Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
12





                                             

                            

 

 

 


Alcateia
Alcateia

ALCATEIA

 

“What is the face of a coward?  The back of his head, as he run of a battle…”

Frank Underwood – House of cards

 

Ecoou na mídia mundial e repercutiu com estrondo nas redes sociais: dono de uma das mentes mais brilhantes de nosso tempo, Umberto Eco, o medievalista e grande semiólogo, disse simplesmente que “a internet deu voz a uma multidão de imbecis”.

O assunto da palestra na Universidade de Torino era a crise do jornalismo e a dominância dos novos meios de comunicação.  Havia, portanto, um contexto claro, um recorte específico, mas isso passou quase despercebido por milhares de leitores e ouvintes apressados, que dispararam críticas e xingamentos ao autor, o que, ironicamente, só confirma sua frase polêmica.

Eco não ataca o caráter das pessoas que todos os dias emitem opiniões definitivas sobre os mais variados e complexos assuntos, apenas lembra que é uma simples questão de lógica aceitar que existe uma multidão de imbecis em um planeta com mais de 7 bilhões de pessoas.  O escritor se vale de um personagem de Jorge Luis Borges para definir o militante da internet – Funes, o memorioso, que lembra tudo, nada esquece, mas nada analisa.

A verdade é que, atualmente, é difícil filtrar ou analisar a enxurradas de informações que nos chegam a cada minuto que abrimos o laptop ou o smartphone.  O fato é que o uso intensivo da internet exige discernimento, uma expertise que nem todos adquiriram.  O pensamento crítico deveria ser disciplina obrigatória nas escolas e faculdades.  Atribuição do Estado?  Duvido.  Talvez a solução esteja na reinvenção do jornalismo a partir de uma de suas premissas originais:  a apuração criteriosa da informação educadora.

Volto a Eco:  desconfio que os imbecis a quem ele se refere são aquelas pessoas que fazem coraçõezinhos com os dedos mas não hesitam um minuto em agredir verbalmente e de forma gratuita um desconhecido.  Afinal, o sujeito pode ser um bom pai e chefe de família, funcionário exemplar na empresa, mas, no convívio da multidão de outros anônimos, é capaz de agir como um selvagem paleolítico.

Aliás,  a internet está repleta de feras, muitas se escondem atrás de perfis falsos, como lobos em pele de cordeiro, outras, envaidecidas com a plateia, vão à loucura em um delírio exibicionista que não conhece limites.  A convite deste jornal, há alguns dias, fizemos, o escritor Fabrício Carpinejar e eu, depoimentos sobre a decisão da Suprema Corte Americana de liberar o casamento gay nos Estados Unidos.

Os vídeos (zhora.co/videolovewins) bombaram nas redes e, mesmo tendo como base nada mais nada menos do que a Declaração de Direitos Humanos e sem portar nenhuma bandeira, provocaram a alcateia.  Chama a atenção como, mesmo apressadas, ansiosas e incapazes de ir além do título, as pessoas encontraram tempo para expressar sua ira “dita sagrada”.

Segundo o sociólogo Manuel Castells, “a internet não cria, só amplifica”.  Neste caso, amplificou “vivas” e “bravos”, mas também as habituais e covardes doses de ódio e homofobia patrocinadas pelo seguro ambiente do anonimato.

São muitas as facetas da nossa impressionante selva online, por exemplo, a tendência das pessoas de se preocuparem muito mais em registrar e publicar o que estão vivendo, do que efetivamente viverem o que estão registrando, está se tornando uma obsessão coletiva.  Outro dia, um cidadão – até então – acima de qualquer suspeita, ao presenciar um brutal acidente de trânsito, sacou o celular e passou a filmar vítimas agonizantes.  Chegou ao ponto de abrir uma das portas do carro para conseguir um melhor ângulo.  Tragicamente não houve sobreviventes e o “cinegrafista” foi preso por omissão de socorro.

Certamente, não sem antes fazer uma selfie.

Sob uma perspectiva otimista, entendo que as barbáries e futilidades presentes nas redes sociais são manifestações de uma sociedade diversa e que, mesmo assustadoras, prestam um bom serviço: revelam covardes e imbecis.

Aos demais, cabe o exercício fundamental da tolerância, única forma possível de convivência.

 

Fonte:  Flávia Moraes/Cineasta(flavia.moraes@gruporbs.com.br)

             Jornal Zero Hora/26/07/2015