Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
13





                                             

                            

 

 

 


Saudades do Brasil
Saudades do Brasil

SAUDADES DO BRASIL

 

A canção que fazia sucesso no rádio e na TV colocou no meio da sala da família brasileira os mortos da ditadura militar:  “Choram Marias e Clarices no solo do Brasil”.  Era o final dos anos 70, e alguém tratou de me explicar quem eram Clarice Herzog e Maria Aparecida Fiel Pivotto e por que elas choravam – e até hoje associo o fim da minha infância a esse Big Bang histórico e poético provocado por O Bêbado e a Equilibrista.

Além de ensinar história recente para as crianças e comover adultos que sonhavam com a volta do irmão do Henfil, a canção de Aldir Blanc e João Bosco era um hino – e, como todos os hinos, tornava sua causa simbolicamente mais forte.  Um hino, aliás, que só foi possível porque circunstâncias artísticas e mercadológicas da época permitiam que houvesse público vasto e diverso para letras e harmonias sofisticadas – e o tipo de canção que jamais sairia da fábrica de hits padronizados que abastece boa parte do mercado musical nos dias de hoje.

Neste domingo, completam-se 40 anos da morte de Vladimir Herzog, o jornalista que se tornou símbolo do momento em que o demasiado tornou-se excessivo, e a sociedade civil brasileira decidiu reagir – OAB, líderes da oposição, líderes religiosos, artistas, estudantes.  Entre outras coisas, essa mobilização prova que, mesmo no Brasil é possível a união de adversários em torno de um objetivo comum.  As diferenças, inevitáveis, poderiam ser debatidas mais adiante, quando o mínimo de respeito às instituições fosse restaurado.  É impossível comparar o Brasil da ditadura com o Brasil da democracia, por mais imperfeita que ela seja, mas se o passado nos ensina alguma lição é a de que mesmo ali, onde não havia liberdade e todas as associações eram suspeitas, foi possível reagir e superar rivalidades.

Quem era criança naquela época, ou nem sequer tinha nascido, não pode esquecer que tem uma dívida histórica com a geração que restaurou a democracia – por mais que discordemos das escolhas que alguns tenham feito depois.  Uma dívida de ação e mobilização.  Sonho com o dia em que a sociedade brasileira sinta-se tão ultrajada com a violência da polícia, que cerre fileiras contra ela.  Sonho com uma grande mobilização nacional contra leis desumanas e atrasadas como o projeto aprovado na Câmara n esta semana que penaliza ainda mais as vítimas de estupro.  Sonho que Vladimir Herzog e todos os que lutaram pela redemocratização e por um Congresso livre não sejam desonrados com a vitória da razão cínica na política.  Sonho que as igrejas que abrigam políticos corruptos escolham honrar os líderes religiosos que ficaram ao lado da justiça e da lei no passado repudiando a teocracia mercenária e retrógrada instalada em seu nome no Congresso.

Talvez nos falte o hino, talvez nos faltem os líderes, mas definitivamente não nos faltam as causas – e não pode nos faltar o ânimo.

A esperança é a equilibrista.

 

Fonte:  ZeroHora/Cláudia Laitano (claudia.laitano@zerohora.com.br) 24/10/2015.