Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
11





Partilhe esta Página

                                             

                            

 

 

 


Ideologia de Gênero na Educação
Ideologia de Gênero na Educação

EDUCAÇÃO E RESPEITO

 

É uma cruzada de mal educados a que ora hostiliza a educação. Suas duas bandeiras, o ataque ao que chamam de “ideologia de gênero” e a agressão de políticos contra a escola, agremiam bárbaros que atacam o que não têm e nos colocam mais um desafio: educar a quem hostiliza a educação. Não há outra saída, pois não se pode querer vencer com luta campal a quem quer queimar bruxas, combater livros, censurar a arte, manietar docentes e promover o ódio. Mesmo que os mal educados, hoje muito petulantes, provoquem e peçam umas palmadas e cantinho do castigo, o antídoto será dar-lhes aquilo de que carecem: educação, serenidade, humor e amor.

 

Eis mais uma cena patética deste filme surreal a que ora assistimos, o Brasil atual: na semana em que crianças se divertiam com fantasias de monstros, fantasmas e bruxas, outros monstros reais, sem fantasia mas com muita fantasmagoria, fizeram boneco de vudu para queimar como bruxa uma educadora e filósofa, Judith Butler, que visitou o país para falar de paz. Foi diante de um centro cultural de primeira qualidade, o Sesc Pompeia, em São Paulo. Vergonha internacional. E mais uma foto mórbida para nossa galeria de horrores.

 

O que chamam de “ideologia de gênero” é o estandarte de gente paranoica, o fantasma agressivo de quem não tem informação e o grau mínimo da dignidade, qual seja, a capacidade de respeitar o outro. Afinal, é disso que trata o estudo das relações sociais mediadas por questões de gênero e sexualidade: de conhecimento e respeito, e da busca de soluções educadas para o convívio social harmônico. Sabemos dos traumas individuais e sociais causados pelo preconceito e pela intolerância, e sabemos da qualidade do antídoto, capaz de superar com eficiência a essas violências desnecessárias: sensibilidade e civilização.

 

Onde há caça às bruxas, o problema real não é a existência de bruxas, mas de gente perturbada que quer caçar o que não existe. Nesse caso, como no do ataque politiqueiro às escolas, moralistas hipócritas assustam a sociedade com mentiras e agressões. Podem enganar a alguns, com sua aparente moralidade, que mal dissimulam imorais agressores da cultura, ou com nomes insidiosos, que declaram o oposto do que são, como aquele movimento que põe políticos ignorantes dentro das escolas, para eles, no estranho mundo da educação, e dizem fazer o inverso do que cometem: levam partidos e ideologias ruins para a escola. Criam novos problemas, atacam a civilização e roubam-nos tempo e energia que seriam melhor empregados para enfrentarmos os reais problemas da educação, ainda graves e urgentes.

 

No século III d.C. viveu no Império Romano o biógrafo erudito Diógenes Laércio, autor de VIDAS E DOUTRINAS DOS FILÓSOFOS ILUSTRES, um ótimo guia para a filosofia antiga. É dessa obra frase atribuída a Sócrates: só há um bem, o conhecimento, e um mal, a ignorância. Em grego, episteme (ciência, conhecimento elaborado) ou amathia (falta de aprendizado). Há séculos a humanidade enfrenta esse jogo insólito, em que os que apostam na ignorância perdem pelo que são e os que apostam no conhecimento ganham pelo que ainda poderemos ser, melhores e mais felizes.

 

Fonte: ZeroHora/Francisco Marshall /Historiador, arqueólogo e professor da UFRGS (marshall@ufrgs.br) em 12/11/2017.