Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
4





                                              

                            

 

 

 


TGD - Transtornos Globais do Desenvolvimento
TGD - Transtornos Globais do Desenvolvimento

 

TRANSTORNOS GLOBAIS DO DESENVOLVIMENTO E SUAS CARACTERÍSTICAS.

 

Na antiguidade, os indivíduos com deficiência são vistos como “doentes” e incapazes, sempre estiveram em situação de maior desvantagem ocupando, no imaginário coletivo, a posição de alvos da caridade popular e da assistência social, e não de sujeitos de direitos sociais, entre os quais se inclui o direito à educação (MAZZOTTA, 1996).

 

Assim, as pessoas com deficiência não frequentavam a escola e também não conviviam com os demais membros da família e da sociedade.  A atenção dispensada a essas pessoas eram somente sob o aspecto clínico, ou seja, somente para atendimentos médicos.  Não havia, portanto, atendimento pedagógico e as mesmas eram discriminadas pela própria família, uma vez, que esta escondia-os da sociedade.  No entanto, com os avanços da sociedade moderna houve uma desmistificação no que se refere aos direitos da pessoa com deficiência e aquelas que apresentam Transtorno Global do Desenvolvimento.

 

As crianças com Transtornos Globais do Desenvolvimento apresentam dificuldades em começar e manter uma conversa.  Algumas delas evitam o contato visual e não suportam o toque do outro, preferindo manter-se isoladas, mas podem estabelecer contato por meio de comportamentos não-verbais.

 

Os Transtornos Globais do Desenvolvimento também causam variações na atenção, na concentração e, eventualmente, na coordenação motora.  As mudanças de humor sem motivo aparente e os acessos de agressividade são comuns em alguns casos.  As crianças apresentam seus interesses de maneira distinta e podem focar sua atenção em uma só atividade, como por exemplo, observar determinados objetos.

 

 

Fonte:  Revista ProcureAche/RS