Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
5





                                              

                            

 

 

 


Vidas Severinas
Vidas Severinas

VIDAS SEVERINAS

 

“MORTE E VIDA SEVERINA”, poema épico de João Cabral de Melo Neto, tem trajeto refeito em especial de TV.

 

Pernambucano radicado há 20 anos em Brasília, o repórter da Globo, Gerson Camarotti por muito tempo alimentou o desejo de voltar aos cenários de sua infância e juventude imortalizados pelo escritor João Cabral de Melo Neto (1920-1999) no poema épico Morte e Vida Severina, lançado em 1955.  Ao lado da diretora Cristina Aragão, Camarotti refez o trajeto do personagem Severino, um retirante que foge da seca e da fome no sertão de Pernambuco percorrendo a Zona da Mata rumo a Recife.  O poema descreve, no caminho guiado pelo rio Capibaribe, um sofrido painel social e geográfico que se tornou referencial na cultura brasileira.

O especial Morte e Vida Severina – 60 anos Depois, que foi exibido no canal GloboNews, é o resultado da jornada de 1,4 mil quilômetros vencidos em duas semanas pelos jornalistas e uma equipe de três pessoas – a narração é do ator pernambucano Jesuíta Barbosa.

- É o projeto da minha vida – diz Camarotti. – Queria ver qual a realidade hoje no cenário descrito no poema.  Não vimos fome, a mortalidade infantil foi reduzida e também não encontramos o trabalho infantil que eu registrava quando era repórter regional 20 anos atrás.  Mas a falência da monocultura da cana de açúcar e o fechamento dos grandes engenhos geraram um processo de exclusão.  E se tornou grave a questão ambiental.  O Capibaribe, que sofria com a seca, agora sucumbe à poluição.

 

        

 

Carioca que bem arcou no projeto com “o olhar estrangeiro”, Cristina destaca que ocorreu um espécie de inversão de realidades:

- Conversamos com 40 pessoas e fomos indagando sobre como vivem e suas expectativas.  Percebe-se melhorias na qualidade de vida no sertão profundo, onde casas passaram a contar com cisternas, amenizando o drama da falta de água.  Ainda existem as “viúvas da seca”, mulheres que assumem o sustento da família quando os homens buscam emprego em outros Estados.  Por sua vez, a região dos manguezais de Recife se deteriorou nos aspectos social e ambiental, com pessoas vivendo sobre palafitas em meio ao lixo.

Cristina destaca a mudança no perfil da população mais jovem:

 

- É uma geração que vê na educação a chance para mudar sua realidade.  Em Ouricuri, no sertão, encontramos um filho de vaqueiro que se formou engenheiro agrônomo.  Na Zona da Mata, uma menina de 15 anos, filha e neta de cortadores de cana, cursa o Ensino Médio e deseja estudar Medicina.

O texto de Morte e Vida Severina que lhe é tão familiar, ressalta Camarotti, materializou-se em trechos da jornada:

- Cruzamos com dois coveiros que tinham diálogos tão fortes como os coveiros que Severino encontra no final de sua viagem.

 

 

      

 

MARCO DA CULTURA BRASILEIRA

Publicado em livro em 1955 e com diversas reedições, Morte e Vida Severina ganhou montagens nos palcos em 1958, pelo grupo Norte Teatro Escola do Pará.  A estreia no centro do país foi em 1960, pelo Teatro Experimental Cacilda Becker, em São Paulo.  Em 1965, Chico Buarque musicou o poema para a montagem do Teatro Tuca, da PUCSP.

Morte e Vida Severina virou filme em 1977, dirigido por Zelito Viana e com José Dumont no papel de Severino.  Dumont repetiu o trabalho na minissérie da Globo exibida em 1981 e vencedora do prêmio Emmy Internacional.

Em 2010, o diretor Afonso Serpa apresentou a versão em desenho animado do poema, a partir do trabalho do artista gráfico Miguel Falcão.

Morte e Vida Severina – 60 anos Depois, foi exibido no Canal GloboNews em 24/10/2015 e posteriormente disponibilizado no serviço sob demanda GloboNews play.

 

Fonte:  ZeroHora/Marcelo Perrone (Marcelo.perrone@zerohora.com.br) em 24/10/2015