Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
11





                                              

                            

 

 

 


Ralé, filme de Helena Ignez
Ralé, filme de Helena Ignez

A RALÉ TRANSGRESSORA DE HELENA IGNEZ

 

ATRIZ E DIRETORA REÚNE ELENCO COM NEY MATOGROSSO E JOSÉ CELSO MARTINEZ CORRÊA EM FILME INSPIRADO EM PEÇA DE GORKI.

 

Musa do cinema de invenção brasileiro, ex-mulher de Glauber Rocha (1939 – 1981) e viúva de Rogério Sganzerla (1946 – 2004), a atriz Helena Ignez vem se firmando como realizadora fiel a suas origens artísticas transgressoras.  A estrela de clássicos como O PADRE E A MOÇA (1966), O BANDIDO DA LUZ VERMELHA (1968) e A MULHER DE TODOS (1969) está de volta à direção com RALÉ, em cartaz na Capital na Sala P.F.Gastal.  vencedor do Prêmio de Melhor Direção no 23º Festival Mix Brasil de 2015, RALÉ é livremente inspirado na peça teatral homônima escrita pelo russo Maxim Gorki (1868 – 1936).

 

- O que me atraiu no texto do Gorki foi a qualidade da narrativa e a variedade de personagens reunidos em uma casa.  O primeiro trabalho que fiz para o roteiro de RALÉ era bastante fiel ao autor.  Fiquei com ele uns dois anos.  Nesse meio tempo, fiz o média-metragem PODER DOS AFETOS (2013), com parte da equipe e do elenco que estariam no longa.  O roteiro foi então reescrito, propondo um filme dentro do filme.  O que restou de Gorki foi uma homenagem a ele e aos personagens.  Fiz uma outra ralé – explica Helena em entrevista por telefone a Zero Hora, no dia da reestreia em São Paulo de PESSOAS SUBLIMES, espetáculo do grupo Os Satyros no qual atua.

 

A história de RALÉ começa em São Paulo, desloca-se para a Amazônia e se encerra de novo na metrópole.  No lugar dos párias confinados em um albergue do texto russo, os excluídos do longa brasileiro são artistas, gays e feministas que vivem e trabalham à margem de uma sociedade que não os aceita.  O núcleo em torno do qual gravitam músicos, criadores e uma trupe de atores é a fazenda do Barão (Ney Matogrosso), onde está sendo rodado A EXIBICIONISTA, filme libertário protagonizado por uma atriz interpretada por Simone Spoladore e que cita o clássico COPACABANA MON AMOUR (1970), de Sganzerla – com helena revivendo brevemente sua antológica personagem Sônia Silk.

 

- Sônia Silk encarna o símbolo da vadia.  Se ser vadia é ser livre, somos todas vadias.  Rogério Sganzerla fazia cinema de invenção, que é uma definição melhor do que cinema marginal.  Ele foi um companheiro que pensava o cinema de forma política, aguda e poética.  Percebi que existia ali um cinema extremamente inventivo – relembra a diretora de CANÇÃO DE BAAL (2007).

 

Entre os convidados do casamento do Barão com o bailarino Marcelo (Roberto Alencar), estão uma jovem atriz vivida por Djin Sganzerla (filha da diretora), um músico e poeta (Mário Bortolotto) e o encenador José Celso Martinez Corrêa.

 

- O Ney Matogrosso disse que só eu consigo obriga-lo a fazer certas coisas, como, por exemplo, casar (risos).  Existe uma confiança muito grande dele para comigo – conta Helena, que já havia dirigido o cantor antes em LUZ NAS TREV AS: A VOLTA DO BANDIDO DA LUZ VERMELHA (2010) e PODER DOS AFETOS.

 

TRAILER:  https://www.youtube.com/watch?v=xVxIRIMhQL8

 

 

 

Fonte:  Zero Hora/Roger Lerina (roger.lerina@zerohora.com.br) em 10 de julgo de 2016.