Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
4





                                              

                            

 

 

 


Tempos de Leitura
Tempos de Leitura

 

TEMPOS DE LEITURA

 

A Feira do Livro de Porto Alegre, ocorrida em 2016, usou uma grande sacada para sua divulgação nas redes sociais: criou links para notícias do tipo que dificilmente resistimos clicar, como “Foto rara de borboleta chorando surpreende”,  Ao clicar, revela-se que é apenas uma isca – a notícia é inventada –, e aparece um convite para dedicar essa curiosidade à leitura de um livro.  Não sei se a campanha fez com que as pessoas lessem mais, aumentando os índices de leitura no país que, apesar de um leve incremento, seguem baixos: segundo a pesquisa Retratos da Leitura no Brasil divulgada em 2016, 44% da população não lê.  Mas ela certamente não deixa indiferente quem cai na “armadilha”, por desvelar como nos atraem essas leituras banais.

 

Tomando “leitura” como o ato de decifrar letras e palavras, até que lhe dedicamos bastante tempo, com notícias, postagens em redes sociais, conversas de Whatsapp.  Porém, ler transcende  essa mera operação: diz da compreensão e das relações tecidas com outras leituras e experiências e, também, da criação de novos sentidos, ideias, interpretações.  Na era da informação, no entanto, não raro a leitura fica restrita ao ato de decifrar: entendemos o que foi lido, podemos até reproduzi-lo em uma conversa cotidiana, mas seu sentido se esgota em si mesmo.

 

Esse é um dos grandes vilões das leituras mais extensas, demoradas, como são os livros.  Acostumados à companhia permanente do smartphone, com o qual saltamos entre conversas, imagens e textos breves, temos cada vez mais dificuldade em dedicar a atenção exclusiva, silenciosa e demorada que requerem os livros.  Mesmo quando o aparelho está no silencioso, na tentativa de nos desconectarmos por uns momentos, é difícil resistir a dar uma “checadinha”, interrompendo o estado contemplativo que demandam as camadas mais densas da leitura.

 

Mas não é só nossa capacidade de ler livros que é afetada pelo transtorno de déficit de atenção generalizado do qual todos, em alguma medida, padecemos.  Ampliando seu sentido para além das letras, a leitura é um processo cotidiano, que envolve a capacidade de compreender e interpretar o que vemos, vivemos e sentimos.  Diz de um tempo necessário para que se possam registrar os efeitos daquilo que colhemos, contrastar com o que levamos em nossa bagagem pessoal, estabelecer diálogos e contrapontos.  Estamos o tempo todo lendo, mais ou menos atentamente, mais ou menos profundamente.

 

O imperativo de responder rapidamente, seja com “likes”, opiniões ou conclusões, solapa esse tempo mais demorado, porém fundamental da leitura.  A economia desse tempo, no entanto, pode sair cara: corre-se o risco de deixar que outros, que aparentam ter as soluções às inquietações que nos movem, leiam e respondam por nós.  A premência em ler e responder rápido pode não apenas nos levar a rumos indesejados, mas também empobrecer nossa experiência do mundo e da vida.  As leituras fáceis são como doces: têm atrativo e prazer imediato, mas se nos alimentamos apenas com elas, corremos o risco de deixar a alma desnutrida.

 

Fonte:  ZeroHora/Paulo Gleich (Jornalista e Psicanalista) em 30/10/2016