Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
12





                                              

                            

 

 

 


Vestígios do Futuro de Dario Caldas
Vestígios do Futuro de Dario Caldas

COMPORTAMENTO

 

É PRECISO TIRAR OS VÉUS DA NOSSA ÉPOCA”.

 

Em VESTÍGIOS DO FUTURO, sociólogo Dario Caldas analisa tendências como a infantilização social e a estetização do cotidiano.

 

O narrador está no futuro e olha para os 17 anos do século XXI recolhendo pistas e projetando o que nos espera adiante. Fala da pós-verdade como se fosse fenômeno de ontem, discute os “digital influencers” como se pertencessem a uma década passada e desenha um cenário nem fofo nem apocalíptico, mas corajoso diante do espírito do tempo, em que tudo parece fugidio, banal e obsoleto.

 

O analista de tendências já deve ter esse distanciamento crítico, Eu quis ampliar essa perspectiva colocando o presente no passado e o futuro no presente. É uma forma de medir o exagero, o que está fora de frequência, o que é ideológico e os pontos de vista equivocados”, diz o sociólogo Dario Caldas, autor de VESTÍGIOS DO FUTURO – ESTILOS DE VIDA, CONSUMO E TENDÊNCIAS (Observatório de Sinais, 160 páginas).

 

A publicação da sua consultoria em inteligência estratégica, a Observatório de Sinais, marca os 15 anos da trajetória de pesquisa e análise de comportamento e consumo para empresas que começou e segue “apadrinhada” pelo filósofo francês Gilles Lipovetsky. Para este livro ele diz ter como referência MITOLOGIAS, de Roland Barthes (1915-1980), em que o autor segue interpretando os objetos e os fatos da década de 60 como mitos. “É preciso tirar os véus da nossa época!,diz.

 

É sua contextualização que permite clarear como chegamos até aqui e para onde vamos. Dario Caldas parte, por exemplo, das formas de silicone que dão aparência de cara de gato a ovos fritos, da febre do “toy art” e dos chaveiros de personagens em bolsas e mochilas para mostrar que a infantilização social é apenas uma camada do que chama de estética da fofura, “uma das configurações mais peculiares da modernidade tardia”.

 

A fofice começou com o movimento de esterilização do cotidiano e o surgimento do consumidor-artista “em busca da beleza e de experiências sensoriais que conferissem ao mundo uma camada extra de significado”. Nos anos 2000, dos produtos mais banais até edificações passaram a ser assinados por estilistas e artistas, e o design teve seu boom ao se tornar um campo profissional popular e multiplicado em microdisciplinas: designer de bolo, de sobrancelhas, de viagens, etc.

 

A democratização da estética para outras faixas de renda ampliou as concepções de “belo”, mas todas tinham o denominador comum de “tornar o mundo mais habitável, mais lúdico, mais poético – ou, por que não, mais fofo, como os ovos fritos com formato de gatinho”. Casais “felizes para sempre” em selfies açucaradas, emojis, palavras “pias” para exprimir sentimentos elevados: a fofura se tornou expressão das redes sociais, “confundindo-se com a estética dominante”.

 

O “apogeu” foi o surgimento dos “cute studies” na área acadêmica, e pesquisas da neurociência mostraram que imagens e mensagens fofas liberavam dopamina no cérebro e produziam sensações de prazer. A fofice, diz, invadiu a robótica, transformando máquinas em mascotes. E o que seria, como ele chama, o “paroxismo da fofura”? A premiação de “melhor branding urbano” ao “skyline” de Dubai, com seus “contornos de um camelo estilizado que lhe servia de mascote e se tornara mania internacional, com 140 milhões de fãs ativos no Instagram”.

 

Outro tema em que se debruça é a idealização do coletivo e até o temos do “apagamento do indivíduo” dentro de um grupo social. “Um dos fios condutores do livro é a emergência do individualismo. Esta é a era da interpretação em que tudo é relativo, fragmentado, e não sobra nem a verdade. Cada um faz suas leituras e estabelece suas balizas”, afirma. “O indivíduo vai se liberando das instituições até estar pronto para encontrar e fazer parte de seus grupos de interesse. Desta forma, o colaboracionismo é um mito que não explica o presente.”

 

Nesse exercício de relativização do que foi, é e será, o livro se torna um guia para qualquer planejador estratégico criativo ou programador da máquina que aprende a pensar, uma vez que há perguntas ainda a serem feitas e respostas a serem dadas. Sua “arqueologia de tendências” pretende demonstrar que “na vida como na morte tudo não passa de uma questão de ênfase e de interpretação”.

 

A inteligência artificial é a bola da vez, é disruptiva. É uma ferramenta imensa de captação e organização de dados. Há analistas ganhando fortunas para traduzir esse fluxo em eficiência”, diz. “Mas ainda cabe a nós gerar os insights, entender as camadas, encontrar os sinais e relacionar as tendências de setores diferentes e proporcionar o elemento surpresa, o humano. O conhecimento não é um download.”

 

Assim, as investigações de Dario Caldas não se encerram no livro. Seguem quase – numa brincadeira com o entendimento de contemporâneo - “em tempo real”. Lançou em novembro seu mais recente estudo (Você, Cidadão), em que pesquisou como os cidadãos dos 35 aos 59 anos se comportam em relação a consumo, ética, política e mídia.

 

Há constatações interessantes para uma época na qual se acredita que o engajamento nas redes traduz pensamento dominante. Para seus entrevistados, ética é uma questão central, mas não significa “abraçar causas”. “Não é que esse consumidor brasileiro não apoie as empresas que cuidem dos animais. Mas essa não é a prioridade para a maioria. Ética para elas é outra coisa. É honestidade, é o produto autêntico, é receber pelo que pagou,´é ter o que foi combinado.”

 

Seria essa uma particularidade local, como que um estágio anterior na formação da atitude do consumidor? Afinal receber pelo que se pagou não é o básico para ser entendido como ética? “Eles sabem brigar pelos seus direitos, já têm a compreensão de como proceder – Procom, Anatel, etc. A questão é a desconfiança nas marcas. Os sinais apontavam para o marketing de propósito como ‘a’ resposta para esse momento, e as empresas precisam repensar isso”.

 

Fonte: Revista Valor/Angela Klinke/SP em 15/12/2017.