Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
12





                                             

                            

 

 

 


Tropicália, Gêneros, Identidades, Repertórios...
Tropicália, Gêneros, Identidades, Repertórios...

TROPICÁLIA

 

Neste ano que lembramos, analisamos e comemoramos os acontecimentos de 1968, o importantíssimo movimento cultural Tropicália, que surgiu entre 1967 e 1968, deve ser visto como um de seus protagonistas. A Tropicália se iniciou com músicos criativos como Gilberto Gil, Caetano Veloso, Tom Zé, Capinam e outros, e contou com cantoras do porte de Gal Costa, artistas plásticos como Hélio Oiticica e cineastas como Glauber Rocha. O legado da Tropicália, que criou novos padrões, mas respeitou algumas tradições, se faz sentir até hoje.

 

TROPICÁLIA – GÊNEROS, IDENTIDADES, REPERTÓRIOS E LINGUAGENS (Educs, 344 páginas), segunda edição ampliada e atualizada, traz 14 textos de vários autores, organizados pelas professoras-doutoras Ana Mery Sehbe De Carli e Flávia Brocchetto Ramos e também dois trabalhos delas. O hibridismo semiótico da Tropicália, a relação com a Bossa Nova, a suprassensorialidade da arte, Gil e Caetano, arquitetura e contracultura, o antropofagismo musical no Rio Grande do Sul e outros tópicos estão na obra.

 

Mesclando aspectos arcaicos e modernos, os músicos baianos a partir de 1967 buscavam inserção no mercado da produção cultural e na sociedade de massa, sem, contudo, deixar de criticá-los. Questionavam a direita reinante e ao mesmo tempo uma estética de esquerda que menosprezava a forma artística surgida.

 

Escreveu Lúcia Santaella, na contracapa: “Além da evidente herança antropofágica do tropicalismo, lembrada por muitos dos seus teóricos e críticos, um dos seus traços mais marcantes encontra-se na mistura de gêneros, identidades, repertórios e linguagens. Essa mistura é tratada neste livro com manifestação criativa de um hibridismo semiótico, capaz de amalgamar o popular e o erudito, a criação e a acrítica, o deboche e a festa, a música e sua teatralização. Opondo-se aos preconceitos de que só há redundância nos meios de massa, a Tropicália soube trazer para o meio televisivo o ‘biscoito fino’ de um enredo sonoro novo: corrosivo, risível, mas, sobretudo, inventivo”.

 

TROPICÁLIA – GÊNEROS, IDENTIDADES, REPERTÓRIOS E LINGUAGENS apresenta diversos olhares sobre o movimento, a partir de vários ângulos, através de ensaios apresentados no colóquio sobre o movimento, realizado na Universidade de Caxias do Sul em 2007. A obra inspira novos estudos e mostra que a Tropicália vive.

 

 

Fonte: Jornal do Comércio/Livros/Jaime Cimenti (jcimenti@terra.com.br) em 13/05/2018.