias após ter recebido quatro Kikitos no Festival de Cinema de Gramado 2015:  melhor Atriz Coadjuvante para Fernanda Rocha, Melhor Ator para o estreante maranhense Breno Nina, Direção de Arte e Júri da Crítica.  A história, dirigida por Iberê Carvalho (DF), acompanha um filho (Nina) que leva a mãe, Fátima (Rita Assemany), a Brasília, para um tratamento de saúde em um hospital.

No desenrolar deste drama, ele vai reencontrar o pai, Almeida (Othon Bastos), dono do último cine drive-in do Brasil.  E encontra o espaço ainda funcionando, mas em seus últimos suspiros.  Almeida insiste em manter vivo este tipo de cinema que já não atrai mais espectadores como na década de 70.  Com a ameaça de demolição do local e o agravamento da doença de Fátima, pai e filho precisam resolver questões do passado para arrumar o Cine Drive-In para uma visita de Fátima, que manifesta o desejo de vê-lo.

O drama é repleto de referências à história do cinema, seja por filmes antigos, seja em cartazes, latas de película, projetores e até o nome do protagonista:  Marlombrando – escrito assim mesmo, em alusão ao ator Marlon Brando (1924-2004).  Não apenas os espaços destinados à audiência ao ar livre ou em carros estão em crise, mas a história nos faz lembrar de muitas salas de cinema de rua que também tiveram um fim melancólico.  As formas mais recentes de se assistir a um filme, seja na televisão ou seja em streaming, se sobrepõem, com tecnologias cada vez mais apuradas, ao coletivo de ir ao cinema.  Tudo isso carrega o filme com um ar nostálgico.  A doença da mãe, que se revela terminal, serve como metáfora para este encerramento de ciclo.

O júri da Crítica de Gramado justificou da seguinte forma o seu prêmio, ressaltando “a singeleza com que aborda o poder transformador do cinema, tanto como linguagem quanto como ritual”.  O filme pode não ter inovações ou arroubos em termos de roteiro, mas sua narrativa busca o diálogo com o público e passeia entre o drama e a comédia, resgatando uma forma de exibição cinematográfica.  Dentro desta proposta, ficou perfeita a escalação de Othon Bastos, um ator icônico do cinema nacional desde que atuou em filmes como “Deus e o Diabo na Terra do Sol”, de Glauber Rocha (1964).  É um filme-homenagem.

 

Fonte:  Correio do Povo/caderno de Sábado/Adriana Androvandi-22/08/2015.