Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
10





                                              

                            

 

 

 


Uma Temporada no Escuro de Karl Ove Knausgard
Uma Temporada no Escuro de Karl Ove Knausgard

A COMPLICADA INICIAÇÃO DE KARL OVE KNAUSGARD

 

UMA TEMPORADA NO ESCURO (Companhia das Letras, 496 páginas, tradução de Guilherme da Silva Braga) é o quarto volume – de um  total de seis – da série autobiográfica MINHA LUTA, do consagrado autor norueguês Karl Ove Knausgard, que hoje faz parte do star system literário mundial e esteve na última Flip, em Paraty.

 

Por ter rompido as amarras da ficção, pela criatividade, pelo alto grau de confessionalismo e pelo impacto de tamanho amazônico que já causou pelo mundo, com prêmios importantes e edições em vários países, Knausgard tem sido chamado de antiproust ou Marcel Proust Nórdico.  Cada leitor poderá decidir como quer qualificar o escritor que nasceu em Oslo em 1968, estudou literatura na Universidade de Bergen e hoje vive em Malmo, na Suécia, com a mulher e os filhos.

 

UMA TEMPORADA NO ESCURO trata da vida de Knausgard quando ele, aos 18 anos, tinha acabado de se formar e foi para uma vila de pescadores no Norte da Noruega dar aulas a adolescentes pouco mais jovens que ele.  Aquele ano fora de casa era desculpa para juntar um dinheirinho, viajar e começar a se dedicar à escrita.

 

Quando o inverno e aquela escuridão do Ártico chegam, o escritor principiante, pressionado pelo mundo exterior, atrapalha-se com sua perda de virgindade e enfrenta as primeiras agruras de quem pretende produzir uma obra extraordinária.  O fracasso da virilidade e as dificuldades sociais levam Knausgard ao consumo excessivo de álcool, e aí a escuridão exterior e interior toma conta.

 

O volume tem sido considerado o mais rápido e engraçado dos seis da famosa série autobiográfica de Knausgard e tem o ritmo da palavra escrita no diário do jovem Karl de 18 anos: rock n’ roll.  Jeffrey Eugenides, autor de As Virgens suicidas, escreveu no New York Times que o espírito do livro é o grito de um garoto com uma coleção incrível de discos que sonha em se tornar escritor, redigido pelo grande escritor que ele enfim se tornou.

 

O alto grau de sinceridade do autor e o fato de escrever de forma totalmente aberta e direta sobre si, família, amigos e temas que outros escritores evitam, como embriaguez do pai, bullying, depressão, sentimento de fracasso, frustração e fuga da realidade que o afetaram diretamente têm causado polêmica e problemas para Karl com familiares, leitores, críticos e mídia.

 

Mas por outro lado, Knausgard hoje, com suas palavras e silêncios, conquistou seu espaço e revelou, como disse, que ele é simples, mas sua literatura, não.  “Tentei escrever de forma totalmente aberta: não estou mostrando nada, simplesmente é o que é, um estado mental”, disse o autor em entrevista, sintetizando seu fazer literário que o coloca, ao lado da italiana Elena Ferrante e do japonês Harukio Murakami, entre alguns outros, no primeiro time da literatura internacional.

 

Fonte:  Jornal do Comércio/Jaime Cimenti (jcimenti@terra.com.br) em 24 de julho de 2016.